Pode a periferia falar? Uma releitura crítica da produção cultural das periferias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v2i35.39219

Palavras-chave:

cultura, poder, periferias

Resumo

Neste artigo, busco fazer uma releitura crítica da produção cultural das periferias e sua relação com o “sistema”, ou seja com o poder estabelecido. A partir dos financiamentos utilizados por tal produção, sejam eles públicos ou privados, assim como suas parcerias e os desdobramentos resultantes desses vínculos, busco refletir sobre os impactos políticos, culturais e subjetivos no contexto das periferias. Tomo como ponto de partida os trabalhos seminais sobre o tema, assim como a discussão de Érica Peçanha sobre o “projeto pedagógico, estético e político” que deriva dessa produção. Levanto algumas questões para se pensar cultura, política e periferias no contexto atual, considerando a incidência da lógica neoliberal/neocolonial na cultura e tendo por base a pesquisa que desenvolvo desde 2016 com os Coletivos Perifatividade e Poesia na Brasa e, mais recentemente, com a Casa Ecoativa e o coletivo Imargem, em São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio Rogério dos Santos, Unicamp - Universidade Estadual de Campinas

Silvio Rogério é estudante de Ciências Sociais. Possui Bacharel em Antropologia e em Sociologia, além de Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e atualmente cursa Ciência Política e mestrado em Antropologia Social também pela Unicamp. É pesquisador da produção político - cultural das periferias. Suas áreas de interesse são Antropologia e Sociologia Urbana, Antropologia Social, Pensamento Anticolonial, Estudos Culturais, Sociologia da Cultura, Sociologia da Educação, Estudos Subalternos, Estudos Étnicos-Raciais, Pensamento Social Brasileiro e Pensamento Social da América Latina. Atualmente tem se debruçado pela intersecção entre poder, cultura e identidades.

Referências

ADERALDO, Guilhermo. Reinventando a cidade – Uma etnografia das lutas simbólicas entre coletivos culturais vídeo ativistas nas “periferias” de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2017.

ARANTES, Paulo Eduardo. Esquerda e Direita no Espelho das Ongs. In Zero à esquerda. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

BALBINO, Jéssica. Pelas margens: vozes femininas na literatura periférica. 2016. 1 recurso online (358 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem e Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/321220>. Acesso em: 31 ago.

BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: A ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Editora Filosófica Politeia, 2019.

CAROS AMIGOS ESPECIAL. Literatura Marginal: a cultura da periferia: ato I. São Paulo, agosto de 2001.

________________________. Literatura Marginal: a cultura da periferia: ato II. São Paulo, junho de 2002.

________________________. Literatura Marginal: a cultura da periferia: ato III. São Paulo, abril de 2004.

D’ANDREA, Tiarajú Pablo. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponíveis/8/8132/tde-18062013-095304/>. Acesso em: 2022-02-10.

DE TOMMASI, Lívia. Culturas de Periferia: entre o mercado, os dispositivos de gestão e o agir político. Política e Sociedade, Florianópolis, vol. 12, pp. 11-34, 2013.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013.

_____________. Pele Negra, Máscaras Brancas. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Introdução. In: Fronteiras de Tensão – Política e Violência nas Periferias de São Paulo. São Paulo, CEM/CEBRAP/Editora Unesp, 2011.

_______________________. Valor dos pobres: a aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo. Cad. CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 495-512, dez. 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792014000300004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 04 fev. 2022. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792014000300004. 21.

FERRÉZ (org.). Literatura Marginal: Talentos da escrita periférica. Rio de Janeiro, Editora Agir, 2005.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos Vol. V: Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro, Editora Forense Universitária, 2012.

FREITAS, Daniela Silva de . Slam Resistência: poesia, cidadania e insurgência. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, [S. l.], n. 59, p. 1–15, 2020. DOI: 10.1590/2316-40185915. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/29317. Acesso em: 18 maio. 2022.

JESUS, Carolina de. Quarto de despejo - Diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2021.

LEITE, Antonio Eleilson. Marcos fundamentais da Literatura Periférica em São Paulo. Revista Estudos Culturais, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 1-20, 2014. DOI: 10.11606/issn.2446-7693i1p1-20. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistaec/article/view/98368. Acesso em: 25 fev. 2022.

MBEMBE, Achille. Sair da grande noite: Ensaio sobre a África descolonizada. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2019.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

NASCIMENTO, Érica Peçanha do. Vozes Marginais na Literatura. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

_________________________________. É tudo nosso! Produção cultural na periferia paulistana. 2011. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponíveis/8/8134/tde-12112012-092647/>. Acesso em: 2022-02-09.

NAVES, Rubens. Novas possibilidades para o exercício da cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla (Orgs.). História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2003, p.568.

NEVES, Cynthia Agra Brito. Slams - letramentos literários de reexistência ao/no mundo contemporâneo. Linha D’Água, [S. l.], v. 30, n. 2, p. 92-112, 2017. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v30i2p92-112. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/134615. Acesso em: 18 maio. 2022.

REYES, Alejandro. Vozes dos Porões: literatura periférica/marginal no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SANTOS, Silvio Rogério dos. O Sistema é a bomba e o pavio: o projeto da Literatura Marginal/Periférica revisto à partir dos Coletivos Poesia na Brasa e Perifatividade em São Paulo / Silvio Rogério dos Santos. – Campinas, SP: [s.n.], 2019. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/1161981. Acesso em 10/02/2022.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. A Descoberta do Insólito: Literatura Negra e Literatura Periférica no Brasil (1960-2000). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? - Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TENNINA, Lucía. Saraus das periferias de São Paulo: poesia entre tragos, silêncios e aplausos. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, [S.l.], n. 42, p. 11-28, dez. 2013. ISSN 2316-4018. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9989>. Acesso em: 17 jan. 2022.

______________, MEDEIROS, Mário, PEÇANHA, Érica e HAPKE, Ingrid. Polifonias Marginais. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2016.

______________. Cuidado com os Poetas! Literatura e periferia na cidade de São Paulo. Porto Alegre, RS: Zouk, 2017.

VAZ, Sérgio. Cooperifa: Antropofagia Periférica. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

ZAGAIA, Coletivo. Uma ação educativa? ou o modo ONG de encarar a vida. Revista Zagaia, São Paulo, 2013. Disponível em: https://zagaiaemrevista.com.br/article/uma-acao-educativa-ou-o-modo-ong-de-encarar-a-vida/. Acesso em:18/05/2022.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

SILVIO ROGÉRIO DOS SANTOS. Pode a periferia falar? Uma releitura crítica da produção cultural das periferias. Geografares, Vitória, Brasil, v. 2, n. 35, p. 225–251, 2022. DOI: 10.47456/geo.v2i35.39219. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/39219. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Territórios urbanos e estratégias do neoliberalismo