Descolonizar as representações sobre a colonização: reflexões/ contribuições a partir da Geografia

Autores

  • Jaime Bernardo Neto INCRA - Insituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

DOI:

https://doi.org/10.7147/geo.v1i31.29141

Palavras-chave:

colonização, epresentações, relações de poder

Resumo

A maior parte das representações sobre o processo de expansão espacial do capitalismo no recorte espacial do atual território do Estado do Espírito Santo e quiçá brasileiro, mediante o avanço da colonização, perpetua o que alguns autores têm chamado de ideologia dos vazios demográficos, que seria a tendência em se representar esses espaços antes de sua colonização e incorporação ao sistema mundo capitalista como áreas desertas, sem seres humanos, ocultando assim a violência a inerente a esse processo. Apesar de inicialmente ter sido uma construção dos colonizadores com a clara intencionalidade de legitimar sua invasão e usurpação daquele território, essa ideologia tem sido reproduzida e perpetuada em muitas obras historiográficas e acadêmicas de diversas áreas do saber. Este artigo consiste em algumas reflexões sobre esse fenômeno, sobretudo no sentido de tentar compreender os vícios teóricos e metateóricos que levam a tal perpetuação e, a partir disso, propor possíveis caminhos para a sua superação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaime Bernardo Neto, INCRA - Insituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Licenciado, Bacharel e Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Doutor em Geografia pela Universidade Federal Fluminense. Professor do Campus Nova Venécia do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES), atuando no ensino, pesquisa e extensão relacionados à Geografia Humana e Ensino de Geografia. Sua produção concentra-se nas áreas de Geografia Urbana, Geografia Agrária (formação do espaço agrário capixaba e conflitos no campo), Geografia Política (espaço, processos identitários e relações de poder) e Ensino de Geografia (currículo, representações do espaço, processos identitários e relações de poder).

Referências

ANTÔNIO FILHO, Fadel David. Sobre a palavra “Sertão”: origens, significados e usos no Brasil (do ponto de vista da Ciência Geográfica). Revista Ciência Geográfica. Bauru(SP), Vol. XV – (1): Janeiro/Dezembro, p.84-87, 2011.

ARRUTI, José Maurício. Comunidades Remanescentes de Quilombos. Tempo e Presença, Rio de Janeiro, v.23, n.319, p.25- 29, 2001.

BARROSO, Gustavo. A origem da palavra “Sertão”. Boletim Geográfico. Rio de Janeiro, v. 52, p. 401-403, jun.1947.

BERNARDO NETO, Jaime. Negros em Terras de Brancos? Reflexões sobre o racismo e a colonialidade nas representações hegemônicas sobre o Espírito Santo. 2017. Tese (Doutorado em Geografia). Instituto de Geociências, Universidade Federal Fluminense – Niteroi/RJ.

BITTENCOURT, Gabriel. Café e modernização (O Espírito Santo no século XIX). Editora Cátedra: Rio de Janeiro, 1987.

BORGO, Ivan Anacleto Lorenzoni, ROSA, Léa Brígida Rocha de Alvarenga, PACHECO, Renato Rocha de Alvarenga. Norte do Espírito Santo: Ciclo Madeireiro e Povoamento. EDUFES: Vitória, 1996.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2012.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

CLAVAL, Paul. Espaço e Poder. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Petrópolis, Editora Vozes: 1998.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2004.

HALBWACH, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2003.

HALL, Stuart; CERNICCHIARO, Ana Carolina (trad.). Etnicidade: identidade e diferença. Crítica cultural – Critic, Palhoça (SC), v.11, n.2, p.317-327, jul./dez.2016.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

LOWY, Micheal. O pensamento heterodoxo. Folha On Line, São Paulo. 21 nov.1999. Disponível em https://www1.folha.uol.com. br/fsp/mais/fs2111199908.htm. Acesso em: 12 nov 2020.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência: uma antologia da obra de Ruy Mauro Marini.(Org. Emir Sader). Editora Vozes: Petrópolis, 2000.

MARTINS, José de Souza. Fronteira. A degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto, 2009.

MASSEY, Doreen. Pelo Espaço. Uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

MATTOS, Izabel Missagia de. Civilização e Revolta: os botocudos e a catequese na Província de Minas. Bauru: Edusc, 2004.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de Retrato do Colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MOREIRA, Ruy. Formação do Espaço Agrário Brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Brasiliense, 1990.

MOREIRA, Thais Helena L., e PERRONE, Adriano. História e Geografia do Espírito Santo. Vitória: Editora dos autores, 2003.

OLIVEIRA, José Teixeira de. História do Estado do Espírito Santo. 3ª Ed. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2008.

PAIVA FILHO, Narceu de. Homens que fizeram Ibiraçu. Porto Alegre: Edições Caravela, 1995.

_______. Famílias Italianas em Ibiraçu-ES. [S.I., s.n], [s.d].

POLLACK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

___________. Memória e Identidade Social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 200-212, 1992,

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A invenção de novas geografias: a natureza e o homem em novos paradigmas. In:

Território, territórios. Ensaios sobre o ordenamento territorial. Niterói: Lamparina Editora, 2011.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e

Ciências Sociais. Buenos Aires: Clacso, 2005.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

RÊGO, André Heráclito do. O sertão e a Geografia. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, São Paulo, n.63, p. 42-66, abr. 2016.

RIBEIRO, Lúcio da Rocha. Subsídios à história da imigração italiana nos municípios de Ibiraçu e João Neiva. Vitória: Gráfica

Editora Ltda, 1990.

RÜSEN, Jörn. Reconstrução do passado. Teoria da história II: os princípios da pesquisa histórica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010.

SACK, Robert David. Human Territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. 1ª Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras,

SANTOS, Boaventura de Sousa. Por uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Estudos Sociais, Coimbra, nº63, p. 237-280, out. 2002.

SHAYDER, José Pontes. História do Espírito Santo. Uma abordagem didática e atualizada 1535-2002. Campinas: Companhia

da Escola, 2002.

YOUNG, Iris. Responsabilidad por la justicia. Madrid: Ediciones Morata, 2011.

WALLERSTEIN, Immanuel. Impensar a Ciência Social. Os limites dos paradigmas do século XIX. Aparecida, SP: Idéias &

Letras, 2006.

WHITE, Hayden. Meta-história. A imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Edusp, 2008.

VAISMAN, Ester. Althusser: Ideologia e Aparelhos de Estado – velhas e novas questões. Revista Projeto História, São Paulo, n.33, p. 247-269, dez. 2006.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Como Citar

NETO, J. B. Descolonizar as representações sobre a colonização: reflexões/ contribuições a partir da Geografia. Geografares, [S. l.], v. 1, n. 31, p. 114–143, 2020. DOI: 10.7147/geo.v1i31.29141. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/29141. Acesso em: 6 dez. 2021.