FENÔMENO DA ALIENAÇÃO PARENTAL

A importância da avaliação psicológica em caso de disputa de guarda

Autores

  • Caroline Santos Cardoso Faculdade Pitágoras campus Eunápolis - BA

Palavras-chave:

Alienação, Triângulo parental, Avaliação Psicológica.

Resumo

O presente artigo discute acerca da Alienação Parental enquanto fenômeno da contemporaneidade apresentando-se como uma forma de violência que compromete a estrutura familiar dificultando a manutenção das relações afetivas.  Tal demanda recai no âmbito jurídico em virtude dos processos litigiosos, necessitando de intervenções do poder judiciário no sentido de evitar o dano moral e, na Psicologia na mediação dos conflitos intrapsíquicos. Nesse viés, a pesquisa teve como objetivo geral averiguar os aspectos psicológicos que propiciam a Alienação Parental e apontar sobre a importância da avaliação psicológica como instrumento auxiliador no processo de disputa de guarda de menor. Para isso, foi realizada uma revisão de literatura, de cunho qualitativo e de natureza básica, por meio do método indutivo na busca de explicações sobre o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Santos Cardoso, Faculdade Pitágoras campus Eunápolis - BA

Psicóloga pela Faculdade de Ciências e Tecnologias (2015). Atualmente é professora da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes e da Faculdade Pitágoras campus Eunápolis, Psicologa clínica na Spacio Phisio e psicologa do Centro de Referencia Especializado em Assistência Social do município de Porto Seguro-BA. Pesquisadora nos grupos de pesquisa Ciência e resistência/UNEB/CNPq e Educação Especial e Inclusão - GEPEES/UNEB.

Referências

ACKERMAN, M. J. & ACKERMAN, M. C. (1997). Custody evaluation practices: a survey of experienced professional (revisited). Professional Psychology: Research and Practice, 28, 137-145.

ACKERMAN, M., & Schoendorf, K. (1992). ASPECT: Ackerman-Schoendorf Scales for Parent Evaluation of Custody. Los Angeles, CA: Western Psychological Services.

BRASIL. Código Civil (2003). Lei n° 10.406/02. São Paulo: Saraiva.

BRASIL. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei n° 8.069/90. 2007.

BRASIL. Projeto de Lei nº 6.350/02.

BRICKLIN, B. Perception of Relationships Test. Furlong, PA: Village Publishing. (1989).

BRICKLIN, B. Bricklin Perceptual Scales. Furlong, PA: Village Publishing. (1990).

CASTRO, L. R. F. Disputa de guarda e visitas: no interesse dos pais ou dos filhos? São Paulo: Casa do Psicólogo. (2005).

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, que lhe são conferidas pela Lei n o 5.766, de 20 de dezembro de 1971.

CARNEIRO, T.F.; DIAS, M.B.; MOTTA, M.A.P.; RESENDE, M.; SILVA, L.E.; SIMÃO, R.B.C.; SOUZA, M.B.; VALENTE, M.L.C.S. IN: Síndrome de alienação parental e a tirania do guardião: aspectos psicológicos, sociais e jurídicos/ Organizado pela Associação de Pais e Mães Separados- Porto Alegre: Equilíbrio, 2008.

DINIZ, Maria Helena de. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito de Família. 22. ed. rev. Atual. São Paulo: Saraiva. 2002. v.5

FELIPE S. S. R. A contribuição do Teste de Apercepção Infantil (CAT-A) e procedimento de desenhos da família com estórias (DF-E) na avaliação de crianças envolvidas em disputas judiciais. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. (1997).

GARDNER, R. A. (1982). Family evaluations in child custody litigation. Cresskill, NJ: Creative Therapeutics.

GARDNER, R. A. (1987). The parental alienation syndrome and the differentiation between fabricated and genuine child sexual abuse. Cresskill, New Jersey: Creative Therapeutics.

GARDNER, R. A. (1985), Recent trends in divorce and custody litigation. The Academy Forum, 29(2):3-7

GARDNER, R. A. (1999). Differentiating between parental alienation syndrome and bona fide abuse-neglect. The American Journal of Family Therapy, 27, 97-107.

GRISSO, T. (1986). Evaluating competencies. New York: Plenum. Journal of Psychiatric Practice, 7, 343-346.

Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica (IBAP).

KEILIN, W.G. & Bloom, L.J. (1986). Child custody evaluation practices: a survey of experienced professionals. Professional Psychology: Research and Practice, 17, 338- 346.

LACAN, J. (1953 – 54) O seminário, livro 1: Os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1979.

LAURENT, E. (1997). Alienação e separação I. In Feldstein, R., Fink, B., Jaanus, M. (Orgs.), Para ler o seminário 11 de Lacan (pp. 31-41). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

MENEZES, L.P. Evolução histórica da família. 2008. Disponível em:< http://www.viajus.com.br/viajus.php?pagina=artigos&id=1708> Acesso em: 27 abr.2018.

PAULO, B.M. Alienação Parental: Identificação, Tratamento e Prevenção. Revista Brasileira de Direito de Família e Sucessões. V.19, p.5-25, 2011

PAULINO NETO, A.R. et al. Síndrome da alienação parental e a tirania do guardião: aspectos psicológicos, sociais e jurídicos. p.65. São Paulo: Equilíbrio, 2008.

ROVINSKI, S.L. (2004). Fundamentos da perícia psicológica forense. São Paulo, Brasil: Vetor.

RIBEIRO, J. L. (2008) – Metodologia de investigação em psicologia e saúde. 2ª ed. Porto : Legis Editora.

SAPOSNEK, D. T. (1991). A guide to decisions about joint custody: The needs of children of divorce. In J. Folberg, Joint custody and shared parenting (pp. 29-40). New York: The Guilford Press.

SHINE, S. (1995). Aplicações das técnicas de exame psicológico na área da justiça. Boletim de Psicologia, 15, 63-65.

SHINE, S. (1998). Contribuições da psicologia para a justiça nas varas de família. Aletheia, 7, 93-99.

SHINE, S. (2003). A espada de Salomão: a psicologia e a disputa de guarda de filhos. São Paulo, Brasil: Casa do Psicólogo.

SILVA, D.M.P. (2006). Psicologia Jurídica no Processo Civil Brasileiro. São Paulo: Casa do Psicólogo.

SILVA, E. L. (2005). Guarda de filhos: aspectos psicológicos. In W. Grisard Filho, A. Calçada, E. L. Silva, L. M. T. Brito, P. P. O Ramos, E. R., Nazareth, & R. B. C. Simão, Guarda compartilhada: aspectos psicológicos e jurídicos (pp. 13-31). Porto Alegre: Equilíbrio.

SILVA, M. T. A. (2000). O uso dos testes psicológicos no trabalho de perícia das varas da família e das sucessões do fórum João Mendes Jr. Boletim da Sociedade de Rorschach de São Paulo, 10.

SOUZA, R.M. (2008). Depois que papai e mamãe se separaram: um relato dos filhos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16, 203-211.

TABORDA, J.G.V.; Chalub, M. & Abdalla-Filho, E. (2004). Psiquiatria Forense. Porto Alegre: Artmed.

TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado; BENTZEEN, Ana Luiza Capanema Bahia Von. Síndrome da Alienação Parental. In: ZIMERMAN, David; COLTRO, Antônio Carlos Mathias (org.) Aspectos Psicológicos na Prática Júridica. 3ª Edição. Campinas, SP: Editora Milennium, p. 412-3.

WINNICOTT, Donald W. Os Bebês e suas Mães. Traduzido por Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. p. 80.

Downloads

Publicado

2020-08-14