Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom <div>O principal objetivo dos Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades é dar visibilidade a estudos, pesquisas e publicações de mestrandos, doutorandos, professores, realizadores audiovisuais, artistas, profissionais da área, estudantes de iniciação científica e demais pesquisadores que contribuem para reflexões teóricas e metodológicas no campo da Comunicação.<br />A publicação é derivada do evento é anual e conta com a participação dos professores do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territórios (PósCom-Ufes), que avaliam os resumos expandidos submetidos. Os Grupos de Trabalho (GT) são espaços para apresentação das comunicações orais, com a posterior publicação dos trabalhos nestes Anais.</div> pt-BR edgard.reboucas@ufes.br (Edgard Rebouças) poscomunicacao.ufes@gmail.com (Simone Azevedo) Ter, 16 Jun 2020 00:00:00 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 As Câmeras DSLR na democratização da produção audiovisual https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30645 <p>O presente trabalho resume a pesquisa que analisa a hipótese de uma democratização da produção audiovisual a partir da chegada da funcionalidade de vídeo às máquinas fotográficas profissionais do tipo ​Digital Single Lens Reflex (DSLR). Parte-se do princípio de que com a crescente digitalização os meios de produção audiovisual tornaram-se, a cada salto geracional, mais baratos e mais acessíveis. A diferença que motiva a hipótese levantada no trabalho é que, no caso das DSLR passou-se então a aproximar a produção de vídeo a uma estética mais parecida a das grandes produções profissionais, principalmente devido à profundidade de campo e a capacidade de troca das lentes, tarefa impossível com as ​camcorders tradicionais de preço acessível. O objeto de pesquisa a ser analisado são as edições da Mostra Produção Independente realizada pela Associação Brasileira de Documentaristas e Curta Metragistas do Espírito Santo (ABD Capixaba) até sua 14ª edição. A metodologia utilizada na pesquisa será, num primeiro momento, análise documental das edições da Revista Milímetros, publicação catálogo da mostra que traz a ficha técnica de todos os concorrentes e, num segundo momento, entrevista com realizadores participantes das edições. A pesquisa encontra-se em fase de levantamento de dados que, em um momento posterior, serão analisados sob a ótica das teorias da comunicação.</p> Raysa Calegari Aguiar , Gabriel Menotti Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30645 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 A falácia do sucesso empreendedor https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30573 <p>Uma nova configuração social está se desenvolvendo a partir de mudanças na econômia, nos avanços tecnológicos, na precarização do trabalho e na redução dos direitos. Em paralelo, o empreendedorismo surge como solução para o futuro. Os dados do empreendedorismo são promissores, se observado o número de pessoas que abrem uma empresa ou que se tornam microempreendedores, mas revelam uma realidade bem diferente quando se analisa o número de negócios que fecham em pouco tempo, a renda mínima que cada empreendedor consegue ganhar, as condições de trabalho e os impactos na saúde mental. Por que tantos perfis nas redes sociais digitais exploram a ideia de sucesso atrelado ao empreendedorismo? Para Dardot e Laval (2016) isso se deve ao neoliberalismo que deseja transformar cada pessoa em um sujeito empreendedor. O objetivo do estudo é a análise da narrativa do sucesso empreendedor criada nas redes sociais digitais para a construção de um imaginário neoliberal. Analizando perfis, no Instagram, que possuem uma grande quantidade de seguidores e que falam sobre empreendorismo foi possivel identificar os discursos que alimentam essa narrativa. São discursos de autogerenciamento em que o sucesso depende do sujeito, mas que se ele fracassar, basta continuar tentando. Desse modo, o sujeito é responsável por qualquer resultado que aconteça e passa a alimentar a narrativa, se apropriando do discurso. Além disso, utilizam figuras públicas que passam a ideia de que basta ser jovem, ter uma ideia brilhante que o sucesso estará garantido. Essa narrativa lança as pessoas em uma nova corrida pelo ouro.</p> Karlili Trindade Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30573 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 As interações nos comentários de transmissões religiosas no Facebook https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30563 <p>Investiga os regimes de interação e de sentido construídos nas transmissões ao vivo de missas pelo Facebook. Busca entender como, ao longo da transmissão, acontecem as interações entre o público/fiéis através das mensagens postadas no espaço dedicado aos comentários. Analisa a transmissão ocorrida no dia 1o de julho de 2018, através da página do padre Anderson Gomes, responsável pela administração da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Vila Velha (ES). Trata os dados de forma qualitativa, à luz do referencial teórico e metodológico da semiótica discursiva de A. J. Greimas e colaboradores, em especial, a sociossemiótica, de Eric Landowski. A partir da perspectiva sincrética do objeto, abrange ainda a análise do produto dessas interações, com o estudo do plano de conteúdo dos textos postados, a partir do método do percurso gerativo de sentido, com foco nos níveis discursivo e narrativo; e do plano de expressão, a partir das categorias cromática, eidética, topológica e matérica.</p> Gilliard Zuque da Fonseca, Maria Nazareth Bis Pirola Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30563 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 As fontes de notícias enquanto news promoters: a ressignificação dos especialistas em saúde no ecossistema jornalístico https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30570 <p>Este trabalho busca compreender e analisar as fontes de notícias no ecossistema jornalístico a partir de dois territórios simbólicos: os jornais e as redes sociais. Nesse primeiro momento, a análise quantitativa foi privilegiada, visto que a pesquisa está em andamento. Na análise em O Globo, Folha de São Paulo e Estado de São Paulo, constatou-se que existem fontes de notícias em saúde que possuem seus próprios canais de comunicação nas redes digitais com o intuito de informar ao público sobre suas perspectivas de vida saudável de acordo com sua especialização, ressignificando seu conceito de fontes de notícias para além dos jornais, no que diz respeito ao meio informacional. Sendo assim, explora-se a ideia de novas mediações imbricadas ao processo de midiatização social para entender esse processo contemporâneo que reconfigura o processo de produção e apuração jornalística visto que novos territórios simbólicos de narrativas são apropriados e exercitados.