DANDO ASAS ÀS IDEIAS

O USO DA CRIATIVIDADE EM CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DE COMPANHIAS AÉREAS

Autores

  • Gabriel Spindler Universidade Feevale
  • Mauricio Barth Universidade Feevale

Palavras-chave:

Criatividade, Publicidade, Aviação

Resumo

Em um cenário onde despertar a atenção do público está cada vez mais difícil, visto que estamos recebendo e consumindo conteúdo o tempo todo, é de suma importância saber se comunicar e fazer uso da criatividade para atrair e conquistar o consumidor. Sob esse prisma, este trabalho tematiza sobre a criatividade como elemento diferencial em peças do segmento da aviação, objetivando, portanto, identificar e analisar o uso da criatividade em campanhas publicitárias de companhias aéreas, em um âmbito atual e mundial. Sendo assim, ao longo de seu desenvolvimento, este trabalho se utiliza das Pesquisas Exploratória, Bibliográfica e Estudo de Caso Múltiplo, abordando seu problema de forma Qualitativa. No que se refere a coleta de dados, para alcançar o objetivo traçado, foram selecionadas, através de uma amostra de intencionalidade, as seguintes campanhas: Take-off Tips, What is truly Scandinavian? e DNA Discounts, analisadas sob a ótica da Análise Fílmica proposta por Vanoye e Goliot-Lété (2012). Ao fim do estudo, percebe-se que o uso da criatividade se mostra um diferencial em campanhas publicitárias, sendo, ainda, um artifício explorado de inúmeras maneiras no segmento das companhias aéreas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Spindler, Universidade Feevale

Bacharel em Publicidade e Propaganda pela Universidade Feevale (Novo Hamburgo/RS).

Mauricio Barth, Universidade Feevale

Doutorando em Diversidade Cultural e Inclusão Social, mestre em Indústria Criativa, especialista em Gestão de Marketing, bacharel em Publicidade e Propaganda. Professor na Universidade Feevale (Novo Hamburgo/RS). E-mail: mauricio@feevale.br | Orcid: https://orcid.org/0000-0001-9125-9832 
Lattes: http://lattes.cnpq.br/6385230216822855   

Referências

ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade. 2. ed. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 1995.

______; FLEITH, D. D. S. Criatividade: múltiplas perspectivas. ed. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2003.

AMABILE, T. M. The social psychology of creativity. New York: Springer, 1983.

______. Componential Theory of Creativity. Boston: Sage Publications, 2013.

BARTH, M.; PINHEIRO, C. M. P. Uma Definição Guardada a Oito Chaves: Conceitos, Considerações e Apontamentos Bibliográficos sobre Criatividade. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, v. 10, p. 105-105, 2015.

______; SILVA, A. C. Do gênesis ao clímax: um levantamento bibliográfico (não) definitivo sobre o processo criativo. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, v. 10, p. 121-133, 2015.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1981.

______. O sistema dos objetos. IN: LIMA, L.C (Org.) Teoria da Cultura de Massa. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

BODEN, M. Creativity in a nutshell. Think, 5(15), 2007, p. 83-96. Disponível em: <10.1017/S147717560000230X>. Acesso em: 03 jul. 2020.

______. Creativity and artificial intelligence. New York: Elsevier Science, 1998.

DOLLINGER, S. Creativity and conservatism. Personality and Individual Differences, Carbondale, v. 43, 2007, p. 1025-1035.

GUILFORD, J. P. The nature of human intelligence. New York: McGraw-Hill, 1967.

______. Creativity research: past, present and future. In: ISAKSEN, S. G. (Org.). Frontiers of creativity research: beyond the basics. Bufallo, NYC: Bearly Limited, 1987.

HENESSEY, B.A.; AMABILE, T.M. The conditions of creativity. In: STERNBERG, R.J. (Org.). The nature of creativity. New York: Cambridge University Press, 1988.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MALANGA, E. Publicidade: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1979.

PEREZ, C. Signos da Marca. São Paulo: Thomson Learning, 2004.

SANDMANN, A. A linguagem da propaganda. São Paulo: Contexto, 2001.

SIMONTON, D. K. Creativity: Cognitive, Personal, Developmental, and Social Aspects. American Psycholgist, v. 55, n. 1, 2000.

STERNBERG, R. J. The Nature of Creativity. Creativity Research Journal, v. 18, n. 1, 2006.

______; LUBART, T. I. An investment theory of creativity and its development. Human Development, 34, 1-31, 1991.

TORRANCE, E. P. Criatividade: medidas, testes e avaliações. São Paulo, SP: IBRASA, 1976.

VANOYE, F.; GOLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio sobre a análise fílmica. 7. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-18