Risco socioambiental às inundações na bacia do rio Macabu, Região Hidrográfica IX (Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana), Rio de Janeiro, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v3i37.40153

Palavras-chave:

geotecnologias, desastres naturais, norte fluminense, Rio de Janeiro, Brasil

Resumo

No presente trabalho objetivou-se compreender a ocorrência integrada das inundações, bem como das intervenções antrópicas na bacia do rio Macabu, Rio de Janeiro, atentando para seus efeitos sobre o uso da terra e cobertura vegetal. Para tanto, criou-se um banco de dados georreferenciados multicriterial em ambiente SIG (ArcGIS 10.6.1), onde foram analisadas as variáveis de declividade, elevação, densidade de drenagem, precipitação e usos da terra para se gerar o modelo do risco socioambiental das áreas sujeitas às inundações, divididas em 4 classes: baixa ou nula, média, alta e muito alta. Juntas, as classes “alta e muito alta” somam 37,8% da bacia. Todos os usos da terra mapeados estão em áreas sujeitas a inundações, notadamente as áreas antrópicas não-agropastoris (78%) e as áreas naturais não florestadas (90,3%). Os resultados obtidos podem auxiliar o planejamento e ordenamento territorial-ambiental da bacia, ou de áreas em condições socioambientais similares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Santos Lima, UENF

Doutor em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF/2019), na linha de pesquisa Ordenamento Territorial Ambiental. Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES/2014), na área de concentração Natureza, Produção do Espaço e Território sob a linha de pesquisa Dinâmica da Natureza. Licenciado em Geografia pelo Instituto Federal Fluminense (IFF/2012). Possui experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia Fluvial Antropogênica, Hidrogeografia, Análise Ambiental, Geotecnologias (SIG e SR) e Educação Ambiental. Atualmente está vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ecologia e Recursos Naturais (PPGERN) da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), onde realiza estágio de pós-doutoramento no Laboratório de Ciências Ambientais (LCA).

Carlos de Rezende, Universidade Estadual do Norte Fluminense

Professor Titular da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, participou como Pesquisador Associado na Universidade de Washington (Escola de Oceanografia) do Grupo de Geoquímica Orgânica liderado pelo Prof. John I. Hedges; Collaborating Professor of Environmental Studies in the Williams School of Commerce, Economics and Politics at Washington and Lee University, VA, US e Research Affiliate of the Program in Latin American and Caribbean Studies, Fairfield University, CT, US. Atuo nas áreas de Ecologia Aplicada, Manejo e Conservação de Recursos Naturais, Oceanografia Química e, Geoquímica e Biogeoquímica de Ecossistemas Aquáticos. Na UENF fui Diretor do Centro de Biociências e Biotecnologia (CBB); Vice Reitor da UENF; Pró-Reitor de Graduação. Estive no grupo fundador da UENF e responsável pela instalação do Laboratório de Ciências Ambientais da UENF. Sou pesquisador de Produtividade Científica do CNPq desde 1993 e Cientista do Nosso Estado do Rio de Janeiro da FAPERJ desde 2006. Na UENF fui Professor Homenageado pelos 20 e 25 anos da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro pelos serviços prestados na instituição e o Mural do Mérito Científico de Centro de Biociências e Biotecnologia. Atualmente, sou membro do Comitê de Biodiversidade da CAPES e Membro Suplente do CA de Ciências Ambientais do CNPq.

Referências

AB’SABER, A N. Bases conceituais e Papel do Conhecimento na Previsão de Impactos. In: PLANTENBERG-MÜLLER, C.; AB’SABER, A. N. Previsão de Impactos. São Paulo: Edusp, 2006.

AMARAL, R. do; RIBEIRO, R. R. Inundações e Enchentes. In: TOMIGANA, L. K. SANTORO, J. e AMARAL, R. (orgs.). Desastres Naturais: conhecer para prevenir. São Paulo, Instituto Geológico, 2009.

ARAUJO, A. P.; ROCHA, P. C. Regime de Fluxo e Alterações Hidrológicas no rio Tibagi- Bacia do Rio Paranapanema/Alto Paraná. Revista de Geografia. Recife: UFPE –DCG/NAPA, v. especial VIII SINAGEO, n. 3, Set. 2010.

ASHMORE, P. Towards a Sociogeomorphology of Rivers. Geomorphology. v. 251, 15 December 2015, Pages 149–156.

ATLAS BRASILEIRO DE DESASTRES NATURAIS: 1991 a 2012 / Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. 2. ed. rev. ampl. – Florianópolis: CEPED UFSC, 2013. Volume Rio de Janeiro. Disponível em: https://s2id.mi.gov.br/paginas/atlas/. Acesso em: 10/11/2022.