</p> Thalita Mascarelo da Silva, Victor Israel Gentilli Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30570 Ter, 16 Jun 2020 00:00:00 -0300 A objetividade na visão dos professores de jornalismo https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30593 <p>Essa pesquisa consiste no estudo detalhado do conceito de objetividade jornalística e a comparação das diversas teorias acerca da objetividade com a visão que os professores de jornalismo têm sobre o termo. O objetivo é compreender a diferença de entendimento filosófico entre os atores do campo jornalístico na teoria e a prática jornalística em si, seja em suas rotinas, aulas ou procedimentos. Isso será feito através de uma pesquisa bibliográfica apurada sobre como a concepção é tratada de forma ontológica, epistemológica e metodológica. Após isso, será feito um questionário online com os professores para revelar como é a visão de cada um sobre o conceito, através de perguntas conceituais e também sobre o campo prático do jornalismo, pontuando visões e opiniões. Uma das explicações para a importância dessa pesquisa é a percepção de que a objetividade é vista por muitos como óbvia, ou é refutada e classificada como uma maneira ingênua de se entender a atividade de mediação, mas mesmo assim não é desvinculada ao fazer jornalístico, principalmente em grandes jornais e revistas. Como o conceito recebe, sistematicamente, várias interpretações, ele se mistura a outros como “imparcialidade”, “verdade” e “revelação da realidade”. É necessário, portanto, entender o motivo dessa confusão de termos, e o porquê de mesmo com tantas <br>críticas, ele ainda se sustenta e é forte na visão da sociedade e no próprio jornalismo. </p> Tayná Antunes de Rezende , Rafael da Silva Paes Henriques Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30593 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 A geopolítica mundial nos discursos midiáticos e no ensino de Geografia https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30580 <p><span style="font-weight: 400;">Compreender a linguagem midiática é uma questão importante para a Geografia Escolar. Conceitos estruturadores do pensamento geográfico – como território, paisagem e espaço – estão constantemente presentes no vocabulário utilizado pelos noticiários internacionais. Para facilitar a compreensão do público sobre temáticas geopolíticas, os meios de comunicação de massa utilizam linguagens baseadas em estereótipos, maniqueísmos, clichês, truísmos e tipificações. Este tipo de abordagem dos fatos empobrece as análises sobre as relações internacionais. Não obstante, a influência do discurso midiático no ensino de Geografia é pouco mencionada em trabalhos acadêmicos de maneira geral. Após análise de diversas matrizes curriculares, é possível constatar que o uso pedagógico de diferentes mídias é uma questão negligenciada na maioria dos cursos de licenciatura em Geografia, fator que dificulta a formação de profissionais que estejam preparados para incorporar o material midiático de maneira satisfatória em sala de aula. Nesse sentido, este trabalho apresenta os resultados de uma reflexão teórica e pesquisa em campo que buscou compreender como professores e alunos decodificam os discursos geopolíticos da mídia. Constatou-se que a mídia ainda é o principal fator que condiciona os imaginários geopolíticos dos discentes. Por outro lado, grande parte dos educadores ainda concebe o material midiático apenas como mais um recurso didático e não como objeto de estudo a ser sistematizado em sala de aula.</span></p> <p>&nbsp;</p> Francisco Fernandes Ladeira Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30580 Ter, 16 Jun 2020 00:00:00 -0300 A presença de médicos no Instagram e a temática do consumo saudável: uma revisão de literatura https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30650 <p>Quais as estratégias discursivas utilizadas por médicos no Instagram e que tipos de abordagens produzidas por eles podem influenciar no consumo saudável dos usuários? Essas são algumas das inquietações que compõem o projeto de pesquisa “Consumo saudável e redes sociais digitais: análise das estratégias discursivas utilizadas por médicos a partir do Instagram” em desenvolvimento no Programa de PósGraduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (PósCom-Ufes). As análises da pesquisa vão permear em torno do ciberterritório das redes sociais, das relações de consumo e de questões voltadas para o estilo de vida saudável. O objetivo desse artigo é apresentar parte da revisão de literatura realizada na Biblioteca Eletrônica Scielo e no portal de periódicos da Capes, além dos portais de congressos e de revistas da área durante o período de agosto a outubro de 2019. A partir do levantamento, foi possível perceber como as pesquisas que envolvem consumo e Internet têm crescido nos últimos anos. Entretanto, quando restringe às questões da saúde mais voltadas para o estilo de vida saudável, ainda há lacunas e um enorme campo para ser explorado, sobretudo envolvendo as novas perspectivas comunicacionais e de interação dos profissionais da área da saúde, como por exemplo dos médicos, junto à sociedade midiatizada e conectada.</p> Lunélia Amaral Lima , Flávia Mayer dos Santos Souza Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30650 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 A Rádio Pública e a Democracia https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30579 <p>Observando a radiodifusora estatal vinculada ao Governo do Estado do Espírito Santo, o presente trabalho analisa aspectos da emissora relacionados à radiodifusão pública. Tendo como base teórica as reflexões críticas propostas a partir do ponto de vista da economia política da comunicação, o trabalho busca entender, historicamente, quais interesses são priorizados pela emissora que é pública, gerida pelo Estado, mas atua em um ambiente pressionado pelas demandas mercadológicas.</p> Ivana Sonegheti de Mingo, Edgard Rebouças Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30579 Ter, 16 Jun 2020 00:00:00 -0300 A urgência do feminismo marxista na sociedade https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30619 <p>O debate sobre o feminismo tem se tornado cada vez mais necessário na sociedade, o ambiente acadêmico tornou-se solo fértil para essas questões, mas falar em feminismo é falar de várias vertentes e de diversos entendimentos. Este resumo tem como objetivo principal fazer uma discussão teórica sobre a urgência da discussão marxista quando se fala em feminismo. A proposta aqui é fazer uma revisão biblográfica sobre alguns debates acumulados sobre essa questão.</p> Yasmin Ribeiro Gatto Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30619 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Confronto de ficções: bacurau e resistência frente ao imperialismo na era do capitalismo global https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30649 <p>Este artigo apresenta uma leitura do filme Bacurau (2019), dirigido por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. O trabalho pretende realizar essa análise através de três das possíveis camadas de construção da narrativa fílmica, as quais se apresentam como uma, acreditamos que proposital, sobreposição de estilos antagônicos – como a ficção científica, a distopia, o horror, o gore e o western (faroeste) norte-americano. Acreditamos que o embate dessas “ficções” dá o caráter provocador da obra, a qual atua como um campo de conflitos heterotópico e evidencia as ambiguidades e contradições entre os discursos presentes na narrativa e o contexto políticoeconômico da conjuntura brasileira e mundial atual, bem como seus determinantes históricos. Dessa forma, a primeira camada abordará a leitura do que colocamos como confronto de ficções, evidenciando os gêneros presentes na obra e as inversões dadas ao uso próprio dos mesmos estilos na narrativa. Na segunda camada, uma breve leitura da realidade latino americana frente às forças imperialistas do capitalismo globalizado e uma proximação com o conceito de decolonialidade. Por fim, uma investigação sobre o cenário e as locações na construção da narrativa fílmica, discutindo desde construções específicas e o lugar onde o filme foi gravado.</p> Marcello Gaiani Bragatto , Mário Victor Marques Margotto Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30649 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Corpo Transgressor Feminino:um diálogo voltado ao fortalecimento da mulher usando teorias para limpar as sujeiras invisíveis deixadas pela violência doméstica https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30627 <p>Este resumo expandido é um estudo sobre o fortalecimento feminino, e parte da relevância e da necessidade em verbalizar sobre a violência doméstica cometida contra a mulher. Para justificar essa temática usamos dados estatísticos retirados do Atlas da Violência 2019, o qual traz uma relação informativa sobre os vários tipos de violências cometidas no Brasil, dentre elas, as violências praticadas contra mulheres. Os desafios das mulheres e suas lutas são contínuos, buscam ainda a estabilização dos opostos e a sua desvinculação da imagem objetificada. Essa busca tão atual tem como eco a busca de outras que sentiram na pele a necessidade de uma valorização em prol das mulheres. Por entender que resultados positivos neste enfrentamento, podem ser obtidos também, a partir das teorias que encontramos no nosso percurso de pesquisa para conceituar o nosso trabalho de mestrado, ousamos aqui, demarcar o lugar de fala de uma mulher que vivenciou as atrocidades da violência doméstica e que fez das teorias suas parceiras de enfrentamento na “limpeza das sujeiras invisíveis” deixadas pelas violências sofridas. Para conceituar esta proposta de estudo, dialogamos com autoras que explicitam em suas teorias, conceitos de transgressão às normas hegemônicas masculinas que legitimam, ainda hoje, a violência doméstica praticada contra a mulher.