PAPEL DA MULHER NO DIREITO ATRAVESSADO PELA DESCOLONIALIDADE

Autores

  • Fábio do Vale UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Pedro Henrique Alves de Medeiros UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Mayara da Costa Baís Araújo Faculdade INSTED
  • Carolina Martins Faculdade INSTED
  • Yasmin Torres Faculdade INSTED

Palavras-chave:

Mulher, Direito, Evolução Cultural, Descolonialidade, Paradigmas culturais

Resumo

Este artigo busca apresentar o papel da mulher no Direito atravessado pela descolonização tendo como objetivo o estudo e relato de todo o processo histórico do papel da mulher no mercado de trabalho, especialmente no campo do direito durante e após a colonização do Brasil. Para tal finalidade, evocamos a crítica a esse processo vivenciado pela mulher no campo do mercado de trabalho, bem como os desafios e as conquistas adquiridas por nós, atravessadas por tal teorização que sintetiza a importância de exaltar e garantir as especificidades da cultura latino-americana muitas vezes desconsideradas no debate pela cultura europeia que inseriu paradigmas assimétricos de poder nos países latinos deixando suas consequências. Ademais, aprofundaremos o processo histórico a fim de descolonizar a imagem de submissão da mulher ainda presente na sociedade atual em relação ao seu papel no mercado de trabalho, mostrando nossa importância no decorrer do processo evolutivo da sociedade. Todo processo de submissão se inicia com as relações de gênero que se referem aos tratos sociais desiguais de poder entre homens e mulheres, que são o resultado de uma construção social de seus papéis, a partir da percepção social das diferenças sexuais. Por essa perspectiva, nós mulheres sempre fomos consideradas inferiores em relação ao homem e nossa entrada no mercado de trabalho trouxe a submissão de baixos salários que a nós foram impostos a partir da era industrial, porém, sempre fomos determinadas a buscar novas conquistas e uma delas é o ingresso no campo de trabalho jurídico onde sofremos até hoje em busca de espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio do Vale, UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduado em Letras e Pedagogia, Licenciatura. Professor dos segmentos: universitário, pré-vestibular e colegial. Doutorando pelo programa de Pós-graduação da UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Membro do Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC) - UFMS. Pesquisador de Crítica Biográfica Fronteiriça - Estudos Fronteiriços na América Latina. Epistemologias do Sul. Descolonialidade. Mestre em Letras (Literatura, História e Sociedade) pela UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Pós-Graduado, Especialista em Docência no Ensino Superior. Pós-Graduado, Especialista Educação Especial (TGD) Transtornos Globais de Desenvolvimento e Altas Habilidades/Superdotação. Pós-Graduado em Neuropsicopedagogia. Autor dos livros Obras: O Refém do Abandono (Romance) Candelabro poético (Poemas) É membro associado à UBE-MS União Brasileira de Escritores de Mato Grosso do Sul, sendo Diretor de Cultura mandato 2018/2020 UBE-MS. Pesquisador Associado e Assessor de Projetos do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC).

Pedro Henrique Alves de Medeiros , UFMS Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutorando em Estudos de Linguagens (PPGEL) com o projeto Uma (des)biografia descolonial de Silviano Santiago pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Estudos de Linguagens (PPGEL) com o projeto Entre homo-bios-grafias e escrevivências de Silviano Santiago: exercícios de crítica biográfica fronteiriça pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Graduado em Letras Licenciatura Português e Inglês pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Trabalhou como Bolsista PIBIC/UFMS/CNPq sob orientação do professor Dr. Edgar Cézar Nolasco com o projeto Silviano Santiago: mil rosas (auto)biográficas. Membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC) certificado pelo CNPq e Presidente da Comissão Organizadora do periódico CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS. Pesquisador Associado e Coordenador de Projetos Especiais do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC). Coordenador do Evento Internacional Latinidades - Fórum Latino-Americano de Estudos Fronteiriços: Cultura, Arte, Literatura e Educação. Em 2020.2 atuou como Professor Visitante Voluntário de Graduação no Instituto Avançado de Ensino Superior e Desenvolvimento Humano (INSTED). Tem experiência na área de Letras com ênfase em Teoria Literária, Estudos Culturais, Crítica Biográfica, Literatura Comparada, Literatura Brasileira e Estudos Fronteiriços/Descoloniais.

Mayara da Costa Baís Araújo, Faculdade INSTED

Graduada em Direito pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal - Uniderp. Especialista em Direito Processual Civil com capacitação para o Ensino no Magistério Superior pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus. Especialista em Direito do Consumidor com capacitação para o ensino no magistério superior pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus. Professora de Ética Profissional e Direito Constitucional no Curso Preparatório CPAA. Professora de Teoria Geral do Direito Privado I e II na Faculdade INSTED - Instituto Avançado de Ensino Superior e Desenvolvimento Humano. Coordenadora Adjunta do Curso de Direito na Faculdade INSTED - Instituto Avançado de Ensino Superior e Desenvolvimento Humano. Mestranda em Direito pela UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Carolina Martins , Faculdade INSTED

Acadêmica de Direito na Faculdade Insted. 

Yasmin Torres , Faculdade INSTED

Acadêmica de Direito na Faculdade Insted. 

Referências

GOMES, Camilla. Gênero como categoria de analise descolonial. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-7289.2018.1.28209. Acesso: 23 nov. 2020.

GOMES, David; CARVALHO, Rayann. Poderá o direito ser decolonial? 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/43745. Acesso: 23 nov. 2020.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. 2014. Disponível em: Revista Estudos Feministas. Acesso: 23 nov. 2020.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v32n94/0102-6909-rbcsoc-3294022017.pdf. Acesso: 23 nov. 2020.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. 2017. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/download/772/645. Acesso: 27 ago. 2020.

NOLASCO, Edgar. Crítica biográfica fronteiriça: epistemologias do Sul. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/cadec/article/view/3351. Acesso em: 23 nov. 2020.

OLIVEIRA, Ana. A evolução da mulher no Brasil do período da colônia a república. 2017. Disponível em: https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/10183/29/103.pdf. Acesso em: 23 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Edição

Seção

Faculdade INSTED