Uso da terra e mudanças morfológicas em ambiente de cuesta na alta Bacia do Rio Capivara – Botucatu (São Paulo, Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v2i35.38377

Palavras-chave:

geoindicadores, antropogeomorfologia, relevo de cuestas

Resumo

A partir do avanço das técnicas humanas, o homem tem atuado na transformação da superfície terrestre, acelerando frequentemente a dinâmica erosiva. Em terrenos declivosos e escarpados, como o relevo de cuestas do interior do estado de São Paulo, este problema pode se tornar ainda mais complexo. Assim, o objetivo deste artigo é analisar as mudanças no padrão de uso e ocupação da terra e alterações na morfologia do relevo que indicam aceleração no desenvolvimento de processos erosivos, no município de Botucatu (SP). Para isso foram elaboradas cartas geomorfológicas e de uso e ocupação da terra, que tornaram possível a definição e análise dos geoindicadores. Os geoindicadores monitorados mostram uma dinamização dos processos erosivos lineares a partir de alterações no uso e ocupação da terra, que acrescentaram sedimentos ao sistema fluvial. Os resultados obtidos podem auxiliar o planejamento ambiental na área estudada e em áreas com características semelhantes, identificando os padrões de interferência antrópica em cenários com a presença do relevo cuestiforme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Higor Lourenzoni Bonzanini, Universidade Estadual Paulista - Unesp Rio Claro

Formado no ano de 2021 em bacharelado e licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), atualmente cursa o mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Unesp de Rio Claro com o projeto intitulado “O uso adequado das terras em área de relevo cuestiforme na alta bacia do Rio Cabeça (SP)”.

Cenira Maria Lupinacci, Unesp - Rio Claro

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1993), mestrado em Geografia (1997), doutorado em Geociências e Meio Ambiente pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e livre docência em Geomorfologia. Atualmente é professora doutora da Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: cartografia geomorfológica, erosão e planejamento ambiental.

Referências

ALMEIDA, F. M. Fundamentos geológicos do relevo paulista. São Paulo: Editora USP; 1964.

BASE S. A. Fotografias aéreas de 1972. São Paulo: Base S. A., 1972. Escala: 1:35.000.

BERGER, A. Assessing rapid enviromental change using geoindicators. Environmental Geology, v. 32, 36-44, 1997. DOI: https://doi.org/10.1007/s002540050191.

BUDUI, V.The Influence Of The Geological Structure On The Geomorphometrical Characteristics And Soil Erosion In The West Side Of The Central Moldavian Plateau.Sofia: Surveying Geology & Mining Ecology Management (SGEM),717-721, 2013.DOI: https://doi.org/10.5593/SGEM2013/BC3/S13.032

CAETANO-CHANG, M. R.; WU, F. T. Diagênese de arenitos da formação Pirambóia no centro-leste paulista. Geociências, v. 22, 33-39, 2003.

CERON, A. O.; DINIZ, J. A. F. O uso das fotografias aéreas na identificação das formas de utilização agrícola da terra. Revista Brasileira de Geografia. v. 28, 161-173, 1966.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise de sistemas em Geografia. São Paulo: Hucitec; 1979.

COLTRINARI, L.; MCCALL, G. J. H. Geo-indicadores: Ciências da terra e mudanças ambientais. Revista do Departamento de Geografia. v. 9, 5-11, 1995. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1995.0009.0001.

COLTRINARI, L. Mudanças ambientais globais e geoindicadores. Pesquisas em Geociências. Pesquisas em Geociências. v. 28, 307-314, 2001. DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.20304.

CUNHA, A. R. da.; MARTINS, D. Classificação climática para os municípios de Botucatu e São Manuel, SP. Irriga. v. 14, 1-11, 2009. DOI: https://doi.org/10.15809/irriga.2009v14n1p01.