BACHA, L. et al. Current Status of Drinking Water Quality in a Latin American Megalopolis. Water, v. 15, p. 165, 2023. Disponível em: https://www.mdpi.com/2073-4441/15/1/165. Acesso em: 02/02/2023.

BACHA, L. et al. Risk of Collapse in Water Quality in the Guandu River (Rio de Janeiro, Brazil). Microbial Ecology (online), v. 1, p. 1-14, 2021. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s00248-021-01839-z. Acesso em: 02/02/2023.

BIGARELLA, J. J. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis: Editora UFSC v.3, 2003. p. 877-1436.

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. da. Bacia Hidrográfica e Qualidade Ambiental. In: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. (orgs). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BV/UERJ. Disponível em http://www.bvambientebf.uerj.br/arquivos/comissoes/DNOS.htm. Acesso em 17/08/2021.

CARNEIRO, P. R. F. Dos pântanos à escassez: uso da água e conflito na Baixada dos Goytacazes. São Paulo: Annablume: Rio de Janeiro: Coppe/UFRJ, 2003.

CENTRE FOR RESEARCH ON THE EPIDEMIOLOGY OF DISASTERS, UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION (UNDRR). The Human Cost of Disasters. An Overview of the Last 20 Years (2000–2019). 2020. Disponível em: https://reliefweb.int/report/world/human-cost-disasters-overview-last-20-years-2000-2019. Acessado em 14 de março de 2022.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia Fluvial. São Paulo: Edgar Blucher Ltda, 1981.

COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO PARAÍBA DO SUL E ITABAPOANA - CBH-BPSI. Atlas da Bacia Hidrográfica com Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana. 2019. Disponível em: https://www.cbhbaixoparaiba.org.br/estudos-projetos.php. Acesso em: 10 de novembro de 2022.

CRUZ et al. Projeto de Mapeamento da Cobertura da Terra e de Detecção de Mudanças na Cobertura Florestal do Estado do Rio de Janeiro - Relatório Final de Mapeamento da Cobertura da Terra. Convênio PRUMO LOGÍSTICA COPPETEC-SEA-INEA. Rio de Janeiro, 2018.

CUNHA, S. B. Canais Fluviais e a Questão Ambiental. In: CUNHA, S.B. & GUERRA,A.J. T. (orgs.) A Questão Ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. p. 219-238.

CUNHA, S. B. Geomorfologia Fluvial. In: CUNHA, S.B.; GUERRA, A.J.T. (orgs.) Geomorfologia, exercícios, técnicas e aplicações. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,2002. p. 157-189.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Diagnóstico do Meio Físico da Bacia Hidrográfica do Rio Macabu, RJ. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2004.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Súmula da 10. Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro:1979. 83p.

GENZ, F.; LUZ, L. Metodologia para considerar a variabilidade hidrológica na definição do regime natural de vazões no baixo curso do rio São Francisco. In: XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 2007, São Paulo/SP. Anais, 1 CD-ROM.

GREGORY, K. J. The Human Role in Changing River Channels. Geomorphology. Volume 79, 15 September 2006, p. 172-191.

HESS, D. Fluvial Processes. In: ______. McKnight’s Physical Geography: a landscape appreciation, 11th ed. Pearson, 2014. Chapter 16, p. 466-497.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manuais Técnicos em Geociências: Manual Técnico de Uso da Terra. 2 Ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resolução IBGE nº 1/2005 que altera a caracterização do referencial geodésico brasileiro. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/metodos_e_outros_documentos_de_referencia/normas/rpr_01_25fev2005.pdf (2005). Acesso em 30 de julho de 2021.

INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Base Temática – O Estado do Ambiente: indicadores ambientais do Rio de Janeiro, 2010: http://www.inea.rj.gov.br/basetematica_estadoambiente/. Acesso em: 2 mar. 2015.

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. Mapeamento de Uso do Solo e Cobertura Vegetal da RH IX - Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana. 2018. Disponível em: http://www.geoservicos.inde.gov.br/geoserver/ows. Acesso em: 04 de julho de 2022.

LIMA, V. S.; COELHO, A.L.N. Impactos Antrópicos e Mudanças na Paisagem: Um Estudo Sobre a Lagoa Feia/Brasil. 1. ed. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, Alemanha, 2017.

LIMA, V.S. Relações sistêmicas na bacia do rio Imbé-Ururaí (RJ) e seus reflexos nas inundações. 2019. 128 p. Tese (Doutorado em Geografia) - Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense UFF, Niterói – Rio de Janeiro, 2019.

MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVERIA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo. Editora Oficina de texto. 206p. 2007.

