As grandes empreiteiras e a transformação da metrópole: um olhar sobre a ação da Camargo Corrêa no Território de São Paulo

  • Ana Lígia de Carvalho Magalhães Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Resumo

O setor da construção pesada destaca-se no cenário econômico nacional, tendo se consolidado como um oligopólio no final dos anos 1980. Dentre as maiores empreiteiras nacionais, a Camargo Corrêa teve papel particular na inserção das agendas paulistas de governo e na consolidação dos espaços metropolitanos, tendo participado da construção de importantes infraestruturas e avançado em direção ao setor imobiliário. Este artigo pretende analisar a relevância desse agente na produção do espaço da metrópole paulista, região de elevada coordenação dos atores envolvidos na produção do espaço e intensas dinâmicas imobiliárias, tendo se constituído território privilegiado de atuação das empreiteiras.

Biografia do Autor

Ana Lígia de Carvalho Magalhães, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
Arquiteta e Urbanista graduada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Mestranda na área de Planejamento Urbano e Regional na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, desenvolve estudos sobre planejamento urbano e regional e agentes na produção do espaço.

Referências

CAMARGOS, R. C. M. Estado e empreiteiros no Brasil: uma análise setorial. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas – SP, 1993.

CAMPOS, P. H. P. As origens da internacionalização das empresas de indústria de construção brasileiras. In: XIII ENCONTRO DE HISTÓRIA ANPUH-RIO: IDENTIDADES, 2008, Seropédica. Anais do XIII Encontro de História Anpuh-Rio: p. 1-10.

CAMPOS, P. H. P. A Ditadura dos Empreiteiros: as empresas nacionais de construção pesada, suas formas associativas e o Estado ditatorial brasileiro, 1964-1985. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, UFF, Niterói – RJ, 2012.

FERREIRA, J. S. W. O mito da cidade-global: o papel da ideologia na produção do espaço terciário em São Paulo. In: Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAU/USP, São Paulo, v. 16, 2005, p. 26-48.

FIX, M. Financeirização e transformações recentes no circuito imobiliário no Brasil. Tese (Doutorado). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas – SP, 2011.

GOMES, M. T. S. O debate sobre a reestruturação produtiva no Brasil. Ra'e Ga, n. 21, p. 51-77, 2011.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: São Paulo Annablume, 2005.

HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: São Paulo Martins Fontes - Selo Martins, 2014.

LAGRECA DE SALES, M.M. Territórios de intermediação: uma hipótese para a análise e o projeto da cidade contemporânea. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

LENCIONI, S. A metamorfose de São Paulo: o anúncio de um novo mundo de aglomerações difusas. Revista Paranaense De Desenvolvimento, Curitiba, n.120, 2011, p.133-148.

LENCIONI, S. Reestruturação imobiliária: uma análise dos processos de concentração e centralização do capital no setor imobiliário. EURE (Santiago) - Revista latinoamericana de estudios urbano regionales, v. 40, n. 120, 2014, p. 29-47.

PEREIRA, P. C. X. Reestruturação imobiliária em São Paulo (SP): especificidade e tendência. In: SILVEIRA, R. L. L.; PEREIRA, P. C. X.; UEDA, V., orgs. Dinâmica imobiliária e reestruturação urbana na América Latina. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. p. 45-63.

ROCHA, M. A. M. Grupos Econômicos e Capital Financeiro: Uma História Recente do Grande Capital Brasileiro. Tese (Doutorado) - Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas – SP, 2013.

RUFINO, M. B. C. A incorporação da metrópole: centralização do capital no imobiliário e nova produção do espaço em Fortaleza. Tese (Doutorado em Habitat) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo – SP, 2012.

RUFINO, M. B. C. Financeirização do Imobiliário e transformações na produção do espaço: especificidades da reprodução do capital e expansão recente na metrópole paulistana. In: Alvaro Ferreira; João Rua; Regina Célia de Mattos (Org.). Metropolização: espaço, cotidiano e ação. 1ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

RUFINO, M. B. C. Planejamento Urbano da Metrópole Paulistana: um olhar sobre mercantilização do espaço em São Paulo (1970-2017). São Paulo, 2018.

SANFELICI, D. Financeirização e a produção do espaço urbano no Brasil: uma contribuição ao debate. EURE (Santiago) - Revista latinoamericana de estudios urbano regionales, v. 39, n. 118, 2013, p. 27-46.

SCHIFFER, S. T. R. A dinâmica urbana e socioeconômica da região metropolitana de São Paulo, 1975-1995. In: SCHIFFER, S. R.; DEÁK, C. Globalização e Estrutura Urbana. São Paulo: HUCITEC/ FAPESP, 2004. p.166-195.

WEHBA, C. Novas relações de Produção Imobiliária na Metrópole do Século XXI: Odebrecht, Água Espraiada e o Parque da Cidade em São Paulo. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Área de concentração: Planejamento Urbano e Regional. São Paulo, 2018.

Publicado
2019-11-25
Seção
GT-1: Reestruturação urbana e econômica na produção do espaço: agentes e process