Representações laicas de mártires na arte: Desde El tres de Mayo de Francisco de Goya até Shoot de Chris Burden

Ana de Almeida

Resumo


Esse artigo apresenta um breve paralelo sobre a representação laica do martírio nas artes visuais, baseado nas pinturas de fuzilamento iniciadas por Francisco de Goya, até a performance Shoot de Chris Burden. Incita uma discussão sobre a violência que artistas utilizaram sobre o corpo figurado, seja representado ao público por meio da pintura, seja apresentado ao público por meio da performance. Inclui também referenciais iconográficos do mártir na arte cristã, que foram ressignificados em um contexto laico do Iluminismo, utilizados pela pintura a partir do século XVIII, assim como pela performance dos anos 1960/70. Discute também a significação da palavra “mártir” e como ela poderia ter sido apropriada, e aplicada em representações artísticas do corpo que é violentado.

Palavras-chave


corpo; violência; performance; tiro; mártir

Texto completo:

PDF

Referências


ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann e Federico Corotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BARRETO FILHO, Waldir de Mello. De lo sublime superviviente: Estudio sobre la persistência del sentimiento de los subilime en el arte contemporáneo. Granada: Universidad de Granada, 2016.

GLENDINNING, Nigel. Francisco de Goya. Madrid: Arlanza, 2005.

LEUNG, Christina. Gao Brothers’ Execution of Christ; Visual lexicon transcending culture, time, and place. Dissertação, 101 f. University of Missouri. Kansas: 2011.

MANNARINO, Giovanni; DOURADO, Lauter. A China e a Guerra da Coréia (1950-1953). Rio de Ja-neiro: Universidade Federal Fluminense, 2011.

MATOS, Adriana. A auto-representação da dor:reacções à performance da Idade Média e do Pós-Modernismo. Teatro do Mundo, vol. 09, pag. 296-335, 2014.

MATOS, Denilson. Imitação de Cristo: uma análise do conceito de martírio desenvolvido pelos primeiros cristãos. Anais do Congresso ANPTECRE, São Paulo, v. 05, 2015.

SCHJELDAHL, Peter. Performance: Chris Burden and the limits of art. The New Yorker, Nova York: 14/05/2007. Disponível em: (Último acesso em 24/10/2017)

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. Tradução: Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras. 2003.

VELASCO, Ana. Um percurso pela pintura de Goya e Manet: O 3 de Maio de 1808 (1814) de Goya, e a Execução do Imperador Maximiliano (1868-69) de Manet. Lisboa: Faculdade de Belas Artes – CIE-BA, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.