DESCROIX, L.; BARRIOS, J. L.G.; VIRAMONTES, D.; POULENARD, J.; ANAYA, E.; ESTEVES, M.; ESTRADA, J. Gully and sheet erosion on subtropical mountain slopes: Their respective roles and the scale effect. Catena, v. 3, 325-339, 2008.DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2007.07.003.

DATAGEO. Cartas topográficas 1:10.000. Disponível em: <https://datageo.ambiente.sp.gov.br/app/?ctx=DATAGEO>. Acessoem: 20 junho 2021.

DEN EECKHAUT, M. VAN; MARRE, A.; POESEN, J. Compariosonoftwolandslidesuscetibility assessments in the Chamapagne-Ardenne region (France). Geomorphology, v. 115, n. 1-2, p. 141-155, 2010. DOI: https://doi:10.1016/j.geomorph.2009.09.042.

EMPLASA. Ortofotos digitais de 2010. São Paulo: EMPLASA, 2010. Escala 1:25.000.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação dos solos. Rio de Janeiro: Embrapa, 2018.

GOOGLE. Google earth. Versão 9.150.0.2. [S.I.]: Google LLC. Disponivel em: https://earth.google.com/web/. Acesso em: 09 maio 2021.

GOUDIE, A. Human influence in geomorphology. Geomorphology. v. 7, 37-97, 1993. DOI: https://doi.org/10.1016/0169-55X(93)90011-P.

GUERRA, A. J. T. Processos erosivos nas encostas. In: GUERRA, A. J. T., CUNHA, S. B. da. Geomorfologia: Uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. p. 149-196.

GUPTA, A. Geoindicators for tropical urbanization. Enviromental Geology, v. 42, p. 739-742, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s00254-002-0551-x.

HAFF, P. K. Neogeomorphology, prediction, anda the anthropic landscape. In: WILCOCK, P. R; IVERSON, R. M. (Eds.). Prediction in geomorphology. Washington D. C: American Geophysical Union, 2003. p. 15-26.

IBGE. Manual técnico de Uso da Terra. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 170p.

IBGE. Malha municipal. 2021. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/malhas-territoriais/15774-malhas.html?=&t=downloads>. Acesso em: 15 junho 2021.

IG. Folha Bauru. São Paulo: IG, 1984. 1:50.000.

IGC. Mapeamento sistematico do Estado de São Paulo. São Paulo: IGC, 1979. Escala 1:10.000.

KERTZMAN, F.F; OLIVEIRA, A. M. S; SALOMÃO, F. X; GOUVEIA, M. I. F. Mapa da erosão do estado de São Paulo. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, volume especial, 1995. p. 31-36. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0100-929X.19950008.

MATHIAS, D. T. Contribuição Metodológica para o diagnóstico da dinâmica erosiva linear e seu prognostico evolutivo visando subsidiar projetos de recuperação. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologias, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente, 2016.

MIYAZAKI, L. C. P.; OLIVEIRA, A. A. G. Anáglifo, fotointerpretação e imagens do Google Earth como alternativa para elaboração do mapeamento geomorfológico da Serra do Corpo Seco – Ituiutaba – MG (Brasil). Revista Ibero-Afro-Americana de Geografia Física e Ambiente. v. 2, n° 2, p. 43-65, 2020. https://doi.org/10.21814/physisterrae.2978

NIR, D. Man, a Geomorphological agent: an introduction to anthropic geomorphology. Jerusalém: Katem Pub; 1983.

PELLOGIA, A. U. G. A cidade, as vertentes e as várzeas: a transformação do relevo pela ação do homem no município de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia. v. 16, 24-31, 1995. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0016.0002.

PINTON, L. de G.; CUNHA, C. M. L. da. O uso de Geoindicadores em paisagem rural: Subsídios à análise das mudanças morfológicas Antropogênicas da Bacia do Córrego do Cavalheiro – Analândia (SP). Revista do Departamento de Geografia. v. 29, 1-19, 2015. DOI: https://doi.org/10.11606/rdg.v29i0.102128.

