Ação coletiva e juventude: territorialidades dos coletivos juvenis da cidade de Governador Valadares-MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i33.34217

Palavras-chave:

juventudes, coletivos juvenis, territorialidades, Govenador Valadares, Brasil

Resumo

Este estudo tem como objetivo compreender as múltiplas territorialidades presentes no contexto dos coletivos juvenis e as relações que as produzem. O estudo sobre juventude tem como foco as associações de ação coletiva e as relações que os jovens estabelecem com a cidade de Governador Valadares em Minas Gerais, Brasil, ocupando o espaço e produzindo territorialidades. Os coletivos juvenis conectam os jovens, promovem a sociabilidade e possibilitam uma mediação com a realidade vivida, criando e modificando as relações com o espaço urbano. Pela noção de coletivos juvenis, entende-se que estes são organizados por jovens e que emergem de situações presentes, entretanto, o modelo de organização não é exclusivo da juventude, mas corresponde a uma tendência do associativismo na atualidade, por apresentar estruturas mais flexíveis, assim como dinâmicas de organização e gestão mais horizontais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Silva Maurer, Universidade Vale do Rio Doce (Univale)

Mestre em Gestão Integrada do Território pela Universidade Vale do Rio Doce (2020), Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Luterana do Brasil (2010) e atua como Tecnica em Assuntos Educacionais na Unversidade Federal do `Pará no Campus Altamira, também em pesquisas na área de Sociologia da Juventude e de Educação.

Maria Terezinha Bretas Vilarino, Universidade Vale do Rio Doce (Univale)

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Vale do Rio Doce (1979), com especialização em História (UNIVALE, 1991) e Mestrado e Doutorado em História pela UFMG (2008; 2015). Atualmente é professora assistente da Universidade Vale do Rio Doce. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em prática de ensino de História; atuando em projetos de pesquisa com os seguintes temas: história regional, saneamento, saúde pública, ambiente e educação. 

Referências

ALCADE, E. Cultura ZL: rede de coletivos Ermelino Matarazzo. São Paulo, EDICON, 2013

ALMEIDA, R. S. Juventude, direito à cidade e cidadania cultural na periferia de São Paulo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 56, p. 151-172, jun. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0020-38742013000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 mar. 2019.

ANGROSINO, M. Etnografía y observación participante en Investigación Cualitativa. Madrid: Edicones Morata, 2012.

DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.24, p. 40-52, set./dez. 2003.

DAYRELL, J. Um olhar sobre a juventude. In: DAYRELL, Juarez (Org). A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. p.21-44.

DAYRELL, J., CARRANO, P. C. Juventude e Ensino Médio: Quem é este aluno que chega à escola? In: DAYRELL, J; CARRANO, P; MAIA, CL (Orgs). Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

ELIAS, N. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1994.

ELIAS, N. Introdução à Sociologia. Edições 70, Reimp. Lisboa (PT), 2014

GOHN, M. G. Jovens na política na atualidade: uma nova cultura de participação. Caderno CRH, Salvador, v.31, n.82, p. 117 – 133, Jan/Abr, 2018.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-49792018000100117&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 24 mar. 2019.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18ª ed. Petrópolis: Vozes,2001

HAESBAERT, R. Dos Múltiplos territórios à multiterritorialidade. Porto Alegre: UFRGS/ULBRA/AGB, 2004.

HAESBAERT, R. Território e multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia, Niteroi, Ano IX, n.17, 2007, p. 19-46.

HAESBAERT, R. Territórios Alternativos. 3ª ed. São Paulo: Contexto, 2017.

MAGNANI, J. G. C. Festa no pedaço: cultura e lazer na cidade. São Paulo: Unesp, 2003.

MELUCCI, A. Acción colectiva, vida cotidiana y democracia. México: Centro de Estudos Sociológicos, 1999.

MONTOYA, Á. G. De Organizaciones a Colectivos Juveniles Panorama De La Participación Política Juvenil. Ultima Década, v. 18, p. 61–83, 2010 Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/195/19515560004.pdf> Acesso em: 05 out. 2019

NOVAES, Washington. Eco-92: avanços e interrogações. Estud. av, São Paulo, v. 6, n. 15, p. 79-93, Ago/1992. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/ea/v6n15/v6n15a05.pdf > Acesso em: 15 jan. 2020

PERALVA, A.; FIGEAC, J.; PATON, N.; NOGUEIRA, R. O legado de 2013: Coletivos de ativistas e a Agenda Política Brasileira. In: 41º Encontro Anual da ANPOCS (Caxambu) out. de 2017. 31p. Disponível em <https://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-2/gt-30/gt08-26/10660-o-legado-de-2013-coletivos-de-ativistas-e-a-agenda-politica-brasileira/file> Acessado em 04/09/2018

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

QUINTANEIRO, T. Processo civilizador, sociedade e indivíduo na obra de Norbert Elias. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010.

REGILLO, R. Culturas juveniles: Formas políticas del desencanto. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2013.

SCHERER-WARREN, I. Dos Movimentos sociais às manifestações de rua: o ativismo brasileiro no século XXI. Política & Sociedade, v. 13, n. 28, set/dez de 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/issue/view/2240> Acessado em: 24 mar. 2019

SOUZA, Q.; QUANDT, C. Metodologia de análise das redes sociais. In: DUARTE, F.; QUANDT, C.; SOUZA, Q. (org.) O tempo das redes. São Paulo, perspectiva, 2008. P. 31-63.

TATAGIBA, Luciana. 1984, 1992 e 2013. Sobre ciclos de protestos e democracia no Brasil. Política & Sociedade, Florianópolis, v.13, n.18, set-dez de 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/issue/view/2240> Acesso em: 24 mar. 2019

TREVISOL, J. O Fórum Social Mundial e a cidadania: gênese e potencialidades de um movimento contra-hegemônico transnacional. Revista Espaço Pedagógico, v. 14, n. 2, 20 nov. 2017. Disponível em: < http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/7574 > Acesso em: 15 jan. 2020

TURRA NETO, N. Metodologias de pesquisa para o estudo geográfico da sociabilidade juvenil. RA´E GA, Curitiba, v. 23, p. 340-375, 2011. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/raega/issue/archive> Acesso em: 15 mai. 2018.

TURRA NETO, N. Vivendo entre jovens: a observação participante como metodologia de pesquisa de campo. Terr@Plural, Ponta Grossa, v.6, n.2, p. 241-255, jul/dez. 2012.

Downloads

Publicado

15-12-2021

Como Citar

MAURER, Michele Silva; VILARINO, Maria Terezinha Bretas. Ação coletiva e juventude: territorialidades dos coletivos juvenis da cidade de Governador Valadares-MG. Geografares, Vitória, Brasil, v. 1, n. 33, p. 160–182, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i33.34217. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/34217. Acesso em: 18 jul. 2024.