An analysis of the economic viability and greenhouse gas emissions reductions resulting from the use of solar water heaters in a typical Brazilian dwelling

Autores

  • Leandra Altoé Universidade Federal do Espírito Santo
  • Delly Oliveira Filho Universidade Federal de Viçosa
  • Joyce Correna Carlo Universidade Federal de Viçosa
  • Paulo Marcos Barros Monteiro Universidade Federal de Ouro Preto
  • Isabella Theresa Almeida Martins Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.21712/lajer.2017.v4.n2.p1-10

Resumo

Several countries have reduced their energy consumption and greenhouse gas emissions levels in buildings by promulgating laws, formulating standards and instituting certification programs. In this context, Brazil launched an energy efficiency certification for buildings in 2009. This study aimed to analyze the economic viability and potential greenhouse gas emissions reductions associated with the use of solar water heaters in a typical Brazilian dwelling. Solar thermal systems were simulated at different energy efficiency levels and shower water flow rates. It was found that the use of solar water heater, as compared with electric heater without a hot water storage, presented internal return rate of approximately 26% per year, simple payback around 4.5 years; net present value about US$ 2,194.00 and cost of conserved energy around US$ 0.12 kWh-1. This study also verified that solar water heater use in a typical Brazilian dwelling reduced emissions compared with electric and gas heating by approximately 95 and 256 kgCO2equivalentyear-1, respectively. The total reduction potential of greenhouse gas emissions by use solar water heaters for the Brazilian residential sector was substantial, around 5.75 million tCO2equivalentyear-1.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandra Altoé, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Engenharias e Tecnologias

Referências

BUFFON, M. C. M. et al. O Uso de Fitoterápicos em Odontologia. 4th ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

MARTINS, A. A., SAMPAIO, A. V. B. BUFFON, M. C. M. Avaliação do uso do extrato de Maytenusilicifolia M. R. (espinheira santa) no controle do biofilme dental [dissertation]. Curitiba: Odontologia, Universidade Federal do Paraná; 2012.

COSTA, A.F.E; FROTA JG; LIMA, MC;MORAES, MO. Plantas medicinais utilizadas por pacientes atendidos nos ambulatórios do Hospital Universitário Walter Cantidio da Universidade Federal do Ceará [dissertation].Fortaleza: PesqMed Fortaleza; 1998.

YUNES, R.A; PEDROSA, RC; CECHINEL FILHO, V. Fármacos e fitoterápicos: a necessidade do desenvolvimento da indústria de fitoterápicos e fitofármacos no Brasil. 1st ed. São Paulo:Quím. Nova; 2001.

Ministério da Saúde.Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: MS;2009.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde: Departamento de Atenção Básica. Práticas Integrativas e Complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica.Brasília: MS; 2012.

CARVALHO, A. C. B.; SILVEIRA, D. Drogas vegetais: uma antiga nova forma de utilização de plantas medicinais.1st ed. Brasília: Brasília Médica; 2010.

OLIVEIRA RAG, LIMA EO, VIEIRA WL. et al. Estudo da interferência de óleos essenciais sobre a atividade de alguns antibióticos usados na clínica. Rev Brasileira Farmacognosia. 2006; 16(1): 77-82.

FRANCO, LL. Doenças tratadas com plantas medicinais. 2.nd ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2003.

VASCONCELOS, KRF. et al. Avaliação in vitro da atividade antibacteriana de um cimento odontológico à base de óleo-resina de Copaiferamultijuga Hayne. Rev Brasileira de Farmacognosia. 2008; 18(1): 733-738.

BADANAI, JM; SILVA, CP. Utilização De Plantas Medicinais, Fitoterápicos E Dos Potenciais Riscos De Suas Interações Com Medicamentos Alopáticos, Por Idosos Atendidos Pela Farmácia – Escola- São Caetano do Sul [dissertation].São Caetano do Sul: Farmácia, Universidade Municipal de São Caetano do Sul; 2011.

SILVA, I. Noções sobre o organismo humano e utilização de plantas medicinais. 3th. ed. Cascavel: Assoeste; 1995.

LEAL, L.K.A.M. et al. Antinociceptive and bronchodilator activities of Brazilian medicinal plants containing coumarin: a comparative study. Journal of Ethnophamacology. 2000; 70(2): 151-159.

MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais – guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no nordeste do Brasil. 1st ed. Fortaleza: Imprensa Universitária/Edições UFC; 2002.

