FAKE’M – um mote, um desafio e uma materialização. Uma visão retrospectiva do Museu do Falso (2012 a 2018)

Autores

  • Rui Macário Ribeiro Coord. Projecto Património/CITAR – Escola das Artes
  • Laura Castro Universidade Católica Portuguesa/CITAR – Escola das Artes
  • Alice Duarte Universidade do Porto/Faculdade de Letras

Resumo

Sediado em Viseu (Portugal), o Museu do Falso possui um percurso maioritariamente orgânico, quase-casual. A personalidade que o Museu do Falso aparenta adquirir, defende-se que a deve ao facto de ser o resultado e contributo de pessoas, agindo colaborativamente, ainda que permanecendo indivíduos, membros de uma comunidade específica. Esse caminho, entre a fundação e o presente, é o que se procura nestas páginas plasmar, de modo descritivo.

Referências

ANTUNES, R. A nova morfologia do trabalho e as formas diferenciadas da reestruturação produtiva no Brasil dos anos 1990 Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Vol. XXVII, 2014, pág. 11-25.

BRASIL. Ministério da Saúde.Carta dos direitos dos usuários da saúde / Ministério da Saúde. – 3. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 28 p.

BRAVO, M. I. S.; MATOS, M. C. Projeto ético-político do Serviço Social e sua relação com a reforma sanitária: elementos para o debate. In: MOTA, A. E. et al. (Org.). Serviço Social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2009, p. 197-217.

GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do Serviço Social. 8. ed. - São Paulo, 2010, 215 p.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em tempo de Capital Fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. Ed. Cortez: 7ª edição. São Paulo, 2012.

MARTINELLI, Maria Lúcia. O trabalho do assistente social em contextos hospitalares: desafios cotidianos. In Serviço Social e Sociedade, São Paulo, nº 107, p. 497-508, jul/set, 2011.

VELOSO, Renato. Serviço Social, Tecnologias da Informação e trabalho. São Paulo: Ed. Cortez, 2011.

Downloads

Publicado

2018-08-10

Edição

Seção

Seção Temática