</p> Rosemery Casoli, Aissa Afonso Guimarães Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30627 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Cultura Hip Hop: o rap como elemento de comunicação e resistência https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30669 <p>Essa pesquisa faz parte de uma dissertação de mestrado que tem como objetivo analisar o rap enquanto forma de promoção de lutas feministas e ressignificação dos papéis sociais de gênero por meio do grupo capixaba Melanina Mcs, o objeto da dissertação. Porém, para entender o rap como capaz de levantar questões políticas é preciso primeiro o conceituar como uma expressão político-cultural e forma de comunicação contra-hegemônica de resistência. Assim sendo, esta pesquisa se aprofunda, através de um levantamento bibliográfico, no movimento hip-hop, mais precisamente no rap, como uma forma de reivindicação da cidade e reteritorialização do espaço urbano, por meio da cultura popular que se caracteriza como mídia radical. Ao mostrar uma realidade escondida e questionar a hegemonia, esta mídia se opoões aos meios tradicionais de comunicação. Por consequência, o rap define as identidades coletivas do movimento hip-hop, auxiliando na construção da identidade individual dos atores presentes no movimento.</p> Carolina Ofranti Sampaio , Viviana Mónica Vermes Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30669 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Crise Migratória de Venezuelanos: uma questão diplomática https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30591 <p>O presente artigo propõe a adoção de uma postura mais diplomática dos países da América do Sul, através de seus blocos econômicos e de grupos especializados na crise, para que seja possível resolver o real problema que envolve a crise na Venezuela e não apenas as mazelas dela decorrentes. Para tanto faz-se necessário debruçar sobre as iniciativas já tomadas na busca de uma linha diplomática para a solução da crise democrática, contudo, sem deixar de lado a população venezuelana e suas necessidades. Ante o exposto, com o intuito de enfrentar a questão tem-se o objetivo de analisar a configuração da crise migratória de venezuelanos, baseado, sobretudo, nos dados atinentes do Brasil. Em seguida, analisar algumas ações que o governo brasileiro tem tomado para tentar minimizar os impactos advindos com o intenso fluxo migratório, sobretudo, com ênfase na atuação comunicativa dos organismos internacionais frente a crise. </p> Luma Vilela Ramos Fonseca , Betânia Teodora Andrade da Silva , Brunela Vieira de Vincenzi Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30591 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Discursos nas redes X Silenciamento: mulheres negras no território político capixaba sobre o caso Marielle Franco https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30617 <p>Após 19 meses do crime político que levou a morte de Marielle Franco e o seu motorista Anderson Gomes, o caso não foi solucionado. Estão sendo investigados dois suspeitos, um dos disparos e o outro que dirigia o carro, entretanto ainda sem respostas sobre o motivo e que levem ao mandante deste crime. Entendendo a repercussão e relevância deste caso não só para a sociedade brasileira, mas em âmbito mundial, a proposta deste artigo é refletir sobre o silenciamento e a produção de esquecimento, a partir da análise crítica do discurso produzido pelas mulheres negras capixabas eleitas até 2018 em suas redes midiáticas (Facebook, Instagram, site pessoal e site do partido), no período de 14 de março a 14 de abril de 2018, data que corresponde a um mês após o crime de Marielle. Dentre as 78 mulheres negras eleitas no estado do Espírito Santo, apenas uma se manisfestou em relação ao caso.</p> Sthefany Duhz Cavaca, Gabriela Santos Alves Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30617 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Disputa discursiva: uma análise sobre o Jornal A Gazeta na cobertura da modalidade de uso do território do Parque Tecnológico de Vitória https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30592 <p>Este trabalho é uma análise sobre o modo como o jornal “A Gazeta” acompanhou e noticiou o projeto do Parque Tecnológico de Vitória, o qual teve início na década de 1990. Para isso, foram levantadas as publicações sobre o tema no período de janeiro de 2016 a setembro de 2019, quando houve a mobilização e votação para definir a modalidade de uso do território no Plano Diretor Urbano (PDU). A Análise Crítica do Discurso foi utilizada sob a ótica de Norman Fairclough (2001 e 2012), como instrumento metodológico para a análise de algumas matérias selecionadas. O estudo mostra que o tema foi subutilizado, considerando a relevância da pauta para o desenvolvimento da economia da cidade mediante a necessidade de descobrir alternativas para a matriz econômica, ainda submetida à produção extrativista e de commodities. As publicações priorizaram os debates políticos e econômicos, que podem ter sido produto de interesses envoltos em relações de poder nessa disputa.</p> Mayra Belem Tavares de Brito, Rafael Paes Henriques Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30592 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Ecorresistência em Frans Krajcberg https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30671 <p>Este trabalho é um recorte da pesquisa de dissertação junto ao Programa de PósGraduação em Artes, mestrado, da Ufes. Desta forma, ainda em construção, a pesquisa tem como objetivo analisar ecologia e resistência na estética de Frans Krajcberg buscando elucidar as relações existentes entre os processos e as experiências estéticas Krajcberguianas e como se coadunam, com sua trajetória de vida e com as questões nodais que atravessam essa trajetória. Ao aprofundar essas relações, busca-se identificar uma estética ecorresistente e ampliar o entendimento quanto a presença das ressignificações, em especial, dos elementos naturais nessa estética. Krajcberg ressignifica elementos naturais (pigmentos minerais, raízes, cipós e troncos), e apresenta uma estética ecorresistente, em linguagens como gravura, relevo, fotografia e escultura. A resistência krajcberguiana emerge como forma de sobrevivência em face da violência nazista, que o lançou às vicissitudes do degredo, alimentando seu desejo de re-existir. Essa re-existência encontra lugar e é desperta, definitivamente, pela natureza brasileira, onde Krajcberg vive a maior parte de sua vida. E é no Brasil que o artista, se percebe e se define ecologista. As questões nodais que envolvem a estética Krajcberguiana trazem à tona questões e temas correlatos, como: sustentabilidade, consumismo, violência, individualização, preconceito étnico-racial, insensibilidade moral, ética, alteridade, humanismo, política, globalização, modernidade/pós-modernidade, que são pautas planetárias que estão em plena vigência.