MENDONÇA et al. Avaliação de eventos de inundação na Região Norte Fluminense, Rio de Janeiro, utilizando imagens de sensores remotos. In: Ambi-Agua, Taubaté, v. 7, n. 1, p. 255-267, 2012.

MENESES, P. M. L.; FERNANDES, M. C. Roteiro de Cartografia. 1. São Paulo: Oficina de Textos, 288p, 2013.

NAÇÕES UNIDAS/BRASIL. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acesso em: 10 de novembro de 2021.

PROJETO RADAMBRASIL - Levantamento de Recursos Naturais. Geologia, Geomorfologia, Solos, Vegetação e Uso Potencial da Terra. v. 32, Folhas SF 23/24 Rio de Janeiro / Vitória. Rio de Janeiro: IBGE/Ministério das minas e energia – Secretaria Geral, 1983, 775 p.

RELATÓRIO DE DANOS MATERIAIS E PREJUÍZOS DECORRENTES DE DESASTRES NATURAIS NO BRASIL : 1995 –2019 /Banco Mundial.Global Facility for Disaster Reduction and Recovery. Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária. Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil. (Org. Rafael Schadeck). 2.ed.Florianópolis: FAPEU, 2020.

ROMANOVSKI, Z. Morfologia e aspectos hidrológicos para fins de manejo da microbacia da Rua Nova, Viçosa-MG, para fins de manejo. 2001. 99f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2001.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 8, p. 63-74.1994.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: EDUSP, 2004.

SENRA, J. B. Á. O desafio do terceiro milênio. In: VIANA, G.; SILVA, M.; DINIZ, N. (orgs). O desafio da sustentabilidade: um debate socioambiental no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (CPRM). Programa Levantamento Geológico e Geomorfológico Básico do Brasil: estado do Rio de Janeiro em 1:400.000. 2000. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/. Acesso em: 05 set. 2022.

SILVA, T. M. da. Geomorfologia do estado do Rio de Janeiro: distribuição espacial das feições morfológicas e contexto evolutivo. In: BICALHO, A. M. S. M.; GOMES, P. C. da C. (orgs.) Questões Metodológicas e Novas Temáticas na Pesquisa Geográfica. Rio de Janeiro. Publit, 2009.

SLOCUM, Terry A.; MCMASTER, Robert B; KESSLER, Fritz C.; Howard, Hugh H. Thematic Cartography and Geovisualization, 3rd Edition, Ph. Series in Geographic Information Science, Hardcover. 2008.

SOFFIATI NETTO, A.A. As Lagoas do Norte Fluminense: contribuição à história de uma luta. Campos dos Goytacazes – RJ: Essentia Editora, 2013.

SOFFIATI NETTO, A.A. Ecofisionomia e História. In: SUZUKI, M.S. et al. Áreas Alagáveis do Norte Fluminense, 2005.

SOUZA, C. R. de G. Suscetibilidade morfométrica de bacias de drenagem ao desenvolvimento de inundações em áreas costeiras. In: Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 6, Nº 1, 2005. p. 45-61).

SOUZA. S. O. Vulnerabilidade Ambiental da Planície Costeira de Caravelas (Bahia): Uma proposta geossistêmica. 2013. 136 p. Dissertação (Mestrado). Pós-Graduação em Geografia, UFES – Vitória, 2013.

STEVAUX, J.C.; LATRUBESSE, E.M. Geomorfologia Fluvial. São Paulo: Oficina de Textos, Coleção Geografia, v. 3, 336 pp. 2017.

SUGUIO, K. Geologia Sedimentar. 1. Ed. São Paulo: Editora Blucher, 2003.

SUGUIO K.; BIGARELLA, J. J., Ambientes Fluviais. 2. ed. Curitiba: UFPR, 1990.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY - USGS. Aquisição de produtos orbitais e interferométricos. US, 2021.

VAREJÃO-SILVA, M. A. Meteorologia e climatologia. Recife, 2005.

VASCONCELOS, A. M. B. M. de. O desafio da gestão urbana em Campos dos Goytacazes no contexto das mudanças climáticas: entre a construção da resiliência e a persistência de fórmulas tradicionais de governar. 2021. 138 p. Dissertação (Mestrado em Políticas Sociais) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Centro de Ciências do Homem, Campos dos Goytacazes, RJ: 2021.

Publicado

01-12-2023

Como Citar

VINÍCIUS SANTOS LIMA; REZENDE, Carlos Eduardo de. Risco socioambiental às inundações na bacia do rio Macabu, Região Hidrográfica IX (Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana), Rio de Janeiro, Brasil. Geografares, [S. l.], v. 3, n. 37, p. 184–208, 2023. DOI: 10.47456/geo.v3i37.40153. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/40153. Acesso em: 24 abr. 2024.