EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DIVERSIDADE CULTURAL

EXPERIÊNCIAS NO CENTRO DE ESTUDOS DE PERCEPÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL – CENPEA, UNESP (SP, BRASIL)

Autores

  • Luciene Cristina Risso Universidade Estadual Paulista - UNESP

Palavras-chave:

interculturalidade, descolonialidade, povos indígenas, dança, cultura indígena

Resumo

O estudo visa pesquisar e difundir a cultura e a história indígena brasileira, especificamente da comunidade indígena da etnia terena e guarani da aldeia Tereguá, (Terra Indígena Araribá, São Paulo, Brasil), via parceria da universidade com a comunidade protagonista. Os materiais estão expostos na sala do CENPEA (UNESP) para a realização educativa do público escolar, além de proporcionar atividades culturais com apresentação de danças e cantos indígenas. O objetivo geral desse trabalho é expor os resultados da apresentação de dança tradicional referente à cultura terena para os escolares, realizada em Outubro de 2019, proporcionando vivências interculturais. A metodologia foi baseada em revisão teórica, pautada na discussão sobre os temas: diversidade cultural e educação ambiental; interculturalidade; pensamento descolonial e novas epistemologias; valorização dos povos indígenas e pesquisa participativa. Como resultados, o estudo tem promovido a história da resistência indígena e suas visões de mundo, instigando no público escolar, novas visões e empatia para com os povos indígenas, bem como o combate ao racismo estrutural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bernard, François de. Por uma definição do conceito de Diversidade Cultural. In: BRANT, Leonardo (Org.). Diversidade Cultural, Globalização e culturas locais: dimensões, efeitos e perspectivas. São Paulo: Escrituras: Instituto Pensarte, 2005.

Brasil. Ministério da Cultura. Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - 2010. Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural – 2012. Plano Setorial para as Culturas Indígenas/ MinC/ SCC - Brasília,2012.

Candau, Vera Maria. Concepção de educação intercultural. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2014. (Documento de trabalho).

Canclini, N. G. Diversidade e Direitos na Interculturalidade Global, Revista Observatório Itaú Cultural/OIC, n. 8 (abr./jul. 2009), São Paulo, 2009, p. 145.

Canclini, N. G. Diferentes, desiguais e desconectados – mapas da interculturalidade. Tradução de Luiz Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2007.

Cuche, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 1999.

Declaração universal sobre a diversidade cultural. 2001. Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura, em Paris (UNESCO, 2005)

Duvidovich, M.L.; Ostetto, L.E. Saberes e práticas interculturais: danças circulares, corpo e educação das diversidades. XVIII ENDIPE Didática e Prática de Ensino no contexto político contemporâneo: cenas da Educação Brasileira, pp.12118-12153, 2016.

Funari, P.P.; Piñon, A. A temática indígena na escola: subsídios para os professores. São Paulo: Contexto, 2016.

Gasparini, I.; Katz, H. A comunicação entre dança e público: o papel do coreógrafo na construção da relação obra-espectador. Dança, Salvador, v. 2, n. 2, p. 51-66, jul./dez. 2013.

Geertz, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

Guimarães, M. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

Mignolo, W. Colonialidade. O lado mais escuro da modernidade. RBCS Vol. 32 n° 94 junho/2017, p. 1-18.

Moniz, J.B. Diversidade cultural: um conceito fundamental para o estudo dos fenômenos religiosos modernos. Revista de Ciências Sociais. Fortaleza, v. 50, n. 2, jul./out.,2019, p. 73–109.

Quijano, A. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

Reigota, M. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2004.

Risso, L.C. Educação Ambiental e Ensino de Geografia: contribuição teórica e prática em biogeografia. IN: RISSO, L.C. (Org.). Ensino de geografia e educação ambiental: relatos de experiências. Unesp/Ourinhos: Campus Experimental de Ourinhos, 2013, p.9-26.

Santos, B. De S. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

Thiollent, M. A inserção da pesquisa-ação no contexto da extensão universitária. In: BRANDÃO Carlos R.; STRECK Danilo R. (Org.). Pesquisa participante: o saber da partilha. São Paulo: Ideias & Letras, 2006. p. 151-166.

Yang, Fenggang. Response by Fenggang Yang: Agency-driven secularization and Chinese experiments in multiple modernities. In: BERGER, P. L. (aut.). The many altars of modernity: toward a paradigm for religion in a pluralist age. Boston/Berlim: De Gruyter, 2014. p. 123-40.

Downloads

Publicado

2021-10-04