FORMAÇÃO DO EDUCADOR DE EJA NOS DISCURSOS DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DA EJA E BNCC

Autores

  • Jaciara de Oliveira Sant´Anna Santos Universidade do Estado da Bahia
  • Nilma Margarida de Castro Crusoé Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Palavras-chave:

BNCC, Diretrizes Curriculares Naionais para a EJA, Educação de Jovens e Adultos, Formação Docente

Resumo

O presente artigo apresenta reflexões preliminares sobre a formação do educador de jovens e adultos no atual contexto e visa analisar os discursos materializados nas Diretrizes Curriculares para Educação de Jovens e Adultos e na Base Nacional Comum Curricular em referência à constituição da formação do professor de jovens e adultos. Metodologicamente, o trabalho ancora-se na abordagem qualitativa, utilizando-se da pesquisa bibliográfica e da análise documental. Utiliza como aporte teórico os posicionamentos dos seguintes estudiosos: Arroyo (2006); Gatti (2010); Giroux (2008); Orlandi (2007; 2009; 2011). Os resultados demonstram que a formação do educador de jovens e adultos apresenta fragilidade, já que ela ainda é vista às margens das políticas educacionais no país. Constatou-se, também, que, nas DCNs da EJA, os educadores são vistos como sujeitos dotados de muitas competências e que, por isso, eles devem ser preparados para o desempenho de suas atribuições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaciara de Oliveira Sant´Anna Santos, Universidade do Estado da Bahia

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS), UNEB.
Docente do Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias, UNEB, Campus XX, Brumado, Bahia.
Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Ciências Humanas -
CEPECH/DCIE/UESC/BA UESB/BA, com registro no CNPQ. E-mail: jaciarasantanna@yahoo.com.br.

Nilma Margarida de Castro Crusoé, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Sergipe (1999), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (2003) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2010), com Estágio Doutoral na Universidade de Coimbra/PT. Professora Plena da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia- UESB. Professora de Estágio Supervisionado,no Curso de Pedagogia, de Pesquisa em Educação, no Programa de Mestrado em Educação (PPGEd/Uesb) e professora do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Praticas Curriculares e Educativas (GEPPCE).

Referências

ARBACHE, Ana Paula Bastos. A formação do educador de pessoas jovens e adultas numa perspectiva multicultural crítica. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro.

ARROYO, M. Formar educadores de jovens e adultos. In: SOARES, L. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica/MEC/ UNESCO, 2006. p. 17-32.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 dez. 1996.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica: PARECER CNE/CEB Nº: 7/2010, 7 de abril de 2010, no Conselho Nacional da Educação, em Brasília, 2010. C.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores em Educação Básica: Resolução CNE/CP n.º 01, de 18 de fevereiro de 2002, do Conselho Nacional da Educação, Brasília, 2002.

BRASIL. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, Diário Oficial da União. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: DF. 2017ª.

BRASIL. Presidência da República. Reforma universitária: relatório do grupo de trabalho criado pelo decreto n. 62937/68. Brasília: Presidência da República, 1968.

CAZARIN, E. A. Identificação e representação política: uma análise do discurso de Lula (1978 -1998). 2004. 270 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

CORDEIRO, G. N. K.; NEVES, J. V.; HAGE, S. M. Educação de Jovens e Adultos e Formação de Educadores: desafios para a sua consolidação na Amazônia Paraense. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 17, p. 111-128, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/25046/18079 >. Acesso em: 16 fev. 2021.

CURY, C, R, J. Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cadernos de pesquisa, São Paulo, nº 116, p.245-262, jul. 2002.a

DI PIERRO, M. C. Contribuições do I Seminário Nacional de Formação de Educadores de Jovens e Adultos. In: SOARES, L. (Org.). Formação de Educadores de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica/MEC/ Unesco, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002. Obra digitalizada.

HADDAD, Sérgio; DI PIERRO, M. C. Diretrizes de política nacional de educação de jovens e adultos: consolidação de Documentos 1985/94. São Paulo, ago.1994.

GADOTTI Moacir, ROMÃO, José E. (orgs.) Educação de Jovens E Adultos. 2. Ed. Ver. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2000. – (Guia da escola cidadã; v.5).

GATTI, Bernadete A. Formação de Professore no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010.

GATTI, B.; BARRETO, E. (Org.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais: rumo a uma Pedagogia critica da aprendizagem. São Paulo. Artes Médicas, 2008.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas (UnB), Brasília, DF, v.21, n.45, p. 445-466, mai./ago. 2015. Disponível:https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/4581/4179

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 39-58, jan./mai. 2019. http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/967/pdf

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: No movimento dos sentidos. Campinas, SP. 6ª ed, Editora da Unicamp, 2007.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: 8ª. ed Pontes Editores, 2009.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados. 2. ed. Campinas: Pontes, 2011.

SANTOS, Jaciara de oliveira Sant´Anna; SANTOS, Marcolino Sampaio. Educação de Jovens e Adultos: Diálogos Pedagógicos. 1ª ed. Curitiba: Appris, 2019

SANTOS, Janaína de Jesus. Formação de professores: Uma análise discursiva de documentos oficiais. Revista Virtual de Letras, v.10, nº01, jan/jul, 2018. Disponível: http://www.revlet.com.br/artigos/458.pdf > Acesso em: 19 de fev.2021.

SOARES, Leôncio. Avanços e desafios na formação do educador de jovens e adultos. In: MACHADO, Maria Margarida (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Brasília: Secad/MEC, Unesco, 2008.

SOARES, Leôncio. O educador de jovens e adultos em formação, Caxambu: 29ª Reunião Anual da ANPED, 2006. Disponível: http://29reuniao.anped.org.br/trabalhos/trabalho/GT18-2030--Int.pdf.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, nº 16, p. 20-44, jul./Dez. 2006.

Downloads

Publicado

2021-10-04

Edição

Seção

Dossiê - Da formação à prática pedagógica