https://periodicos.ufes.br/revapees/issue/feed Revista do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo 2021-10-15T15:27:13+00:00 CILMAR CESCONETTO FRANCISCHETTO diretorgeral@ape.es.gov.br Open Journal Systems <p>A <em>Revista do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo</em> tem por objetivo fomentar a pesquisa em História, Arquivologia, Ciências Sociais, Geografia, Biblioteconomia, como áreas prioritárias da nossa linha editorial. Para isso, buscamos estabelecer parcerias com o meio acadêmico, no sentido de modernizar nossas atividades enquanto órgão do Governo do Estado do Espírito Santo, vinculado à Secretaria de Estado da Cultura, no que diz respeito às responsabilidades legais no âmbito da Gestão Documental. Além disso, visa incentivar a utilização do nosso acervo como importante fonte para os estudos sobre a História do nosso Estado, bem como difundir e compartilhar o conhecimento produzido.</p> https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/34534 O IMIGRANTE E O TRABALHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO 2021-03-09T18:47:42+00:00 Jefferson Ferreira Alvarenga jeffersoncso@gmail.com <p>Este artigo debate o processo de imigração no estado do Espírito Santo, sobretudo no que diz respeito à concepção de trabalho desse europeu presente nas pequenas, médias e também nas grandes propriedades. Desse ponto de vista as perguntas centrais deste trabalho são: qual a concepção de trabalho do imigrante estrangeiro no Espírito Santo? Como se desenvolveu o trabalho do imigrante no estado do Espírito Santo? A nossa hipótese central é que o imigrante é um indivíduo que na sociedade capixaba encarna de modo mais completo uma mentalidade capitalista e empreendedora. Além disso, o estrangeiro introduziu em nossa sociedade algumas maneiras de agir, ser e pensar tipicamente capitalista, o que resultou na emergência de pequenas fortunas familiares. Por fim, constatamos que o trabalho do imigrante foi responsável pela emergência de um capitalismo comercial inicial, que mudaria a arquitetura econômica da cidade de Vitória e do estado do Espírito Santo. Nossa interpretação se baseia no quadro teórico de diversos estudiosos como Max Weber, Florestan Fernandes, José de Souza Martins e também em autores que se debruçaram sobre a história local.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/34854 Do documento armazenado ao documento manifestado: 2021-05-25T13:03:32+00:00 Vanderlei Batista dos Santos vanderbsantos@gmail.com José Raymundo Ribeiro Campos Filho ribeirocampos.jose@gmail.com <p>A preservação de documentos digitais arquivístico autênticos é um desafio comum a qualquer instituição contemporânea e sofre influência do tipo e da forma do documento que se pretende preservar. Existem documentos simples (textos, imagens e áudios), muito similares aos documentos tradicionais, e os documentos complexos, como as bases de dados, compostos por informações passíveis de alteração, cujos formatos de apresentação de forma legível ao usuário dependem das configurações de saída. O que acontece, então, quando um documento comum a todas as instituições, como o registro de frequência, é substituído por um sistema informatizado com o mesmo fim? Ganha-se em capacidade de processamento e perde-se em termos de fixidez da informação, uma das características mais importantes dos documentos arquivísticos. Esse artigo apresenta as discussões em curso na Câmara dos Deputados para preservação dos registros de frequência autênticos em repositórios de preservação digital com requisitos arquivísticos.