</p> Maria Marta Morra Tomé, Gaspar Leal Paz Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30671 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Estudo sobre a construção da imagem política eleitoral do governador Renato Casagrande no Facebook https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30566 <p>Examinar a participação dos seguidores do Facebook do governador Renato Casagrande por meio de três postagens com maior engajamento entre a eleição de 2018 e a gestão em 2019 é o foco dessa pesquisa, que é parte de um trabalho mais amplo que está sendo desenvolvido com o objetivo de compreender como a imagem política eleitoral pode ser construída nas redes sociais. Como metodologias, recorreu-se à análise do discurso (AD) e de conteúdo (AC). O período total coletado começa seis meses antes da campanha eleitoral de 2018 e prossegue até os primeiros seis meses de mandato em 2019. Nos resultados, foi identificado interações na página oficial do candidato em sua maioria, positivas, embora haja presença de críticas ao candidato e apoio aos adversários. A pesquisa está em andamento, por isso, as considerações não são conclusivas.</p> Stéphane Figueiredo Ferreira, Ruth Reis Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30566 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Estigmas sociais dos refugiados venezuelanos na mídia digital brasileira https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30560 <p>Este artigo busca analisar de que forma o tratamento dado aos refugiados venezuelanos nos meios digitais de comunicação brasileiros reflete os os estigmas sociais em relação a eles e se os reforça. Para isso, analisaremos o noticiário sobre fatos de agosto de 2018, quando se chegou a aventar o fechamento da fronteira do Brasil com aquele país, em Roraima. O estudo terá como base a Análise Crítica do Discurso, do pesquisador sociocognitivista Teun Van Dijk.</p> Lidia Gurgel Neves-Hora Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30560 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Etnografia sonora e Comunicação: prática e resultados no contexto das disputas eleitorais em 2018 https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30646 <p>Este trabalho é subproduto de intermediações construídas no cotidiano do grupo de pesquisa “Fazer com Sons: técnicas sônicas, práticas sócio-culturais e territorialidades” da Universidade Federal do Espírito Santo, acerca dos alcances ontológicos da etnografia no campo da Comunicação Social, especialmente para os segmentos de pesquisa que espreitam as relações entre comunicação e atuação política organizada. A partir de exemplos empíricos da utilização do método no contexto das disputas eleitorais de 2018 no município de Vitória, Espírito Santo, pretende-se empreender fundamentos que interpretem as interações sociais de atores híbridos, ou seja, consumidores e produtores de semânticas políticas particulares que potencializam suas preferências eleitorais e suas experiências afetivo-ideológicas. Para isso, o trabalho apresenta a etnografia, enquanto estratégia de condução para pesquisas em Comunicação, aplicada ao mapeamento das técnicas sônicas utilizadas por esse sujeitos para disputarem ideias e aparecerem no espaço público. Neste espectro, foi possível compreender a adequação metodológica por sua capacidade de reforçar o protagonismo das trocas subjetivas entre pesquisador(a) e pesquisados(as) e também para a construção de questões investigativas que dialoguem com/sobre o campo simbólico dos atores sociais. A etnografia sonora, por fim, auxilia para a reflexão sobre ​como ​ transmite-se uma mensagem, tornando os artefatos e os sons manipulados tão relevantes quanto o conteúdo do que se espera dizer</p> Ana Beatriz Moreto do Vale , Pedro Silva Marra Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30646 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Enquadramento do debate sobre aborto voluntário na Argentina no jornal Folha de S. Paulo https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30620 <p>Objetiva-se neste trabalho de iniciação científica um mapeamento dos textos produzidos e disponíveis no site do jornal Folha de S. Paulo durante o ano de 2018. Esse período de intensa discussão acerca do projeto de lei que permitiria o aborto voluntário na Argentina, o que acabou por influenciar nas pautas do jornalismo brasileiro. Pressupondo que a prática jornalística tradicional (re) produz implícita e explicitamente ideias hegemônicas, aqui, analisaremos, sobretudo, a ideologia de maternidade compulsória na mídia. Para essa finalidade, este estudo de caso debruça-se na análise de enquadramentos que os jornalistas da<br>Folha deram à temática da liberdade reprodutiva e não reprodutiva da mulher na época dos fatos. Com o intuito de definir se o discurso de um dos mais influentes jornais do país é hegemônico ou não, é necessário identificar pistas que denunciam as produções de sentido por meio da escolha de um vocabulário particular, mecanismos de ênfase e exclusão na seleção de fatos e na indicação de definidores primários como fontes que sustentam certo posicionamento.</p> Eduarda Mathias Moro, Rafael Bellan Rodrigues de Souza Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30620 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 #EleNão: Movimento de mulheres no território digital e as eleições de 2018 https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30631 <p>Há menos de um mês para o primeiro turno das eleições presidenciais, internautas indignadas com a possibilidade do candidato do PSL ocupar o cargo mais importante do País lançaram a campanha #EleNão. O movimento cresceu nas redes sociais e tomou as ruas com protestos em mais de 100 cidades brasileiras e no exterior. Para estudar esse fenômeno foi empreendida uma análise das narrativas das postagens do dia 29 de setembro (data da primeira manifestação) no site de rede social Twitter. Analisamos os alguns dos tweets mais compartilhados e os principais tópicos de pensamentos contidos nas postagens do DataSet com a finalidade de compreender as principais pautas defendidas pelo movimento, e se a campanha constitui uma resistência feminina e feminista à uma onda conservadora e aos retrocessos de direitos das mulheres. Palavras-chave: Análise. Feminismo. Movimentos sociais. Eleições.</p> Alena Moreira, Gabriela Santos Alves Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30631 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Grindr e sua gentrificação do afeto https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30621 <p>Discute a ressemantização do conceito de gentrificação a partir da perspectiva da territorialidade digital, tomando como base uma pesquisa de mestrado em andamento. Tem como objetivo central analisar como biopoder e solidão articulam-se no território digital produzindo a noção de gentrificação do afeto. Toma como corpus analítico o aplicativo de encontro homoafetivo-sexual Grindr, precisamente suas capturas de tela (printscreens), que são apanhadas por meio de etnografia online e lidas à luz da análise de conteúdo, duas correntes metodológicas estruturantes do presente trabalho. Reúne autores dos estudos sobre comunicação, territorialidade, gentrificação, biopoder e solidão. É um trabalho de pesquisa qualitativa, em fase exploratória, que visa a contribuir com uma reflexão sobre como a noção de gentrificação do afeto surge da percepção de um fenômeno que mescla biopoder e solidão numa rede social digital de busca por parceiros, ao mesmo tempo que funciona como dispositivo que atualiza o paradigma da sexualidade.</p> Thiago Scarpat Mozer, Gabriel Menotti Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30621 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Liberdade para os cachos: a linha Curly Wurly e a ruptura de padrões estéticos https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30996 <p>Nos últimos anos, acompanha-se um movimento de valorização da estética negra e de enaltecimento dos cabelos crespos e cacheados, amplificado pelos mecanismos de interação presentes nas redes sociais digitais. Esse movimento influencia uma mudança no mercado de beleza e cosméticos que, na tentativa de se adequar às exigências do público feminino que deseja assumir seus cabelos naturais, responde com o lançamento de um quantitativo expressivo de produtos capilares destinados à mulher negra, trazendo embalagens com marcas discursivas que dão pistas de certo diálogo com o movimento de aceitação. Por meio do referencial teórico-metodológico da semiótica discursiva e da semiótica pástica, este trabalho possui como objetivo compreender quem são e como são construídas as enunciatárias inscritas nos discursos das embalagens de produtos cosméticos capilares para a mulher negra. Para isso, utiliza como corpus as embalagens da linha Curly Wurly, lançada em 2011 e reformulada em 2015 pela empresa brasileira Lola Cosmetics.