RODRIGUES, C. Qualidade ambiental urbana: Como avaliar? Revista do Departamento de Geografia. v. 11, 152-162, 1997. DOI: https://doi.org/10.4154/RDG.1997.011.0011.

RODRIGUES, C. Morfologia original e morfologia antropogênica na definição de unidades espaciais de planejamento urbano: exemplo na metrópole paulista. Revista do Departamento de Geografia. v. 17, 101-111, 2005. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0017.0008.

RODRIGUES, C. Avaliação do impacto humano da urbanização em sistemas hidro-geomorfológicos. Desenvolvimento e aplicação de metodologia na grande São Paulo. Revista do Departamento de Geografia. v.20, 111-125, 2010. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2010.0020.0008.

ROSS, J. L. S. Análise e síntese na abordagem geográfica da pesquisa para o planejamento ambiental. Revista do Departamento de Geografia. v. 9, 65-75, 1995. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1995.0009.0006.

SCHMIDT, K. H.; BEYER, I. High-magnitude landslide events on a limestone-scarp in central Germany: Morphometric characteristics and climatic controls. Geomorphology, v. 49, n. 3–4, p. 323–342, 2002. DOI: https://doi.org/10.1016/S0169-555X(02)00193-9.

SIMON, L. H. S. A dinâmica de Uso da Terra e sua interferência na morfohidrografia da bacia do arroio Santa Bárbara – Pelotas (RS). Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2007.

SILVA, M. M.; LUPINACCI, C. M. Análise das alterações antropogeomorfológicas na Bacia do Rio Cabeça (SP) a partir do uso de geoindicadores. Geografias, v. 29, p. 1-22, 2021. DOI: https://doi.org/10.35699/2237-549X.2021.25303.

SOAREAS, P. C. O Mesozóicogondwânico no Estado de São Paulo. Tese (Doutorado em Geologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1973.

SOUZA, T. de A. de.; OLIVEIRA, R. C. de. Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista Geonorte, v. 2, p. 1348-1355, 2012.

STEFANUTO, E. B.; LUPINACCI, C. M. Análise da dinâmica erosiva presente no setor cuestiforme de Analândia (SP). In: XXI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PESQUISA – ENAPEGE, 21.; 2017, Porto Alegre. Anais...Porto Alegre: UFRGS, 2017. p. 11625-11636.

TRAFICANTE, D. P.; CAMPOS, S.; MANZIONE, R. L.; RODRIGUES, B. T. Fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Capivara, Botucatu – SP. Revista Energia na Agricultura, v.32, p. 88-95, 2017. DOI: https://doi.org/10.17224/EnergAgric.2017v32n1p88-95.

TRICART, J. Principes et méthodes de lageomorphologie. Paris: Masson ET C éditeus; 1965.

VERSTAPPEN, F. A. S.; ZUIDAN, R. A. van. ITC System of geomorphological survey. Enschede: International Institute for Aerial Surveyland Earth Sciences; 1975.

VANACKER, V.; et al. Land use impacts on soil erosion and rejuvenation in Southerns Brazil. Catena. v. 178, p. 256-266, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2019.03.024.

ZANATTA, F. A. S.; LUPINACCI, C. M.; BOIN, M. N. O sistema de capacidade de uso da terra como instrumento para análise de área rural degradada. Caminhos de Geografia, v. 20, p. 55-77, 2019. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG207241496.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

HIGOR LOURENZONI BONZANINI; CENIRA MARIA LUPINACCI. Uso da terra e mudanças morfológicas em ambiente de cuesta na alta Bacia do Rio Capivara – Botucatu (São Paulo, Brasil). Geografares, Vitória, Brasil, v. 2, n. 35, p. 277–303, 2022. DOI: 10.47456/geo.v2i35.38377. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/38377. Acesso em: 14 jul. 2024.