WILLIAMSON E. et al. Interações Medicamentosas de Stockley, - plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos. 1st ed. Porto Alegre: Artmed Editora Ltda.; 2012.

TAUFNER CF, FERRAÇO EB & RIBEIRO LF. Uso de plantas medicinais como alternativa fitoterápica nas unidades de saúde pública de Santa Teresa e Marilândia, ES [dissertation]. Santa Tereza e Marilândia: Natureza online; 2006.

ALBERTASSE PD, THOMAZ, LD & ANDRADE, MA. Plantas medicinais e seus usos na comunidade da Barra do Jucu, Vila Velha, ES. Rev Brasileira de Plantas Medicinais. 2010; v12(3): 250-260.

FRANÇA JSX et al. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev Brasileira de Enfermagem. 2007; 61(2): 201-208.

CUNHA P, SILVA AP, ROQUE OR. Plantas e produtos vegetais em fitoterapia. 4th ed. Lisboa: Fundação Caloust Gulbenkian; 2012.

ASSIS C. Plantas medicinais na odontologia. Rev Bras de Odontologia. 2009; 66(1): 72-75.

AGUIAR JS, COSTA MCCD, NASCIMENTO SC, SENA KXFR. Atividade antimicrobiana de Lippia alba (Mill.) N. E. Brown (Verbenaceae). Rev Bras de Farmacognosia. 2008; 18(3): 436-440.

CABRAL GAL, MACIEL JR. Levantamento etnobotânico da coleção de plantas medicinais do Jardim Botânico do Recife, PE. Natureza online. 2011; 9(1): 1-6.

MOREL AF, DIAS GO, PORTO C, SIMIONATTO E, STUKER CZ, DALCOL II. Antimicrobial activity of extractives of Solidago microglossa. Fitoterapia. 2006; 77(6): 453-455.

FREIRES IA, ALVES LA, JOVITO VC, ALMEIDA LFD, CASTRO RD, PADILHA WWN. Atividades antibacteriana e antiaderente in vitro de tinturas de Schinus terebinthinfolius (Aroeira) e Solidago microglossa (Arnica) frente a bactéria formadoras de biofilme dentário. Odontol Clinica Cientifica. 2010; 9(2):139-143.

MINAMI K. Substrato para plantas: base da produção vegetal em recipientes. In: KAMPF, A.N.; FERMINO, M.H. Abdução em substrato. 2000; Porto Alegre. Porto Alegre: Genesis; 2000. p. 312.

OLIVEIRA, FQ. et al. Espécies vegetais indicadas na odontologia. Ver Brasileira de Farmacognosia. 2007; 17(3): 466-476.

ROSA JS, FACCHIN BM, BASTOS J, SIQUEIRA MA, MICKE GA, DALMARCO E et al. Systemic admnistration of Rosmarinus officinalis attenuates the inflammatory response induced by carrageenan in the mouse model of pleurisy. Planta Med. 2013; 79(17): 1605-1614.

NICOLETTI M. A., OLIVEIRA MAJ., BERTASSO C. C. , YUNES P. C., TAVARES A. P. L. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos - Rev Infarma. 2007; 19(1): 34-40.

KLACK K., CARVALHO JF. Vitamina K: Metabolismo, Fontes e Interação com o Anticoagulante Varfarina. Rev Bras Reumatol. 2006; 46(6): 398-406.

FRANCHOMME P., JOLLOIS R., PÉNOEL D. L' Aromatherapie exactment- Encyclopedie de l’utilisation thérapeutique des huiles essentielles. 1st ed. France: Ed. Roger Jollois, Limogens;1995

NEGRI G. Diabetes Melito: plantas e princípios ativos naturais de hipoglicemiantes. Rev Bras de Ciências farmacêuticas. 2005; 41(2): 121-142.

RODRIGUES, AG, SANTOS, MG.; DE SIMONI, C. Fitoterapia na Saúde da Família. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (Org.). Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade (PROMEF). Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora Ltda.; 2011. p. 131-165.

RODRIGUES, AG, DE SIMONI, C. Plantas medicinais no contexto de políticas públicas. Inf Agropecuário. 2010; 31(1): 7-12.

ALBUQUERQUE, UP.; HANAZAKI N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e perspectivas.Rev Brasileira Farmcognosia. 2006: 16 (1): 678-689.

Downloads

Publicado

2021-02-05

Edição

Seção

Artigos