NARRATIVAS E REPRESENTAÇÕES HISTÓRICAS: O HUMOR POLÍTICO NAS CHARGES DE HENFIL

Autores

Resumo

Este trabalho tem como proposta analisar como as charges criadas pelo cartunista Henfil durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985) podem produzir sentidos e narrativas que representam a vida cotidiana de uma época. Inicia-se com análise discursiva e histórica das charges que, tendo também o traço como texto, produzem enunciações sobre o real por meio de narrativas e imagens que delineiam representações, designando um lugar e memória coletivos, espécie de matriz espaçotemporal de onde várias histórias se contam e se ressignificam. Em seguida, é apresentado o contexto de produção das charges de Henfil, as quais exteriorizam o engajamento, a contestação política e a crítica aos costumes, pelo humor que desestrutura a ordem vigente e leva o leitor a produzir outros sentidos para a realidade. A partir de pesquisa bibliográfica dialoga-se com autores que voltam seu olhar para a produção de Henfil, como Pires (2007, 2010), Malta (2008), Souza (1985) e Moraes (1996). Para análise das charges como forma de narrar e representar a história e uma memória coletiva valendo-se do humor politicamente engajado, da ironia e da carnavalização, interagimos com Halbwachs (2006), Brait (2008, 2013), Bakhtin (1993, 1998) e Travaglia (1992). Tais autores nos ajudam a pensar que as charges henfilianas e suas narrativas possibilitam a compreensão do imaginário de uma época ao olhar para o passado não como uma instância imóvel que admite apenas um sentido, pois se encontra em movimento dialético com as condições alteradas do presente, lugar autônomo de permanente reavaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-11-15