</p> Juliana Bellia Braga, Flávia Mayer dos Santos Souza Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30996 Ter, 16 Jun 2020 00:00:00 -0300 Linguagem videográfica: a retomada da produção audiovisual capixaba na década de 1980, no curso de Comunicação da Ufes https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30670 <p>Este trabalho é um recorte da pesquisa de dissertação junto ao Programa de PósGraduação em Artes, Mestrado, da Ufes. Desta forma, ainda em construção, a pesquisa enfoca o surgimento da linguagem videográfica, nos anos 1980, em Vitória/ES, no período compreendido entre os anos de 1986 a 1989, quando ocorre as primeiras experimentações com o vídeo, possibilitadas com a aquisição de um aparelho de videocassete e uma câmera Betamax, pelo curso de Comunicação da Ufes, iniciando-se a partir dai a produção de uma série de vídeos de registros do que acontecia na Universidade, e dos primeiros projetos de vídeos documentários e de ficção. Nessa efervescência produtiva, começa o primeiro ciclo videográfico que retomou a produção audiovisual capixaba, estagnada desde o fim dos anos 1970. Nesse sentido, evidencia-se que a produção videográfica surgida na década de 1980, no curso de Comunicação, provocou também uma inovação na produção audiovisual capixaba, estabelecendo uma nova forma de produção que não pode ser chamada de cinematográfica, que se dá na fronteira entre vídeo e cinema como uma experiência híbrida/experimental.</p> Ernandes Zanon Guimarães, Ângela Grando Bezerra Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30670 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Meios de comunicação e os atalhos na carreira política: Entendendo os outsiders a partir das eleições 2018 https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30589 <p>Este trabalho possui o objetivo de refletir sobre a economia política da comunicação a partir das eleições 2018. Partimos da premissa de que historicamente os meios de comunicação têm servido de atalhos para outsiders consolidarem suas carreiras políticas, tornando-os protagonistas no cenário político. Analisamos como pano de fundo uma edição do Programa Caldeirão do Huck e outra do Programa do Frota que foi exibido na Rede Brasil entre 2013 a 2017. Este artigo está divido em três capítulos no primeiro far-se-á elucidação sobre a noção da economia política da comunicação a partir de Luhmann (2001;2006) e De La Haye (1979), em seguida buscamos elucidar o termo outsiders Elias (2000) a partir do coronelismo eletrônico Santos (2008). No terceiro e último capítulo analisamos ambos os programas e sua relação com as eleições 2018. O presente estudo assume a metodologia qualitativa. O trabalho aponta como resultado principal que por detrás de uma capa superficial de críticas sob a política tradicional usando meios de comunicação cria-se laços sociais entre o público que concede aos outsiders êxito em seus projetos políticos eleitorais. <br><br></p> Gilson Arão Júlio Neto Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30589 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Mutações nas práticas discursivas do "Escola Sem Partido" https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30568 <p>Trata-se de trabalho desenvolvido no decurso de pesquisa vinculada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo e subsidiada com bolsa de pesquisa financiada pela Fapes/Capes. O presente artigo pretende investigar as práticas discursivas do movimento “Escola Sem Partido” em ambientes digitais para entender como elas afetam a dimensão do político. Problematiza a questão tendo como ponto de partida a configuração da vivência contemporânea em territórios mediatizados. Debruça-se sobre um corpus composto de três contextos distintos para captar nuances e mudanças e o interpreta a partir do arranjo teórico-analítico da AD Francesa. Além da rejeição das ideias de esquerda e até mesmo liberal, nota-se uma produção discursiva voltada ao estímulo à perseguição e vigilância de professores, somado a uma erosão do político ao assujeitar os adeptos da causa a endossar a defesa filial acima de valores democráticos, promover um discurso punitivista ao invés da crítica e do diálogo.</p> Frederico Carneiro, Caroline Pignaton, Alexandre Curtiss Alvarenga Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30568 Ter, 16 Jun 2020 00:00:00 -0300 “Nem um poço a mais”: a representação positiva da luta das mulheres indígenas e quilombolas pelo jornal Século Diário contra a indústria petrolífera no ES https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30598 <p>Partindo da constatação do silenciamento da mídia dominante regional em comparação a quatro editorias exclusivas do jornal capixaba Século Diário (Meio Ambiente, Cultura, Sindicato, Direitos), este estudo objetiva refletir sinteticamente sobre a postura editorial do Século, examinando-a na série de reportagens “Nem um poço a mais”, criada após a contaminação por óleo de petróleo cru nas praias do Nordeste que já chega ao litoral do Espírito Santo. Por meio do enquadramento noticioso, e da análise de conteúdo como ferramenta de coleta, verifica-se que a angulação da notícia contrahegemônica do Século Diário privilegia abordagem com representação positiva no resgate histórico da luta das mulheres indigenas, descendentes de botocudos, e mulheres quilombolas contra os impactos sociais, ambientais e econômicos causados pela chegada da industria petrolífera no norte do Espírito Santo, nos anos 1970, se posicionando também criticamente contra mercantilização da natureza pelo capital e fortalecendo a identidade-cultural e preservação da memória dos povos tradicionais. .</p> Priscila Sarmento Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30598 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Nomadismo digital, empreendedorismo online e o discurso dos novos modelos de trabalho na blogosfera https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30571 <p>A pesquisa tem por objetivo analisar como os discursos sobre nomadismo digital em dois blogs, Nômades Digitais e 360meridianos, são construídos. Por nomadismo digital entende-se o movimento digital que prega a junção entre trabalho e mobilidade, sendo possível trabalhar de qualquer lugar do mundo. Para tanto, busca entender quais são os aspectos que formam as narrativas do fenômeno, visto que, em seus conteúdos são utilizadas palavras como empreendedorismo, criatividade, viagens e mobilidade. Ao tentar entender teoricamente o nomadismo digital, serão utilizados os conceitos de território informacional, mobilidade e nômades virtuais de André Lemos (2009), de empreendedorismo de Casaqui (2005) e de blogs segundo Malini (2008) e Amaral, Montarto e Recuero (2009). Já para análise do plano de conteúdo e de expressão dos blogs, recorremos à Semiótica Discursiva e Plástica, a partir de Greimas (2014), Fiorin (2002), Barros (2005) e Oliveira (1993).</p> Letícia Gomes Barroso, Maria Nazareth Bis Pirola Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30571 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O corpo da cineasta: autoinscrição no cinema feminista experimental e de vanguarda (1960-1970) https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30624 <p>Mapearemos, neste trabalho, as relações entre a teoria feminista dos anos 1960-1970 e o cinema feminista experimental e de vanguarda desse período, identificando, sobretudo a partir do conceito de "autoria performática” (Cecilia Sayad), a autoinscrição da realizadora no filme como um denominador comum a algumas dessas obras. A metodologia empregada, de caráter qualitativo, baseiase, além da análise contextual, numa análise fílmica textual e na consulta de<br />fontes bibliográficas. Faremos, por fim, um breve estudo comparado entre as políticas de autoinscrição do corpo e da sexualidade observadas nos objetos fílmicos analisados com o objetivo de compreender as diferenças narrativas e estéticas presentes nos distintos usos dessa estratégia.