ABUSO SEXUAL INFANTIL INTRAFAMILIAR

A AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA COMO SUPORTE TÉCNICO JURÍDICO

Autores

  • Caroline Santos Cardoso Faculdade Pitágoras campus Eunápolis - BA

Palavras-chave:

Avaliação Psicológica, abuso sexual, intrafamiliar

Resumo

O presente artigo traz à luz a violência intrafamiliar, sem a intenção de hierarquizar os tipos de violência, o enfoque do mesmo se dará sobre o abuso sexual em criança/adolescente, principalmente no que tange as questões jurídicas, fazendo um entrecorte entre as áreas da psicologia, do judiciário e das demais instâncias envolvidas, apresenta dessa forma, a necessidade de um trabalho interdisciplinar no combate as violações. A partir disso, discutir sobre atuação do psicólogo e sua metodologia, explanando sobre a importância da Avaliação Psicológica que pode auxiliar na erradicação da violência. O método utilizado foi o levantamento e revisão bibliográfica para o embasamento do estudo em questão, por meio de livros, artigos e revistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Santos Cardoso, Faculdade Pitágoras campus Eunápolis - BA

Psicóloga pela Faculdade de Ciências e Tecnologias (2015). Atualmente é professora da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes e da Faculdade Pitágoras campus Eunápolis, Psicologa clínica na Spacio Phisio e psicologa do Centro de Referencia Especializado em Assistência Social do município de Porto Seguro-BA. Pesquisadora nos grupos de pesquisa Ciência e resistência/UNEB/CNPq e Educação Especial e Inclusão - GEPEES/UNEB.

Referências

AGUDELO,S. F. 'La violência: un problema de salud pública que se agrava en la region'.1990 Boletin Epidemiologico de la OPS.

AZEVEDO, Maria Amélia; GUERRA, Viviane Nogueira de Azevedo. Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez, 2005.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei 8.069/90, de 13 de Julho de 1990. Brasília : Senado Federal, 1990.

BRASIL. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Políticas Nacional da Redução da Morbimortalidade por acidentes e Violências. Diário Oficial da União n. 96. 18 maio, seção 1e. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Política de Saúde. Promoção da Saúde. Brasília.2012. Texto mimeo.

BRIGHAM, J.C. (1999). What is forensic Psychology, anyway? Law and Human Behavior, 23 (3), 273-298.

CESCA, T.B. (2004). O papel do psicólogo jurídico na violência intrafamilar: Possíveis articulações. Psicologia & Sociedade, 16 (3), 41-46.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CFP. Código de Ética Profissional do Psicólogo. Agosto 2005. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2012/07/codigo_etica.pdf. Acesso em 22 de Março de 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CFP. Resolução nº 010/2010 - Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção. Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_010-10.aspx. Acesso em 26 de Março de 2018.

COSTA, Juliana Guimarães. Resenha do livro: Por trás da máscara familiar (1989). Disponível em: <http://icassia.sites.uol.com.br/resenhaportrasdamascara.html> Acesso em 23 de Março de 2018.

CUSTÓDIO, E. M. (2007). Avaliação Psicológica: ensino e pesquisa na década de 1960. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, 2, 49-60.

DIAMENT, A. e Cypel, S. Neurologia Infantil. 3ª edição. Livraria Atheneu, 1996.

FALEIROS, E. (Org.). O abuso sexual contra crianças e adolescentes: os (des)caminhos da denúncia. Secretaria Especial de Direitos Humanos, Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente. Brasília, 2000.

GONÇALVES, Hebe Signorin.. Infância e violência no Brasil. Rio de Janeiro: Nau/ FAPERJ, 2003.

GUEDES, L.T. (2012). A busca da verdade real e o direito de não produzir prova contra si mesmo. Revista Jus Navigandi, 17 (3282), 1-4

HABIGZANG, Luísa Fernanda & CAMINHA, Renato Maiato. Abuso sexual contra crianças e adolescentes: conceituação e intervenção clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

HABIGZANG, L. F. et al. Abuso Sexual Infantil e Dinâmica Familiar: Aspectos Observados em Processos Jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.21, n.3, p.341-348, 2005.

HOGAN, T. Introdução à prática de testes psicológicos. LTC. Rio de Janeiro, 2006.

KROM, Marilene. Família e mitos – prevenção e terapia: resgatando histórias. São Paulo: Summus, 2000.

MARQUES, J.R. Conheça o conceito de violência intrafamiliar e suas consequências. Disponivel em: < https://blog.mettzer.com/referencia-de-sites-e-artigos-online/> Acesso em: 15 de abril de 2018.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa – características, uso e possibilidades. Cadernos de pesquisa em adminsitração, São Paulo. V. 1, nº 3, 2ºsem. 1996

PESCE, R.P.; ASSIS, S.G.; SANTOS, N.; OLIVEIRA, R.V.C. Risco e Proteção. Em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: teoria e Pesquisa. Vol.2, maio/ago.2004.

PIRES, JMA. Violência na infância – aspectos clínicos. In: Violência Domêstica, Violência contra Crianças e Adolescentes na Grande Porto Alegre. Amencar, São Leopoldo, 2008.

ROVINSKI, S. L. R. Perícia psicológica na área forense. In: CUNHA, J. A. (Org.). Psicodiagnóstico-V. Porto Alegre: Artmed, 2003. p. 183-195.

ROVINSKI, S. L. R. Fundamentos da perícia psicológica forense. São Paulo: Vetor, 2004.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. No fio da navalha: violência contra crianças e adolescentes no Brasil atual. In: MADEIRA, Felícia Reicher. Quem mandou nascer mulher? Estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1997.

SILVA, D. M. P. (2003). Psicologia jurídica no processo civil brasileiro: a interface da Psicologia com Direito nas questões de família e infância. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003

VENTURINI, Fabiola Perri; BAZON, Marina Rezende; BIASOLI-ALVES, Zélia Maria Mendes. Família e violência na ótica de crianças e adolescentes. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, jun. 2004, p.20-33

Downloads

Publicado

2020-08-08