REESTRUTURAÇÃO IMOBILIÁRIA NO BRASIL “NÃO METROPOLITANO”: UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO RESIDENCIAL EM PELOTAS (RS)

  • Natália Daniela Soares Sá Britto Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente - FCT - UNESP

Resumo

Nesta comunicação buscamos enfatizar o contexto de reestruturação imobiliária sob a realidade de uma cidade média, localizada no extremo sul do Brasil, observando tanto as transformações nas formas de produção e provisão da habitação, como na redefinição dos mecanismos e estratégias de atuação e articulação dos agentes imobiliários locais, tendo em vista que estes passam a integrar uma nova miríade de relações compostas por uma rede diversificada que contempla desde pequenas empresas do ramo da construção civil, de origem local e regional, até grandes grupos do setor imobiliário e financeiro que atuam nas escalas nacionais e internacionais. Como resultado, o estudo demonstra o impulso na produção do ambiente construído na cidade de Pelotas (RS), após o ano de 2009, o que supôs novos contextos nas formas, funções e estruturação do espaço urbano local, especialmente pela ampliação da oferta de novos artefatos arquitetônicos e urbanos e da ascensão de novas lógicas, nexos e escalas de produção, consumo e valorização imobiliária.

Biografia do Autor

Natália Daniela Soares Sá Britto, Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente - FCT - UNESP
Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Possui experiência na área de Geografia Urbana, Econômica e Regional, com foco em pesquisas sobre reestruturação socioespacial, reestruturação econômica, imobiliária e mercado de terras urbano. Atualmente realiza pesquisa de Pós-Doutorado na Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente/FCT/UNESP, junto ao projeto "Fragmentação socioespacial e urbanização brasileira: Escalas, vetores, ritmos e formas".

Referências

BERGER, J., MEDVEDOVSKI, N., y MORSCHBACHER, L. Avaliação gestão pós-ocupação estudo de caso: condomínios do programa Minha Casa Minha Vida em Pelotas-RS. Anais XV Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Maceió, 2014.

BRASIL. Ministério das Cidades. Dados sobre empreendimentos faixa 1, 2 e 3 do PMCMV. Secretaria Nacional de Habitação, 2016.

BOTELHO, A. O urbano em fragmentos: a produção do espaço e da moradia pelas práticas do setor imobiliário. São Paulo: Annablume, 2007.

CAIXA ECONOMICA FEDERAL. Demanda Habitacional no Brasil. Brasília: CAIXA, 2011.

CHIARELLI, L. M. A. Habitação social em Pelotas (1987 – 2010) influências das políticas públicas na promoção de conjuntos habitacionais. Porto Alegre: PUCRS. Tese de doutorado, 2014.

CORRÊA, R. L. (1989) O Espaço Urbano. Ática, 1989

COSWIG, M. Segurança e satisfação dos usuários de habitação de interesse social: um estudo de caso para o PAR em Pelotas, RS. Dissertação de Mestrado. Pelotas : UFPel, 2011.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço . São Paulo: Annablume, 2005.

___. Os limites do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

PARLATO, V. El bloque inmobiliario. In: INDOVINA, F. (org) El Despilfarro Inmobiliario. Ed. Gustavo Gili: Barcelona, 1977.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS. Plano Local de Habitação de Interesse Social. Pelotas, 2012.

___. Lei municipal nº 5660/2009. Institui o “Condomínio Horizontal de Lotes” no Município de Pelotas, e dá outras providências. Pelotas, 2009.

ROYER, L. O. Financeirização da política habitacional: limites e perspectivas. São Paulo: Annablume, 2014.

SHIMBO, L. Z. Habitação Social, Habitação de Mercado: a confluência entre Estado, empresas construtoras e capital financeiro. São Paulo: USP. Tese de doutorado, 2010.

Publicado
2019-11-29
Seção
GT-3: Cidades médias e reestruturação urbana: tendências empíricas e desafios teóricos