</p> Luana Cabral, Marina Cavalcanti Tedesco Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30624 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O Discurso Hegemônico do Agronegócio na mídia: uma análise Gramsciana https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30581 <p>Este artigo é parte de uma investigação mais ampla, ainda em curso, vinculada ao Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo, que tem como objetivo ampliar o debate acadêmico sobre como os conflitos agrários gerados pelas atividades do agronegócio internacional do eucalipto, na região Norte do estado do Espírito Santo, são representados pela mídia capixaba. Para este texto, beberemos na contribuição do filósofo marxista Antonio Gramsci, a partir do seu conceito de hegemonia, para compreender como os discursos construídos pela mídia são capazes de redesenhar a cartografia do mundo coletivo, construindo visões hegemônicas. E em como o agronegócio tem se apropriado desse protagonismo da mídia para se projetar como o modelo de produção mais eficiente para o desenvolvimento econômico do espaço agrário brasileiro. Ao final, é possível concluir que a mídia também tem interesses na promoção do agronegócio e que, na maioria das vezes, isso não é explicitado em seus discursos.</p> Nathália Esteves da Silva Gomes , Rafael Bellan Rodrigues de Souza Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30581 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O enquadramento jornalístico da violência contra a mulher: proposta de análise das notícias da Gazeta do ES https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30626 <p>O trabalho faz uma breve discussão teórica sobre patriarcado, machismo, violência contra a mulher e seus retratos no jornalismo contemporâneo. Para isso, a proposta é fazer uma análise das matérias de violência contra a mulher veiculadas no jornal A Gazeta do Espírito Santo Online entre março e agosto de 2019, período de seis meses iniciado e terminado em meses com importante significado para essa área, o Dia Internacional da Mulher e criação da Lei Maria da Penha. A proposta da pesquisa em desenvolvimento durante o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo é questionar se o patriarcado e o machismo estão presentes nos conteúdos veiculados pela mídia, uma vez que o jornalismo moderno se posiciona como imparcial, objetivo e até mesmo interessado em questões<br>sociais. A ferramenta metodológica pensada para fazer essas análises é o enquadramento noticioso, com inspiração em Entman (1993) e Porto (2002). Autoras que investigam a temática de<br>gênero, como Saffioti (2015) e Fraser et al (2019) são utilizadas nessa discussão, enquanto o debate sobre o jornalismo e a hegemonia ficam por conta de autores como Genro Filho (1987), Moretzsohn (2002) e Moraes (2010).</p> Yara Lopes, Rafael Bellan Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30626 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O Shopping Vitória e seus discursos: uma análise do Gourmet Place https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30672 <p>Neste artigo, buscamos analisar os discursos do Shopping Vitória, o primeiro grande shopping center do Espírito Santo. Para isso, levamos em consideração também outras marcas presentes em seu espaço e tomamos como recorte o Gourmet Place, uma área constituída por diversos restaurantes. Amparados no referencial teórico-metodológico da semiótica discursiva, e em seu desdobramento nos estudos da plasticidade, observamos que os discursos produzidos nesse ponto específico do empreendimento são variados, o que implica diferentes enunciatários. A partir da observação das fachadas dos restaurantes ali alocados, verificamos temáticas e efeitos de sentido que marcam diferenças entre cada um deles. Contudo, tais estabelecimentos também apresentam semelhanças plásticas entre si. Com a análise, concluímos, ainda, que o Shopping Vitória recupera em<br>seus discursos a dinâmica da cidade: imprime relevância sobre o Gourmet Place e o constitui como um simulacro de espaço público, por meio de figuras – portal, placa de sinalização, toldos, cercas, etc. – que projetam uma imitação de rua ladeada por restaurantes.</p> Glauber Pinheiro Rocha, Flávia Mayer dos Santos Souza Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30672 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O cotidiano no centro das atenções:uma análise de narrativas femininas no YouTube https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30629 <p>Este artigo analisa os canais Clarear e Jéssica Barbosa à luz do conceito de cotidiano, uma vez que cenas do dia a dia das youtubers Rúbia e Jéssica tem se tornado um recurso para alcançar visibilidade na plataforma YouTube. O artigo apresenta como resultado a distribuição dos conteúdos nas categorias conceituais dos vídeos publicados em cada canal, quais sejam: intimidades, canal, casa, rotina, culinária, casamento e beleza, em Jéssica Barbosa; culinária, canal, casa, rotina, intimidades e conselhos, no Canal Clarear. Traz ainda as palavras com as ações que mais se repetem no cotidiano mediatizado das youtubers, que em suma destacam a casa e a rotina dessas mulheres.</p> Camila Fregona Rocha, Daniela Zanetti Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30629 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O Graffiti e as questões socioterritoriais: abrangências e exclusões na cidade https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30642 <p>Essa pesquisa tem como objetivo abordar a relação entre o graffiti e as questões socioterritoriais. Ao tratar da territorialidade no espaço urbano, faz-se necessário salientar como a distribuição dos espaços destinados à moradia vêm a afetar a vida dos habitantes, e torna-se um fator determinante na relação destes com a cidade. A partir disso, será possível levantar a interação entre a territorialidade e o graffiti, envolvimento esse que vem a promover o graffiti como uma manifestação de potente valor simbólico, que marca na cidade a necessidade de políticas e ações que sejam capazes de suprir as necessidades das populações mais fragilizadas. Para a elaboração desse estudo, serão observadas pesquisas, dissertações, noticiários, revistas e artigos realizados por diversos autores. Em complementação às reflexões embasadas bibliograficamente, será realizado ainda, um levantamento fotográfico demonstrando nos bairros da cidade de Vitória, capital do Espirito Santo, algumas das mais diversas manifestações decorrentes da problemática apresentada. Estes estudos permitirão considerar (ou não) que o graffiti na contemporaneidade faz-se um importante instrumento de representatividade social, sobretudo das camadas mais carentes da população, além de um elemento de formação de sentido do lugar. <br><br><br></p> Penha de Fátima da Cruz de Souza , Cláudia Maria França da Silva Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30642 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 O uso da comunicação na construção do entendimento mútuo https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30632 <p>A pesquisa visa analisar o papel da comunicação na construção de uma vida pública pautada em entendimento mútuo, o que, a partir dos pressupostos argumentativos eleitos, só é possível através do uso da racionalidade comunicativa. Para Jurgen Habermas, marco teórico utilizado, o entendimento mútuo exprime um acordo racional intersubjetivo que só pode ser alcançado por meio da mediação entre racionalidade e comunicação, exprimida pelos atos de fala e as ações comunicativas que levarão, por consequência, à uma compreensão do mundo e do outro que supera as imagens pré moldadas pela cultura em que cada indivíduo desenvolveu a priori seu convívio social. O estudo parte da revisão bibliográfica das obra de Habermas e de seus interpretes em busca dos conceitos fundamentais da Teoria da Ação Comunicativa por ele desenvolvida para correlaciona-los com os objetivos propostos. Ao final pretende-se demonstrar que a argumentação entre sujeitos que interpretam um mesmo objeto sobre pontos de vista diversos em busca do aperfeiçoamento de sua real descrição é a ferramenta capaz de fortificar o formação da identídade do indivíduo para a melhor condução de sua vida pública e na formação de uma sociedade de terceiro nível que é aquela mais próxima da realidade coletiva que das percepções pessoais de cada falante.