A Princesa e o Mundo das Fábricas: a cidade moderna e a questão fabrilista em Caxias/MA (1940)

  • Jakson Santos Ribeiro Universidade Estadual do Maranhão
Palavras-chave: Imprensa. Cidade. Discurso.

Resumo

Resumo: O presente artigo problematiza as representações constituída sobre a cidade moderna pelo Jornal Cruzeiro, periódico religioso, durante a década 1940. Nesse sentido, o texto reflete como os discursos do jornal evidencia o conceito de urbe moderna, a luz das fábricas que existiam na cidade. Nos discursos do periódico religioso, concebidos na segunda metade da década de 1940, a cidade não se apresenta apenas como Caxias, mas sim como a Princesa do Sertão, que se reveste de um manto moderno de desenvolvimento.

 


 

Biografia do Autor

Jakson Santos Ribeiro, Universidade Estadual do Maranhão
Jakson dos Santos Ribeiro. Professor Assistente I da Universidade Estadual do Maranhão- CESC/UEMA. Doutorando em História Social da Amazônia - UFPA. Mestre em História Social-UFMA. Especialista em História do Maranhão -IESF. Graduado em Historia - UEMA. Coordenador do Grupo de Estudos de Gêneros do Maranhão- GRUGEM/UEMA. Membro Colaborador do Grupo de Estudos Surdos & Interfaces (GESI) do Instituto de Educação e Cultura do Pará (Instituto IEPA). Desenvolvo pesquisa sobre História e Gênero com ênfase nas identidades constituídas acerca do gênero, masculinidades, feminilidades, Sexualidades, História e Imprensa, História e Cidade, História e Literatura, sociabilidades, festas, infância, ensino de história e prática do ensino.  E-mail: noskcajzaionnel@gmail.com

Referências

ALBUQUERQUE, Antonio José B. de. Memórias de Caxias: cada rua, sua história. Edição e Produção Câmara Municipal de Caxias, 1992.

CERTEAU, Michel de. Invenção do Cotidiano 2: morar, cozinhar. Trad. Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth. 9 Ed. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes, 2009.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Difel, 1990.

CHAUI, Marilena de Sousa. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 6ª Ed., v. 2. São Paulo: Cortez, 1993.

COUTINHO, Milson. Caxias das aldeias altas: subsídios para sua História. 2ª ed. São Luis-MA; Caxias-Ma: Prefeitura de Caxias, 2005.

DE DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo. Cotidiano de Trabalhadores na República. São Paulo 1889-1920. Coleção Tudo é História, São Paulo: Ed. Brasiliense, 1989.

FILHO OLIVEIRA, Valdinar da Silva. A tradição por um fio: uma história das sensibilidades em relação aos espaços na crise dos padrões de masculinidade no nordeste (1940/1980). Tese de Doutorado (Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Universidade Federal Fluminense-UFF, Niterói, 2010.

HOBSBAWM, Eric J.A era das revoluções. Paz e Terra, 10 edição,1997.

LEITE, Rinaldo Cesar Nascimento. E a Bahia civiliza-se...: ideais de civilização e cenas de anti-civilidade em um contexto de modernização urbana, Salvador, 1912-1916. (Dissertação de Mestrado), UFBA Salvador, 1996.

PEREIRA, Ana Paula Alves. As pipiras da fábrica: as mulheres operárias sob o olhar da sociedade caxiense na década de 1950. (Monografia apresentada ao Departamento de História e Geografia) Caxias, CESC, 2006.

PESAVENTO, Sandra Jathay. O imaginário da cidade: visões literárias do urbano –Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre: Ed. Universidade/ UFRGS, 1990.

SILVA, Rogério Forastieri. O Brasil de 1945 a 1964. – São Paulo: Núcleo, 1992.

Publicado
2019-12-27
Seção
Artigos