Migração internacional de africanos para o Brasil e suas territorialidades no estado do Ceará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i33.37140

Palavras-chave:

Migração internacional, Africanos, Territorialidades, Ceará, Brasil

Resumo

Este texto explica as territorialidades construídas na migração internacional dos africanos para o Brasil, de maneira especial para o Estado do Ceará nas primeiras décadas do século XXI. Para fundamentar a discussão, o caminho teórico-metodológico foi construído a partir de: seleção de conceitos; levantamento bibliográfico e de dados, e pesquisa empírica. Diante do que foi investigado, afirmamos que no Brasil verifica-se a presença desses migrantes em inúmeras unidades federativas: São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Ceará, Paraná e Minas Gerais. A presença dos africanos no Ceará permite com que tenhamos territorialidades e circularidades migratórias múltiplas, já que diversos são os perfis dos sujeitos em mobilidades (estudantes, trabalhadores e investidores). Numa primeira fase da migração, eles fixam residência na cidade de Fortaleza, Redenção e Acarape, mas ao longo do tempo, por não retornarem ao país de origem, constroem territorialidades e realizam circularidade por diversos bairros da cidade de Fortaleza e por diferentes cidades no território cearense. Vale ressaltar que a presença desses migrantes, no recorte empírico evidenciado, tem aumentado significativamente, demonstrando, o papel de centralidade do Ceará nas novas rotas e dinâmicas migratórias configuradas no território brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Cristina Bomtempo, UECE

Graduada e licenciada em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, campus de Presidente Prudente. Mestre e Doutora em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP, campus de Presidente Prudente ? conceito CAPES 7. Doutorado Sanduiche realizado na Université Paris IX Dauphine/IRISSO/Paris/França. Pós Doutora pela Université Paris I Panthéon Sorbonne. Foi professora do curso de Graduação em Geografia da UNESP - Unidade de Ourinhos e da Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo. Durante o Mestrado e o Doutorado foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo ? FAPESP. Atualmente é Docente Adjunta dos Cursos de Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pesquisadora e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia da mesma universidade; Coordenadora e Pesquisadora do Laboratório de Estudos Agrários, Urbanos e Populacionais (LEAUP) e vinculada ao Grupo de Pesquisas "Globalização, Agricultura e Urbanização (GLOBAU); Coordenadora Editorial da Revista GEOUECE. Foi Coordenadora do Curso de Graduação em Geografia da Universidade Aberta do Brasil UAB/UECE (2014-2019) e Vice Coordenadora dos cursos de Graduação em Geografia da UECE, campus de Itaperi (2017-2019). Foi membro do Comitê de Ética e Pesquisa da UECE (2014 - 2016) e também atuou como Professora visitante na Universidad Nacional de Córdoba/UNC Argentina (Julho/Agosto 2017) e Profa. visitante da Université Paris I Panthéon Sorbonne/LInstitut de Géographie (Novembro, 2019/Fevereiro, 2020). Membro da Rede Latino Americana Espaço e Economia (RELAEE). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Humana. Atua principalmente nos seguintes temas: Mobilidade, Migração, Economia Urbana, Territorialidades, Redes Migratórias, Dinâmicas territoriais.

Kananda Beatriz Pinto Senna, Universidade Estadual do Ceará - UEC​E

Graduada em Geografia (Bacharelado) pela Universidade Estadual do Ceará (2018). Meste pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (ProPGeo/UECE), vinculada ao Laboratório de Estudos Agrários, Urbanos e Populacionais (LEAUP). Foi bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Tem experiência na área de Geografia (Geografia Humana e Geografia da População). Atua principalmente nos seguintes temas: mobilidade estudantil, migração internacional e territorialidades com destaque para os migrantes de nacionalidade africana que estão inseridos no território cearense. 

Referências

BAENINGER, R. Fases e faces da migração em São Paulo. Campinas: Núcleo de Estudos de População-NEPO/UNICAMP, 2012.

BOMTEMPO, D.; SENA, K.B.P. Migração internacional e territorialidades. A presença dos africanos no Ceará no início do século XXI. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research médium. Ituiutaba, v. 9, n. 1, p. 4-22, jan./jun, 2018.

BOMTEMPO, D. Migração internacional, economia urbana e territorialidades. Boletim Goiano de Geografia, v. 39, p. 1-26, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.5216/bgg.v39i0.55885. Acesso em: 28 jun. 2019.

CHESNAIS, F. Mundialização: o capital financeiro no comando. In: Revista Outubro, n. 2, 5ª. Edição, 2001. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/edicao-05/. Acesso em: 02 mai. 2018.

GAUDEMAR, J. Mobilidade do trabalho e acumulação do capital. Lisboa: Estampa, 1977.

GEORGE, P. Geografia da população. São Paulo: Difel, 1971.