</p> Betânia Teodora Andrade da Silva, Luma Vilela Ramos Fonseca, Brunela Vieira de Vincenzi Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30632 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Performance e Comunicação: práticas culturais afrocapixabas como dispositivos para ações expressivas e comunicacionais https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30643 <p>Esse estudo é uma pesquisa de pós-doutorado vinculado ao Programa de Comunicação e Territorialidade iniciado no mes de novembro de 2019. Oobjetivo principal é desenvolver um laboratório de experimentações performaticas e estéticas, em que serão observadas, avaliadas e descritas as ações expressivas desenvolvidas pelos participantes desse laboratório, no campo da comunicação. As culturas afro-capixabas e suas variantes, em especial, as performances bantu serão os dispositivos potencializadores desse laboratório.O estudo aqui apresentado terá como base metodológica a pesquisa qualitativa. Abordaremos nesse estudo um diálogo entre teoria e prática com abrangência interdisciplinar – dos estudos comparativos, da investigação histórica, e documental – buscando nos teóricos e críticos opiniões e conceitos que possam facilitar o entendimento do trabalho de investigação, e do objeto abordado no campo da comunicação e interface com os estudos das performances expandidos a cultura e a antroplogia. Visando soluções viáveis pretende-se chegar ao final desse estudo com conhecimentos expandidos, às questões da representatividades, visibilidades e subjetividades, localizando as potencias comunicacionais das culturas negras e afrocapixabas na sociedade contemporanea. Assim no final desse trabalho pretende-se ter contribuído com o programa de pos-graduação comunicação e territorialidade. </p> Sara Passabon Amorim , Daniela Zanetti Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30643 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Pintura sobre Vídeo https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30667 <p>O presente trabalho propõe refletir sobre as&nbsp;similaridades no processo criativo&nbsp;de Jonas Mekas e Marie Menken, estudando os rumos diferentes que os artistas tomaram a partir das experimentações situadas no cinema de vanguarda do século XX, tomando como referência a pesquisa de Reis (2018) que pontua o caráter singular de cada obra de Menken e os compara aos filmes-diário desenvolvidos por Mekas. A partir de autores como Kandinsky (1996) e Ostrower (1990), procuro elaborar relações com a minha própria produção artística em vídeo abordando conceitos de pintura, pautando-os na percepção intuitiva para a coleta de imagem, e posteriormente, pensando-os como abstração no processo de montagem. A comunicação aborda a relação entre pintura, filme e vídeo, através da análise&nbsp;do uso de elementos triviais do dia-a-dia, combinando a acumulação de imagens de Mekas, o pensamento formal de Menken e a montagem de ambos com base nas reflexões de Aumont (2005).</p> Larissa Pereira , Aline Maria Dias Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30667 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Políticas do armário no cinema contemporâneo brasileiro: percorrendo territórios narrativos e audiovisuais https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30623 <p>A pesquisa em questão é derivada de um projeto de mestrado que visa compreender como as políticas do armário podem ser representadas no cinema contemporâneo brasileiro, propondo uma nova dimensão estética materializada pelas tecnicidades audiovisuais e narrativas na produção de setidos e sensorialidades queer. Através de recursos metodológicos provindos da análise fílmica, buscou-se neste resumo, fazer um pequeno recorte demonstrativo que engloba as análises de conteúdo e imagem e som - conceitos propostos pela pesquisadora Manuela Penafria - nos filmes Tatuagem (2013), Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (2014), e Praia do Futuro (2014).</p> Tadeu Barbuto Bousada, Erly Vieira Júnior Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30623 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Quem fala sobre as mulheres: Uma abordagem inicial metodológica https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30622 <p>O presente resumo expandido visa apresentar um recorte da discussão inicial sobre as mudanças de referências comunicacionais para mulheres, abordando temas como corpolatria, discurso patriarcal, dominância cultural, mito da beleza e influenciadores digitais. Como proposta de pesquisa em andamento, o principal interesse é levantar uma reflexão inicial sobre quem fala sobre o corpo das mulheres nas mídias vigentes atualmente, levando em consideração as novas formas de organização social a partir do advento das redes sociais, dos conceitos teóricos sobre patriarcado, corpolatria e influenciadores digitais é que pretendemos apresentar a discussão inicial, fazendo um comparativo com as revistas ditas femininas e também a mídia tradicional e traçando um parâmetro sobre a abrangência e poder de influência entre cada um desses. Além do mais apresentar de que forma a análise será feita, demonstrando então a metodologia da coleta de dados expondo as fontes em que utilizaremos para comprovar ou refutar as hipóteses da pesquisa.</p> Amanda Câmara Pinto, Gabriela Santos Alves Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30622 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Ressignificações da sexualidade na produção audiovisual de pornografia feminista. https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30628 <p>Apresentamos o atual andamento da pesquisa de dissertação para o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades - Universidade Federal do Espírito Santo, que pretende, em síntese, analisar produções audiovisuais de pornografia feminista. Ao mesmo tempo, entendemos necessário trabalhar as possíveis contradições existentes entre a pornografia cunhada “feminista” ou “para mulheres”, em cotejo com as teorias feministas de segunda geração (antipornográficas).<br>Para obter o pretendido embasamento teórico, será utilizada ampla pesquisa bibliográfica. Já no que concerne aos territórios simbólicos em que coabitam as diversas narrativas sobre a sexualidade, almejamos explorar as ressignificações da sexualidade feminina perceptíveis nos filmes, com enfoque nos discursos referentes à gestão do prazer e à governabilidade dos corpos, pelo instrumento da análise fílmica. Em sua parte conclusiva, exporemos, de forma casuística, a aplicação da análise fílmica no filme Skin (2009), de Elin Magnusson, em que se pôde constatar, a partir da observação do espaço fílmico, preocupações com a narrativa do prazer sexual em<br>oposição ao senso comum e à pornografia mainstream.