A CORRUPÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A CONTABILIDADE NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA DESCOLONIZAÇÃO NA CULTURA CONTÁBIL

Autores

  • Fábio do Vale UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Pedro Henrique Alves de Medeiros UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Lucas da Silva Almeida Faculdade INSTED
  • Moisés Duarte Oliveira Faculdade INSTED
  • Walker Santos Faculdade INSTED

Palavras-chave:

hýbris, Corrupção, areté, Decolonialidade

Resumo

A elaboração deste artigo tem como objetivo conseguir explicitar o quão bem feita deve ser a contabilidade pública e privada para que a mesma não caia em mãos corruptas brasileiras. Para isso por meio de pesquisas bibliográficas percorreremos pela história da administração no país. A investigação desenvolvida por nós acadêmicos de contabilidade da Faculdade Insted, de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Teremos como grande preocupação conseguir passar ao leitor a importância da descolonização na área contábil que vem sendo pouco debatido e comentado em nossa sociedade, visando principalmente o conhecimento e a possível mudança para que possamos viver e conduzir o país de forma mais igualitária e com cada vez menos corrupção. As pessoas corruptas tendem a sacrificar sua camada pobre e dependente de seus serviços públicos, mas fica difícil suprir tais necessidades com a divisão dos recursos em determinadas áreas e com os traficantes de influência (os corruptos). Se a política é a arte da vida na sociedade, ou seja, da vida em sociedade, formando assim, um “corpo social”, para que não se degenerasse, é necessário que a sociedade se paute na razão (logos) e nas virtudes (aretê), tais como coragem, honestidade e prudência. A combinação entre razão e virtude faria com que o homem não cometesse a chamada “hýbris”, a desmedida do poder, a insensatez que leva às catástrofes e tragédias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio do Vale, UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduado em Letras e Pedagogia, Licenciatura. Professor dos segmentos: universitário, pré-vestibular e colegial. Doutorando pelo programa de Pós-graduação da UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Membro do Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC) - UFMS. Pesquisador de Crítica Biográfica Fronteiriça - Estudos Fronteiriços na América Latina. Epistemologias do Sul. Descolonialidade. Mestre em Letras (Literatura, História e Sociedade) pela UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Pós-Graduado, Especialista em Docência no Ensino Superior. Pós-Graduado, Especialista Educação Especial (TGD) Transtornos Globais de Desenvolvimento e Altas Habilidades/Superdotação. Pós-Graduado em Neuropsicopedagogia. Autor dos livros Obras: O Refém do Abandono (Romance) Candelabro poético (Poemas) É membro associado à UBE-MS União Brasileira de Escritores de Mato Grosso do Sul, sendo Diretor de Cultura mandato 2018/2020 UBE-MS. Pesquisador Associado e Assessor de Projetos do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC).

Pedro Henrique Alves de Medeiros , UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutorando em Estudos de Linguagens (PPGEL) com o projeto Uma (des)biografia descolonial de Silviano Santiago pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Estudos de Linguagens (PPGEL) com o projeto Entre homo-bios-grafias e escrevivências de Silviano Santiago: exercícios de crítica biográfica fronteiriça pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Graduado em Letras Licenciatura Português e Inglês pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Trabalhou como Bolsista PIBIC/UFMS/CNPq sob orientação do professor Dr. Edgar Cézar Nolasco com o projeto Silviano Santiago: mil rosas (auto)biográficas. Membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC) certificado pelo CNPq e Presidente da Comissão Organizadora do periódico CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS. Pesquisador Associado e Coordenador de Projetos Especiais do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC). Coordenador do Evento Internacional Latinidades - Fórum Latino-Americano de Estudos Fronteiriços: Cultura, Arte, Literatura e Educação. Em 2020.2 atuou como Professor Visitante Voluntário de Graduação no Instituto Avançado de Ensino Superior e Desenvolvimento Humano (INSTED). Tem experiência na área de Letras com ênfase em Teoria Literária, Estudos Culturais, Crítica Biográfica, Literatura Comparada, Literatura Brasileira e Estudos Fronteiriços/Descoloniais. 

Lucas da Silva Almeida, Faculdade INSTED

Acadêmico de Ciências Contábeis na Faculdade Insted.

Moisés Duarte Oliveira , Faculdade INSTED

Acadêmico de Ciências Contáveis na Faculdade Insted. 

Walker Santos, Faculdade INSTED

Acadêmicos de Ciências Contábeis na Faculdade Insted. 

Referências

BOTINHA, Reiner Alves. A corrupção e o ambiente contábil dos países. 2018. 141 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. 2017. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/download/772/645. Acesso: 27 ago. 2020.

NASCIMENTO DE ARAÚJO, João Gabriel et al. JEITINHO BRASILEIRO, CORRUPÇÃO E CONTABILIDADE. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 8, n. 2, 2020.

SOUZA, Raylan Francescoli dos Santos. A decolonialidade negra frente às crises das democracias na América Latina. 2019.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Edição

Seção

Faculdade INSTED