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35061 PARA ALÉM DO BROT 2021-06-10T14:04:06+00:00 Ana Cristina Quintela Pitanga pitanga1000@hotmail.com Andrea Ferreira Souto pitanga1000@hotmail.com Marcela Bourguignon Achiame pitanga1000@hotmail.com <p>O Estado do Espírito Santo pode ser considerado um local privilegiado em decorrência da sua geografia marcada pelo litoral e pelas montanhas. A proximidade dessas áreas permite ao capixaba e turista conhecer e manter contato com a diversidade cultural do estado, vivenciando sua miscigenação, pelo menos no tocante a alimentação. Porém, pouco se sabe sobre as origens da alimentação dos capixabas. Suas influências, mudanças, permanências, transformações e adaptações. Para tanto, optou-se em trabalhar com as influências da imigração alemã na culinária regional do Espírito Santo. Dados históricos e estatísticos mostram que os alemães estiveram entre os principais grupos que se fixaram na localidade entre os séculos XIX e XX. O objetivo central desse artigo foi desvendar quais as influências da alimentação alemã na culinária capixaba a partir do viés cultural. Buscou-se na sociologia conceitos como identidade e cultura para solidificar os referencias teóricos do estudo. Para a pesquisa de campo utilizou-se da história oral cuja importância foi a análise qualitativa dos depoimentos dos entrevistados. Desta forma, o presente estudo buscou fazer um levantamento histórico para entender uma questão sociológica.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35954 Facciamo l`America: Direito a terra e “Reforma Agrária” no Núcleo Colonial da Fazenda do Centro – Castelo/ES 2021-07-07T13:58:23+00:00 Diego Zanete Bonete dizanete@hotmail.com Layo Zanete Bonete layozanete@hotmail.com <p>O presente artigo analisa a iniciativa de Frei Manuel Simón de San José, da Ordem dos Agostinianos Recoletos (OAR), em realizar uma “benfeitoria” com algumas famílias de imigrantes italianos, nas terras da antiga propriedade escravista da Fazenda do Centro – Castelo/ES, no início do século XX. No decorrer do texto serão analisados todos os desdobramentos dessa possível primeira “Reforma Agrária”, ocorrida em terras capixabas, como também os antecedentes que levaram a esse fato. Apresentando alguns elementos como o trabalho, a divisão das terras, as formas de contrato, o resultado e o perfil das famílias italianas que traziam consigo, além das bagagens, o sonho de prosperar em terra estrangeira.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/34987 Um Liberal combatente pelas letras: o manifesto do Padre Marcelino Pinto Duarte Ribeiro e seu projeto de independência para o Brasil 2021-05-13T14:20:16+00:00 Victor Augusto Mendonça Guasti guasti.victor@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">O presente artigo busca analisar o panfleto </span><em><span style="font-weight: 400;">O Brasil Indignado contra o Projeto Anti-Constitucional sobre a provação das suas atribuições</span></em><span style="font-weight: 400;">, escrito pelo Padre Marcelino Pinto Duarte Ribeiro em 1822, sob o pseudônimo de “Philopátrico” (amigo da pátria). A discussão busca investigar as motivações que levaram o Padre Marcelino a escrever seu panfleto e esmiuçar as influências sociopolíticas e intelectuais utilizadas para justificar seus pontos de vista. Busca-se compreender o projeto para autonomia política, legislativa e econômica brasileira em relação a Portugal defendido pelo autor, bem como criticar as determinações das Cortes Portuguesas em sua busca por recolonizar o Brasil.</span></p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35033 A engenharia, o positivismo e a imprensa no Espírito Santo do século XIX 2021-05-05T15:13:32+00:00 NELSON PORTO RIBEIRO nelsonportoufes@gmail.com <p>O propósito deste artigo é o de demonstrar as relações estreitas da engenharia civil com a filosofia do positivismo e do papel destes profissionais na modernização do estado brasileiro na segunda metade do século XIX, particularmente na Província do Espírito Santo, local em que começaram a atuar propagandeando suas ideias através de atuações técnicas, acadêmicas e políticas, tendo a imprensa como instrumento privilegiado para esta divulgação.