&nbsp;</p> Liliana Rocha Fernandes, Erly Vieira Júnior Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30628 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Sampler: reciclagem sonora e cultural do hip-hop capixaba https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30648 <p>A apropriação de trechos de outras músicas no rap por meio do sampler pode representar uma homenagem aos artistas que influenciam os seus produtores, significando a busca pelas suas origens diaspóricas. De que forma o enunciado de diversos ritmos e nacionalidades conversam entre si afim de construir um novo produto cultural? Por meio de pesquisa bibliográfica e utilizando o método hipotéticodedutivo se pretende refletir sobre a prática das colagens sonoras dos DJs e produtores do hip-hop da região metropolitana da Grande Vitória com o intuito de perceber nessa manifestação comportamentos e construção de sentidos, inclusive na inter-relação entre mídia e subcultura. Será analisado de que forma esses produtores realizam uma verdadeira reciclagem sonora de um produto de massa global que se torna algo com a cara e identidade local. Este trabalho tem como referenciais teóricos os conceitos de polifonia e intertextualidade defendidos por Diana Luz Pessoa de Barros e Izidoro Blikstein, além da reterritorialização e hibridismo segundo Néstor García Canclini (2015).</p> Luiz Eduardo Neves Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30648 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Telejornalismo e juventudes: análise dos telejornais da Grande Vitória https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30590 <p>O objetivo deste trabalho é investigar por meio da análise de conteúdo quem são as juventudes que aparecem nos telejornais da Grande Vitória: Balanço Geral ES, da TV Vitória, afiliada da Record TV, Ronda Geral e Tribuna Notícias 1ª edição, da Rede Tribuna, afiliada do SBT e ESTV 1ª edição, da Rede Gazeta, afiliada da TV Globo. Duas semanas (25 a 29 de março de 2019, e 08 a 12 de abril de 2019) dos telejornais foram analisadas. A análise foi feita com as 135 matérias sobre juventudes que ganharam destaque nos quatro telejornais analisados. A maioria das matérias são da editoria de polícia, e algumas nas editorias de esporte, comportamento, saúde, educação e economia. Em grande parte das matérias os jovens são representados como parte da violência urbana. O que se percebe é que mesmo com a quantidade de matérias, elas são rasas e poucas vezes o poder público é cobrado. <br><br><br></p> Alice Barcellos, Edgard Rebouças Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30590 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Territorialidades Sonoras do Campus Universitário de Goiabeiras https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30647 <p>Reconhecendo a importância do papel dos sons nas interações presenciais, este estudo propõe o registro sonoro, e posterior análise, de um percurso entre locais de considerável circulação de pessoas no Campus Universitário de Goiabeiras, um entre quatro campi que compõem a Universidade Federal do Espírito Santo. Explorando a conexão entre os sons e as práticas e modos de ser, considerando a produção de sons musicais e não musicais como características humanas fundamentais e presentes nas ocupações diárias do cotidiano, busca-se uma melhor compreensão sobre este espaço público que aciona noções territoriais diversas e entrelaçadas. </p> Constantino Gabriel Buteri Neto , Viviana Mónica Vermes Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30647 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Territorialidades contemporâneas: O 8° salão bienal do mar como um canal de diálogo entre o fazer estético e o viver a cidade https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30668 <p>O artigo aborda a relação entre arte e cidade, através das intervenções urbanas do 8° Salão Bienal do Mar que aconteceu em Vitória/ES, que assim como tantas outras obras que se apropriam do contexto urbano, falam em relações sociais,<br>dialogando entre o fazer estético e o viver a cidade.</p> Douglas Gomes Silva Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30668 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Um olhar sobre o território: confrontando os discursos da mídia, com fundamentos nas representações dos que vivem a comunidade https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30595 <p>Esse artigo tem como intuito fazer uma reflexão sobre uma atividade que ocorreu durante a oficina de “Diversidade Étnico Cultural”, na escola EMEF Edna de Mattos Siqueira Gaudio, em Jesus de Nazareth, Vitória – ES. O objetivo desta atividade foi refletir sobre a imagem do bairro que é representada pela mídia através das manchetes de jornais, pensando em como essa imagem pode impactar na formação, segregação e marginalização do território, reforçando certos estereótipos que geram preconceitos por boa parte da sociedade. Em seguida propusemos que fossem criadas imagens em formas de desenhos, de acordo com que os alunos gostariam que fosse mostrado, valorizando sua percepção do bairro. A partir dessas visualidades surgiram discussões sobre a importância de conhecer outras versões de um local, como a predominancia de uma unica narrativa reflete no cotidiano de um grupo social através do olhar dos residentes daquele território, incentivando assim as percepções dos estudantes com seu local de origem e o ambiente externo a eles.</p> Mayra Monfardini Passos , Diego Alves Léssa , Gleydson Victor Cirilo , Karen Carla Lima de Oliveira, Larissa Fabricio Zanin, Noéli Martins do Nascimento Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30595 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Veganismo e eleições 2018: Estudo netnográfico do canal Fábio Chaves https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30565 <p>Esta pesquisa investiga as interações da comunidade vegana na plataforma YouTube a fim de entender como esse grupo se posicionou diante da emergência da polarização política vivida no Brasil durante as eleições de 2018. Com foco no estudo netnográfico do canal Fabio Chaves no segundo semestre de 2018, descobriu-se que não apenas a comunidade do canal consumiu os vídeos e se manifestou diante deles, mas também uma grande massa de atores-rede que, atraída pelo assunto político discutido, interagiu através de reações e comentários.</p> Daniel Rossmann Jacobsen, Daniela Zanetti Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30565 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Violência contra a mulher:O macho cria o mundo e o mundo cria o macho https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30630 <p>Este certame apresenta uma relação entre a violência praticada contra mulheres e a construção da misoginia criada por um mundo machista. Nossa estratégia tem como chave de análise o espelhamento entre o julgamento de Adolfo Eichmann, um dos grandes responsáveis pelo genocídio de judeus, e o julgamento de agressores de mulheres. A primeira questão trabalhada será a de que a violência não é contra a mulher, mas contra a humanidade perpetrada no corpo feminino; a segunda é o questionamento do lugar do Estado neste processo de violência.</p> Rosely Maria da Silva Pires, Rosemery Casoli, Olavo Silva Pires , Roberta Susano Gouvea Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30630 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300 Violência Obstétrica: violência de gênero e ativismo online https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30634 <p>O presente trabalho faz parte da pesquisa de dissertação de mestrado inserida no programa de Comunicação e Territorialidades, na linha de Comunicação e Poder. O objetivo principal é a compreensão da violência obstétrica enquanto uma violência de gênero e de como o compartilhamento de relatos em páginas de Facebook são capazes de agrupar e criar comunidades em que mulheres que sofreram, ou que lutam contra esse tipo de violência, se conectem e troquem suas experiências. A coleta de dados é realizada a partir ferramentas como o Netvizz, que permite coletar dados abertos de páginas, grupos e eventos. A interpretação dos dados será realizada a partir da análise de conteúdo e, com os relatos de violência selecionados, serão usados pressupostos da análise crítica do discurso como forma de compreender como os discursos são construídos pelas mulheres e como são estabelecidas as noções de vulnerabilidade da mulher no contexto do parir.</p> <p> </p> Veronica A. Ribeiro Haacke, Fabio Luiz Malini Copyright (c) 2020 Anais do Seminário Comunicação e Territorialidades https://periodicos.ufes.br/poscom/article/view/30634 Seg, 01 Jun 2020 00:00:00 -0300