Mecanismos de redução de perda de carga no escoamento de óleos pesados em dutos terrestres

Autores

  • Marina Rangel Justiniano Universidade Federal do Espírito Santo
  • Oldrich Joel Romero

DOI:

https://doi.org/10.21712/lajer.2017.v4.n1.p30-40

Resumo

A tubulação é o meio mais conveniente de transporte de óleo do campo produtor até a refinaria. Entretanto, quando se trata de óleos pesados esta etapa é um enorme desafio. A redução da viscosidade do óleo ou do arrasto são formas de viabilizar esta operação. Este artigo apresenta a modelagem matemática e numérica do escoamento monofásico de óleo pesado em um duto terrestre de 3.600 m. A influência do coeficiente global de transferência de calor nos gradientes de pressão e de temperatura é analisada. É estudado também o mecanismo de redução de perda de carga através da injeção de 3 agentes redutores de arrasto (DRA) distintos, identificados pelas constante de Burger,  e , como se segue: DRA 1 (  e ); DRA 2 (  e ) e DRA 3 (  e ). O software PipelineStudio® é a ferramenta utilizada para resolver as equações governantes. Os resultados obtidos mostram que o uso de isolamento quando projetado apropriadamente é de grande importância para manter a transferência de calor em níveis baixos, objetivando uma maior vazão de produção. Além disso, quando associado à injeção de DRA, o terceiro se demonstrou mais eficiente. Entretanto há uma necessidade de avaliação econômica para definir a viabilidade do projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6023: Informação e documentação. Trabalhos Acadêmicos - Apresentação. Rio de Janeiro: ABNT,2002.

ALMEIDA, et al. Avaliação das Doses Equivalentes Médias Mensais num Hospital de Grande Porte. Revista Radiologia Brasileira, p. 157-159, 1989.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 38, 2008

AZEVEDO, Ana Cecilia Pedrosa. Radioproteção em Serviços de Saúde. Escola Nacional de Saúde Pública-CESTEH, p.5. 2010.

BARBOZA, Adriana Elisa. Comportamento Estatístico das Altas Doses em Radiodiagnóstico Médico. Instituto de Radioproteção e Dosimetria – IRD.2014

CHIN, Sonia Claudia Lin. 90 p.Dosimetria numa população de profissionais expostos a radiação ionizante. Instituto Técnico de Lisboa.(tese)Lisboa. 2013.

CNEN - Comissão de Energia Nuclear. Disponível em: http://www.cnen.gov.br/quem-somos. Acesso em 23/10/2015

Comissão Nacional de Energia Nuclear. Diretrizes Básicas de Radioproteção. CNEN-NN-3.01; 2005.

Comissão Nacional de Energia Nuclear. Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Medicina Nuclear. CNEN-NN-3.05; 2013.

GEFIM- Grupo de Ensino Física Médica Disponível em http://ensinodefisicamedica.blogspot.com.br/2010/10/principio-alara-ou-principio-de.html Acesso em dia 03/07/216

MARCHIORI, Edson. Introdução a Radiologia. 2ºed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2015.

NOGUEIRA, Fernanda Maria Dornellas Câmara. Estudo da qualidade dos radiofármacos e dos activímetros utilizados nos serviços de Medicina Nuclear do Recife.Universidade Estadual de Pernanbuco.2001

BRASIL, Portaria Anvisa 453 de 01 de junho de 1998 Disponível em: http://www.conter.gov.br/uploads/legislativo/portaria_453.pdf Acesso em 27/06/2016

RADIOLOGIABLOG-Dosímetro Radiológico Individual: Entenda Como Funciona o Dispositivo.Thiago Rubens.. Disponível em: http://radiologia.blog.br/protecao-radiologica/dosimetro-radiologico-individual-entenda-como-funciona-o-dispositivoAcesso em 27/06/2016

Robilotta CC. A tomografia por emissão de pósitrons: uma nova modalidade na medicina nuclear brasileira. Revista Panam Salud Publica. 2006; 20(2/3):134–42

SALES, et al. Avaliação de Doses Equivalentes em um serviço de Medicina Nuclear.Universidade de São Paulo.2005

SANTOS, Gelvis Cardoso dos. Manual de Radiologia: Fundamentos e Técnicas. São Caetano do Sul, Sp, Editora Yendis,2008.

SBMN- Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear.Disponível em: http://www.sbmn.org.br/site/medicina_nuclear Acesso em 27/06/2016

SILVA F. L., COZER T. C., BADELLI J. C., NOHAMA P., BARROS, F. S. e ZIBETTI M. V. W.. Avaliação da dose efetiva acumulada em três clínicas de medicina nuclear. XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica – CBEB 2014.

TAUHATA, L., SALATI, I. P. A., DI PRINZIO, R., DI PRINZIO, M. A. R. R. Radioproteção e Dosimetria: Fundamento.10ªrevisão. Rio de Janeiro - IRD/CNEN,2014.

TÉCNICO EM RADIOLOGIA. Radiofármacos. Disponível em: http://rle.dainf.ct.utfpr.edu.br/hipermidia/index.php/9-uncategorised/532-total Acesso em 27/06/2016

Downloads

Publicado

2021-02-05

Edição

Seção

Artigos