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35050 As palavras também são atos: o discurso dos republicanos liberais na queda do Império no Brasil 2021-07-27T20:05:13+00:00 Daiane Elias daiane_elias@yahoo.com.br <p class="western" style="margin-bottom: 0.28cm; line-height: 150%;" align="justify"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Com a adoção do vocabulário da política científica pelos republicanos liberais para questionar a Monarquia brasileira, estabeleceu-se uma guerra discursiva que construiu imagens opostas entre os regimes de governo. A Monarquia passou a ser lida como sistema arcaico e de privilégios, enquanto que a República foi associada ao progresso e ao governo de si. Assim, procurou-se compreender como a construção discursiva dos republicanos liberais venceu a disputa política, a partir do estudo de seus atos de fala, principalmente, ao adaptarem e ressignificarem termos que permitiram o surgimento de um novo contexto linguístico eficaz na mudança de regime político do Brasil. </span></span></p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35062 A FAZENDA DO CENTRO NA IMPRESA E NA HISTORIOGRAFIA CAPIXABA (1845-1900) 2021-05-13T14:33:06+00:00 Maria Aparecida Stelzer Lozorio stelzovsky@gmail.com Maria Carolina Stelzer Campos mariacarolinastelzer@gmail.com <p>O objetivo principal desse trabalho é compreender a importância da Fazenda do Centro para a história e para o desenvolvimento da região sul capixaba, principalmente na emergência do local onde hoje é o município de Castelo. Para esta finalidade iremos fazer uma análise de conteúdo com um recorte temporal de 1845 a 1900, desde a construção da fazenda até o seu abandono no final do século XIX. Nesta pesquisa foram utilizados como fontes primárias os jornais que circulavam no Estado do Espírito Santo, no período em questão, confrontados com a historiografia capixaba. A partir de meados do século XIX a localidade viveu seu apogeu com ciclo do café com a exploração da mão de obra escrava, a construção da sede da fazenda e a estação de trem. Foi no seu entorno que se iniciou o povoamento da região, mas devido a não realização do projeto de levar o trem até o seu terreno, foi perdendo a atividade econômica, que se deslocou montanha abaixo, onde hoje é a sede do município de Castelo. A fazenda ocupou lugar de destaque no desenvolvimento, na religiosidade, na cultura e na política local, marcando assim seu lugar na história.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35063 O MAIORISTA 2021-05-13T14:32:39+00:00 Driely Neves Coutinho drielynevescoutinho@gmail.com <p>Este artigo pretende identificar as características linguísticas que promoveram a formação do Partido Liberal na Corte no Brasil oitocentista. Almejando destacar os principais temas e conceitos que permearam a construção do vocabulário da agremiação nos anos iniciais do Segundo Reinado. Identificamos aqui, que o idioma construído na década de 1840, fora desenvolvido no decorrer do Império pela agremiação, e sendo modificado de acordo com o jogo político do período. Para a análise, utilizaremos a metodologia das linguagens políticas e o conceito de liberalismo.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35064 "A'S URNAS CASTELENSES! PARA TRAZ, SICÁRIOS". 2021-05-17T13:08:38+00:00 ADEMILDO GOMES ademildooar@gmail.com <p>O artigo analisa o papel do Jornal <em>Tribuna do Sul</em> de Castelo na campanha eleitoral de Júlio Prestes à presidência da República entre dezembro de 1929 e março de 1930. O Jornal <em>Tribuna do Sul</em>, nasceu em Castelo em dezembro de 1929 como "Órgão Oficial do Governo Municipal" e sua curta existência foi dedicada exclusivamente à campanha a favor da eleição de Júlio Prestes à Presidência da República e ao combate contra os ideais da "Alliança Liberal". O jornal <em>Tribuna do Sul</em> foi o grande instrumento utilizado pelos políticos locais para convencer do povo Castelense que Júlio Prestes, na época, era a solução para o Brasil e que a sua vitória significaria a vitória do povo.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35119 Um “concerto” descompassado: políticos, imprensa e instituições em Pernambuco no fim do Primero Reinado 2021-05-05T18:26:58+00:00 Christiane Peres Pereira chrisppereira@gmail.com <p>As províncias do Norte do Império – o atual Norte e Nordeste brasileiro – tem&nbsp; na sua história as marcas das revoluções e também da insubordinação. Pernambuco é marcado pelos movimentos que salvaguardaram o poder de Portugal em 1654, pelos conflitos internos da Guerra dos Mascates de 1710, pela conspiração malograda dos Suassunas&nbsp; em 1801, pelos que questionaram a soberania da Coroa em 1817, pelos revolucionários da