PRODUÇÃO DE CENOURA EM MATÉRIA ORGÂNICA E ADIÇÃO DE MICRORGANISMOS EFICIENTES

Autores

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho produtivo de cenoura cultivada em diferentes fontes de matéria orgânica e aplicação de Microrganismos Eficientes (EM), para isso, o experimento foi conduzido em condições de campo em Vila Valério-ES, em delineamento de blocos casualizados, esquema fatorial 2x3 com 4 repetições, sendo o primeiro fator constituído por fontes de matéria orgânica de origem animal (esterco de aves e esterco bovino) e o segundo fator, por vias de aplicação de EM (via solo, foliar e sem aplicação). Após a colheita, foi avaliado o diâmetro, comprimento e peso das raízes e a produtividade em toneladas/hectares. A variação de matéria orgânica não influenciou nos parâmetros avaliados, tão pouco sua interação com o EM, contudo, este último apresentou efeito isolado, levando as plantas desenvolverem mais em diâmetro, peso e consequentemente em produtividade. A inclusão de EM na exploração agrícola gerou reflexos positivos nos aspectos agronômicos da cenoura, mostrando-se promissor no cultivo, independente do uso de esterco bovino ou aviário, contudo, os resultados relacionados ao comprimento da raiz apresentaram-se dependentes das variações do ambiente, apontando que estudos sejam realizados em torno da relação microrganismos-planta-ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Pancieri Sallin, Ifes-Itapina

Técnica em Agropecuária desde 2013, ingressando na gradução em Engenharia agronômica no Instituto Federal de Educação Pesquisa e Extensão do Espirito Santo- Campus Itapina. Atualmente, junto à graduação, desempenha pesquisa sobre a variabilidade espacial de precipitação e evapotranspiração no municipio de Montanha, sendo pesquisadora do CNPQ.

Referências

ANDRADE, F.M.C. et al. Caderno dos microrganismos eficientes (EM): instruções práticas sobre o uso ecológico e social do EM. Departamento de Fitotecnia Campus da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, 2011.
ANUÁRIO brasileiro de hortaliças. 2017. Brasilian Vegetable Yearbook. Santa Cruz do Sul: Gazeta. 68p.
BRASIL, ANVISA. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA): relatório das análises de amostras monitoradas no período de 2013 a 2015. 2016.
LANA, M. M.; VIEIRA, J. V. Fisiologia e manuseio pos-colheita de cenoura. Embrapa Hortaliças-Circular Técnica (INFOTECA-E), 2000.
PAZOS, M.; HERNANDEZ, A. Evaluación de cepas nativas del género Azospirillum y su interacción con el cultivo de arroz. Cultivos Tropicales, v.22, n.4,p. 25-28, 2001.
PEREIRA, Ricardo B. et al. Resistência de populações de cenoura à queima-das-folhas com diferentes níveis de germoplasma tropical. Horticultura Brasileira, v. 30, p. 489-493, 2012.
REGHIN, Marie Yamamoto; DUDA, Cristina. Efeito da época de semeadura em cultivares de cenoura. Ciências Exatas e da Terra, Ciências Agrárias e Engenharias, v. 6, n. 1, 2009.
RESENDE, Francisco Vilela et al. Uso de cobertura morta vegetal no controle da umidade e temperatura do solo, na incidência de plantas invasoras e na produção da cenoura em cultivo de verão. Embrapa Hortaliças-Artigo em periódico indexado (ALICE), 2005.
ROCHA, Ismael de Barros. Produção de cenoura (Daucus carota L.) irrigada nas condições edafoclimáticas da região do Alto Paranaíba: avaliação econômica e determinação do coeficiente de cultura. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Viçosa, UFV, Viçosa, 2003.
VERMA, Shikha et al. Improvement of antioxidant and defense properties of Tomato (var. Pusa Rohini) by application of bioaugmented compost. Saudi journal of biological sciences, v. 22, n. 3, p. 256-264, 2015.
VIEIRA, Jairo Vidal et al. Divergência genética entre acessos de cenoura pertencentes a grupos varietais distintos utilizando caracteres morfológicos. Horticultura Brasileira 27: 473-477, 2009.

Downloads

Publicado

2020-05-29

Edição

Seção

Solos e Nutrição de Plantas