O Vitalismo e o pensamento geográfico moderno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i32.32075

Palavras-chave:

pensamento geográfico, vitalismo, história do pensamento

Resumo

O pensamento geográfico esteve no centro das formulações filosóficas e científicas entre meados do século XVIII e início do século XX. Este período também representou de grande influência do pensamento vitalista. Neste trabalho apresentamos elementos para compreender a relação e mútua influência entre o vitalismo e o pensamento geográfico neste período do pensamento moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Cesar Scarim, Departamento e Mestrado em geografia da UFES

Graduação: Geografia - USP

Mestrado: Geografia Humana - USP

Doutorado: Geografia - UFF

Professor do Departamento de Geografia e do Programa de Pós Graduação em Geografia - UFES

Coordena o Grupo de Estudos sobre a Questão dos Alimentos - GeQa - UFES 

Referências

BENSAUDE-VICENT, Bernadette & STENGERS, Isabelle; História da Química (1991). Ed. Instituto Piaget, Portugal, 1996.

BERNARD, Claude; Introdução à Medicina Experimental (1865). Guimarães. 1978.

BERNARD, Claude;Introduction à l’etude de La médecine expérimentale (1865). Bordas, 1966.

BERNARD, Claude;Principes de Médecine expérimentale (1947). Universitaires de France, 1987.

CANGUILHEM, Georges. Escritos sobre a Medicina. Forense Universitária, RJ, 2005.

CANGUILHEM, Georges. O Conhecimento da Vida (1965). Forense Universitária, RJ, 2012.

CANGUILHEM, Georges. O Normal e o Patológico (1966). ForenseUniversitária, RJ, 7ªEd, 2011.

CUVIER, George ; Leçons D´anatomie Comparée. Tome Premier. InstituteNational, Paris, 1805.

DIDEROT E D’ALEMBERT; Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios. Volume 3, Ciências da Natureza. Ed. Unesp, SP, 2015.

DIDEROT E D’ALEMBERT; Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios.Volume 6, Metafísica. Ed. Unesp, SP, 2017.

DUARTE, Rodrigo; Mimeses e Racionalidade, Loyola SP, 1993.

ENGELS, Friedrich; Dialética da Natureza (1883).Paz e Terra, SP, 1979.

FRAGELLI, Isabel Coelho; A fisiologia e seu discurso. Revista discurso, v. 47, n. 2 (2017), pp. 59–73

FRAGELLI, Isabel; Natureza, história, poesia. A exposição simbólica da Bildung. Tese, Filosofia, FFLCH, USP, 2014.

GOETHE, Johann Wolfgang, A Metamorfose das Plantas (1790). Ed. Antroposófica, 3ª Ed. 1997.

GOETHE, Johann Wolfgang; As Afinidades Eletivas (1809). Ed. Nova Alexandria. SP, 1992.

HOLBACH, Paul; Minerais. DIDEROT E D’ALEMBERT; Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios.Volume 3, Ciências da Natureza. Ed. Unesp, SP, 2015.

HUMBOLDT, Alexandre de;Cosmos. Essaid´une Description Phisique Du Monde (1847). Tome Deuxiéme. 4ª ed. Librairie Theodore Morgand, Paris. 1866.

HUME, David; Tratado da Natureza Humana (1739). Editora UNESP, SP, 2ª Ed. 2009.

KANT, Immanuel; Crítica da Razão Pura. Vozes, SP, 2015.

KANT, Immanuel; Geografia Física (1802). Tipografia Silvestri, Milano, 1809.

KANT, Immanuel; Historia General de La Naturaleza Y Teoria Del Cielo (1755). Juarez Ed. Buenos Aires, 1969.

KANT, Immanuel; Introdução à Geografia Física (1802). GEOgrafia, ano IX, Nº 17, UFF, 2007.

LA BLACHE, Paul Vidal de; Os Gêneros de Vida na Geografia Humana (1901). Vidal, Vidais. Bertrand Brasil. 2012.

LA BLACHE, Paul Vidal de; A Geografia Humana: Suas Relações com a Geografia da Vida (1903).Vidal, Vidais. Bertrand Brasil. 2012.

LA BLACHE, Paul Vidal de;Principes de Geographie Humaine (1921). 4ª Ed. Librairie Armand Colin, Paris, 1948.

LAMARCK, J.B.P.A; Philopsophie Zoologique. Tome Premier (1830).Germer Baillère, Librarie, Paris.

LAVOISIER, Antoine-Laurent; Tratado Elementar de Química (1789). Ed. Madras, SP, 2007.

LEBRUN, Gerard; Kant e o fim da Metafísica, Ed. Martins Fontes, SP, 1993.

DAUBENTON, Louis; Descrição. DIDEROT E D’ALEMBERT; Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios. Volume 3, Ciências da Natureza. Ed. Unesp, SP, 2015.

DAUBENTON, Louis; História Natural.DIDEROT E D’ALEMBERT; Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios. Volume 3, Ciências da Natureza. Ed. Unesp, SP, 2015.

LYELL, Charles, PrinciplesofGeology (1830). PenguinClassics, 1997.

NIETZSCHE, Feriedrich; Genealogia da Moral. (1887). Companhia das Letras, SP, 1998.

NEWTON, Sir Isaac; Princípios Matemáticos da Filosofia Natural (1686). Os Pensadores. Abril Cultural, SP, 1974.

PIMENTA, Pedro Paulo; A Trama da Natureza, Ed. Unesp, SP, 2018.

PIMENTA, Pedro Paulo; O destino da Metafísica na Enciclopédia.Diderot-D’Alembert; Enciclopédia. Vol. 6. Metafísica. Ed. Unesp, SP, 2017.

RATZEL, Friedrich; Antropogeografia (1882). Ratzel, Ed. Ática, SP, 1990.

RATZEL, Friedrich; Der Lebensraum: O ESPAÇO DA VIDA: UM ESTUDO BIOGEOGRÁFICO(1901).GEOgraphia, vol. 21, n. 45, 2019: jan./abr, UFF, Niterói, 2019.

RITTER, Carl; Erdkunde. Geographical Studies. Ed. Gould and Lincoln, Boston, 1863.

RITTER, Carl; Géographie Générale Comparéeou Étude de la Terre dans ses rapports avec la Nature et avec l´histoire de l´homme. Bruxelles, 1837.

SAINT-HILAIRE, Etienne Geoffroy; Princípios de Filosofia Zoológica, 1830. Cactus. 2009.

SCHELLING, Friedrich Von; Ideias para uma Filosofia da Natureza (1797). Os Pensadores. Abril Cultural, SP, 1973.

SCHOPENHAUER, Arthur; O Mundo como Vontade e Representação, 1818. Unesp, SP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur; Sobre a Vontade na Natureza (1836). L&PM, Porto Alegre, 2013.

SPINOZA, Benedictus de; Ética (1675). Editora Autêntica, Belo Horizonte, 2013.

VENEL, Gabriel François; Química (1767). DIDEROT E D’ALEMBERT; Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios. Volume 3, Ciências da Natureza. Ed. Unesp, SP, 2015.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

21-07-2021

Como Citar

SCARIM, Paulo Cesar. O Vitalismo e o pensamento geográfico moderno. Geografares, Vitória, Brasil, v. 1, n. 32, p. 30–51, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i32.32075. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/32075. Acesso em: 14 jul. 2024.