KALY, A. À procura de oportunidades ou desembarque por engano. In: PAIVA, Odair da Cruz (Org.). Migrações internacionais: desafios para o século XXI. São Paulo: Memorial do Imigrante, p. 97-142, 2007.

LANGA, E. Diáspora Africana no Ceará no Século XXI: ressignificações identitárias de estudantes imigrantes. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Fortaleza, 2016.

NEDELCU, M. (Re)penser le transnationalisme et l’intégration à l’ère du numérique. Vers un tournant cosmopolitique dans l’étude des migrations internationales? Revue européenne des migrations internationales, vol. 26 - n°2 | 2010. Disponível em: https://doi.org/10.4000/remi.5122. Acesso em: 01 set. 2013.

MUNGOI, D. O mito atlântico: relatando experiências singulares de mobilidade dos estudantes africanos em Porto Alegre no Jogo de construção e reconstrução de suas identidades étnicas. 2006. 207 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Porto Alegre. Porto Alegre, 2006.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. International Migration Report 2017: Highlights. New York, 201. Disponível em: http://www.un.org/en/development/desa/population/migration/publications/migrationreport/docs/MigrationReport2017.pdf. Acesso em: 01 jun.2018.

PHELPS, E. South-South Migration: Why it’s bigger than we think, and why we should care. The Migrationist, 2014.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

PERALDI, M. Marseille: réseaux migrants transfrontaliers, place marchande et économie de bazar, Cultures & Conflits [En ligne], 33-34 | printemps-été 1999. Disponível em: https://doi.org/10.4000/conflits.232. Acesso em: 16 mar. 2006.

SACK, Robert. Human Territoriality: its theory e history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SANCHES M.; ILHA, F. Depois da Copa, mais de 500 ganeses solicitam refúgio no Brasil. O globo, Brail 21 jul. Brasil, 2014. Disponível em: https://oglobo.globo.com/brasil/depois-da-copa-mais-de-500-ganeses-solicitam-refugio-no-brasil-13317349. Acesso em: 05 mai.2018.

SAYAD, A. A imigração e os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp, 1998.

______. La double absence. Des illusions de l’émigre aux soufrances de l’immigre. Paris: Éditions du Seuil, 1999.

SCHMOLL, Camille. Une place marchande cosmopolite. Dynamiques migratoires et circulations commerciales à Naples. Thèse de Doctorat – l’Université Paris X – Nanterre. École doctorale “Économies, Organizations et Société, deciembre, 2004.

SENA, K.B.P. Migração internacional e construção de territorialidades: os estudantes africanos no Ceará. 2018. 105f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Geografia) – Centro de ciências e tecnologia, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2018.

SINGER, P. Economia política da urbanização. São Paulo: Contexto, 1998.

SOUCHAUD, S.; BAENINGER, R. Etudier les liens entre les migrations intérieures et internationales en suivant les trajectoires migratoires des Boliviens au Brésil. Revue Européenne des Migrations Internationales, v.25, n.1, p.195-213, 2009.

SUBUHANA, C. Estudar no Brasil: imigração temporária de estudantes moçambicanos no Rio de Janeiro. 2005. 210 f. Tese (Doutorado em Serviço Social). Escola de Serviço Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2005.

TARRIUS, A. Territoires circulatoires et espaces urbains: Différentiation des groupes migrants. In: Les Annales de la recherche urbaine, N°59-60, Mobilités. pp. 51-60, 1993.

TCHAM, I. A África fora de casa: sociabilidade, trânsito e conexões entre os estudantes africanos no Brasil. 2012. 99 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco, CFCH. Programa de Pós-Graduação em Antropologia, 2012.

TEDESCO, J. C.; MELLO, P. Senegaleses no Centro-Norte do Rio Grande do Sul: imigração laboral e dinâmica social. Porto Alegre: Letra&Vida, 2015.

TOLENTINO, N. Migrações, remessas e desenvolvimento: o caso africano. Socius Working Papers, Portugal, n. 9, maio, 2009.

VETTORASSI, A.; DIAS, G. Estudos migratórios e os desafios da pesquisa de campo. Sociedade e Cultura, v. 20, n. 2, 2018.

VISENTINI, P. Cooperação Sul-Sul, Diplomacia de Prestígio ou Imperialismo ‘soft’? As relações Brasil-África do Governo Lula. Século XXI - Revista de Relações Internacionais, v. 1, p. 65-84, 2010.

Downloads

Publicado

15-12-2021

Como Citar

BOMTEMPO, Denise Cristina; PINTO SENNA, Kananda Beatriz. Migração internacional de africanos para o Brasil e suas territorialidades no estado do Ceará. Geografares, Vitória, Brasil, v. 1, n. 33, p. 205–228, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i33.37140. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/37140. Acesso em: 18 jul. 2024.