Confederação do Equador de 1824, mas também pelas investidas políticas de seus habitantes, pela audácia e coragem de questionamento e participação. A historiografia sobre Pernambuco do XIX reúne muitos estudos sobre os movimentos radicais que aconteceram ali, mas sobretudo, sobre suas tendências republicanas e federalistas, reincidentes na província. Pela sua enorme gama de particularidade, e contribuir para a historiografia sobre a província, este trabalho dedica-se a ressaltar a importância da conjuntura interna da província, das questões discutidas no âmbito governamental e o reflexo na imprensa no fim do Primeiro Reinado.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35955 Imprensa, Memória e a Ditadura Militar no Espírito Santo (1971-1975) 2021-07-06T14:12:55+00:00 Davi Elias Rangel Santos davirangel28@gmail.com <p>Este artigo faz parte das reflexões desenvolvidas na pesquisa de mestrado, tendo por base a análise sobre a grande imprensa capixaba, no caso o jornal A Gazeta, e a contribuição desta na elaboração e produção de uma memória favorável à Ditadura Militar durante o governo de Arthur Carlos Gerhardt Santos, entre os anos de 1971 a 1975. Por meio dos documentos examinados no Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, evidenciou-se o uso indiscriminado da estrutura repressiva contra os opositores do regime ditatorial, o expediente da vigilância contra movimentos civis e estudantis e, em contrapartida, o silenciamento em relação às práticas do arbítrio praticado no estado, que ajudaram a forjar uma memória parcial daquele período marcado pelos Grandes Projetos de Impacto durante a década de 1970.</p> <p>Palavras-chave: Espírito Santo, memória, repressão, imprensa, ditadura militar.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/35104 A Guerra do Paraguai na Imprensa Capixaba: o conflito para além do campo de batalha 2021-05-21T15:15:57+00:00 Marcos Antonio Briel marcos-briel1@hotmail.com <p><strong>Resumo:</strong></p> <p>Esta&nbsp;transcrição documental tem o objetivo de apresentar um exemplo das discussões e politização da Guerra do Paraguai presentes na imprensa capixaba do século XIX por meio do periódico Correio da Victória.&nbsp; A notícia apresentada com o título <em>Transcripções</em>, foi publicada no dia 20 de janeiro de 1869, na edição de número 06 e disposta em parte da página 03 do jornal. A mesma possui a finalidade de exaltar a figura de Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, bem como a sua atuação frente ao comando do Exército brasileiro durante o combate platino. Pode-se perceber também as críticas dirigidas as intepretações do conflito elaboradas por membros do Partido Liberal. Com isso, busca-se mostrar que as disputas narrativas e os eventos da Guerra da Tríplice Aliança eram também noticiados na Província do Espírito Santo que, apesar de territorialmente longe das batalhas, acompanhava com atenção os acontecimentos em torno do grande conflito militar da América do Sul no século XIX.</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/36916 Editorial 2021-10-15T14:14:13+00:00 Cilmar Cesconetto Franceschetto cilmar@gmail.com <p>Editorial</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/36918 Dossiê: Imprensa, intelectuais e circulação de ideias no Espírito Santo 2021-10-15T14:20:58+00:00 Karulliny Silverol Siqueira revista@ape.es.gov.br <p>Dossiê: Imprensa,<br>intelectuais e circulação<br>de ideias no Espírito Santo</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/36919 Glecy Coutinho: a primeira jornalista profissional capixaba 2021-10-15T14:26:52+00:00 Mônica Boiteaux revista@ape.es.gov.br <p>Glecy Coutinho: a primeira jornalista profissional capixaba</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/36920 Viagem às colônias italianas do Espírito Santo. A dura situação dos camponeses italianos em terras capixabas 2021-10-15T14:56:40+00:00 Cilmar Fransceschetto cilmar@gmail.com <p>Resenha</p> Copyright (c) 2021 https://periodicos.ufes.br/revapees/article/view/36921 RELATÓRIO DE GESTÃO REFERENTE AO ANO DE 2020 2021-10-15T14:58:23+00:00 Arquivo Público revista@ape.es.gov.br <p>Reportagem</p> Copyright (c) 2021