UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DA DANÇA PARA MULHERES NO CONJUNTO PENAL FEMININO EM SALVADOR

Autores

Palavras-chave:

Atividade física, Dança, Identidade, Mulheres, Presídio

Resumo

A pesquisa tem como objetivo realizar um estudo de caso sobre os benefícios da prática da dança para mulheres no conjunto penal feminino em Salvador. A pesquisa pretende se inserir em debates comuns às áreas de interesse da Educação Física e da Dança, associando-se aos estudos do cotidiano carcerário, identidade e empoderamento feminino. Esse artigo tem por objetivo geral analisar os benefícios da prática esportiva da dança realizados em oficinas desenvolvidas com mulheres na unidade do Conjunto Penal Feminino, no bairro de Mata Escura em Salvador. E apresenta por objetivos específicos, identificar qual perfil das mulheres carcerárias que participam da oficina de dança, descrever os benefícios das atividades física na promoção de qualidade de vida, resgate da autoestima e fortalecimento na identidade das mulheres encarceradas. Assim como analisar os tipos de danças utilizadas nas oficinas e quais as mulheres mais se identificam. Partindo da seguinte problematização, quais os benefícios que a dança como atividade física pode trazer para mulheres presas no conjunto penal de Salvador na Bahia? O artigo apresenta os resultados da observação participante com realização de cinco oficinas de dança, entrevistas semiestruturadas e análise documental a pesquisa construiu um banco de dados com 15 entrevistas, sendo estas 12 internas e 3 servidoras públicas representantes da equipe de gestão do Conjunto Prisional. A pesquisa explorou os benefícios das práticas de atividade física e destaca o campo de impacto no processo e construção identitárias das mulheres encancerarias os resultados apontados pelas entrevistadas apresentam benefícios na auto estima, na construção da identidade, na comunicação e na socialização na unidade prisional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helder Freitas do Bomfim, Universidade do Estado da Bahia

Sociólogo, doutorando e mestre em Ciências Sociais do Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia. Especialista em Gestão de Projetos, pela Universidade do Estado da Bahia. Professor Substituto da ao Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias do Campus Bom Jesus da Lapa da Universidade do Estado da Bahia. Atualmente é um pesquisador vinculado Grupo de Pesquisa CiMov - Cidades e Movimentos do Centro de Pesquisas de Humanidades - CRH e estudante da linha de pesquisa Trabalho, Classes e Desigualdades do PPGCS da UFBA e desenvolve pesquisas nas áreas de Sociologia Urbana e Sociologia da Educação. Coordenador do Laboratório de Inovação Social, Ciência e Resistência na Uneb. Atualmente, é Editor Chefe da Revista Encantar: Educação, Cultura e Sociedade, Integra a equipe do Laboratório de Criativas e consultor em gestão de projetos.

Ater Márcio Alves dos Santos , Centro Universitário Jorge Amado

Educador Físico pelo Centro Universitário Jorge Amado

Referências

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

CARVALHO. “Nós trafica, mas nós nunca tem nada”: trajetórias de vida de mulheres Criminalizadas por tráfico de drogas. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2017.

DESLAURIERS, J; KÉRISIT, M. O delineamento da pesquisa qualitativa. In: A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes. 4 ed. 2014.

DRIGO, Sônia Regina Arrojo. Dignidade Humana, Educação e Mulheres Encarceradas. In: YAMAMOTO, Aline; GONÇALVES, Ednéia; GRACIANO, Mariângela; LAGO, Natália; ASSUMPÇÃO, Rainae (Org.) Educação em Prisões. São Paulo: Alfasol, 2010. 128p. P> 65-67.

NOBRE, F et al. A amostragem na pesquisa de natureza científica em um campo multiparadigmático: peculiaridades do método qualitativo. Revista Espacios, São Paulo. V. 38, n 22, 2017.

MARBÁ, SILVA et al. Dança na promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.9, n.1, Pub.3, Fevereiro 2016.

LEMGRUBER, Julita. Cemitério dos vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Rio de Janeiro: Forense, 2.ª ed., 1999.

IRELAND, Timothy D. e LUCENA, Helen Halinne Rodrigues de. O presídio feminino como espaço de aprendizagens. Educ. Real. [online]. 2013, vol.38, n.1, pp.113-136.

SZUSTER. Estudo qualitativo sobre a dança como atividade física em mulheres acima 50 anos.69 f. (Monografia de Bacharel em Educação Física) Porto Alegre - RS.2011. Disponível em: Acesso em: 02 de Novembro de 2014.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Tradução Ana Thorell; revisão técnica Cláudio Damacena. 4ª. ed. Porto Alegre: Brookman, 2010.

VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: Individualismo e Cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 7 ed, 2004.

Downloads

Publicado

2020-07-13