A teoria da cultura de Georg Simmel - a construção das noções de indivíduo-homem e monopólio masculino do relacional

Autores

  • Luana Leite Rabelo UFPE
  • Lara Maria Alves Falcão

DOI:

https://doi.org/10.25067/s.v2i23.29024

Resumo

Os escritos de Georg Simmel, autor que integra o cânone da Sociologia, sobre o que vem sendo apontado como a questão da mulher, o problema dos sexos e a possibilidade de uma cultura feminina têm sido revisitados por estudos mais contemporâneos de gênero e da teoria feminista. Dentro desta temática, o objetivo deste artigo é percorrer a construção argumentativa do autor acerca da incomensurabilidade entre os sexos, percebendo como essa argumentação é utilizada para definir como masculino o próprio domínio do social. Partimos de uma descrição da teoria da cultura de Simmel, a fim de introduzir as contradições entre esse quadro teórico e a sua caracterização do feminino. Em segundo lugar, acompanhamos a construção do argumento da incomensurabilidade entre os sexos para, em seguida, apontar as características que o autor atribui ao masculino e ao feminino, com ênfase na categoria do relacional. Por fim, tecemos conclusões acerca da relação entre essas características e as noções de modernidade e do social, defendendo a ideia de que, ao atribuir ao feminino um caráter intrinsecamente não-relacional, o autor contribuiu para a construção de uma concepção do indivíduo enquanto homem e do social enquanto masculino.

Palavras-Chave: Simmel, Teoria da cultura, Modernidade, Gênero.

Georg Simmel’s theory of culture: the construction of the notions of man-individual and masculine monopoly of relational

ABSTRACT

The writings of Georg Simmel, one of the authors of the sociological canon, have been revisited by more contemporary studies of gender and feminist theory on what has been referred to as the woman question, the problem of the sexes and the possibility of a female culture. Within this theme, the objective of this article is to go through the author's argumentative construction about the incommensurability between the sexes, realizing how this argumentation is used to define as masculine the social domain itself. We start from a description of Simmel's theory of culture in order to introduce the contradictions between this theoretical framework and its characterization of the feminine. Secondly, we follow the construction of the incommensurability argument between the sexes, to then point out the characteristics that the author attributes to the masculine and feminine, with emphasis on the category of “relational”. Finally, we draw conclusions about the relationship between these characteristics and the notions of modernity and the social, defending the idea that, by giving the feminine an intrinsically non-relational character, the author contributed to the construction of a conception of the individual as a man and social while male.

Keywords: Simmel, Theory of culture, Modernity, Gender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-03-19

Edição

Seção

ARTIGOS