“TO BE OR NOT TO BE”? UMA ANÁLISE DA PRÁTICA DA ORALIDADE DAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA NAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS: REALIDADE OU UTOPIA?

Autores

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a situação do ensino de língua inglesa nas escolas públicas brasileiras. Também discutiremos sobre as políticas vigentes para o ensino de língua no Brasil por meio de documentos como a Leis de Diretrizes e Bases, os Parâmetros Curriculares Nacionais e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio.  Além disso, busca-se refletir sobre o "discurso do fracasso", que permeia grande parte do aparato ideológico referente ao ensino de línguas em escolas regulares no Brasil e como o mesmo é reforçado por alunos e professores nas práticas de ensino/aprendizagem e por questões mercadológicas como a necessidade dos cursos livres de idiomas. Por fim, destacamos a necessidade da prática da produção e compreensão oral nas aulas de língua nas escolas a fim de promover uma aprendizagem mais motivadora e menos instrumentalizada do idioma. Embasam este trabalho as análises de Rajagopalan (2009), Lima (2011) e Leffa (2011); além dos estudos de Grigoletto (2000) e das discussões sobre oralidade e ensino, promovidas por Consolo (2000), Milanez (1993), entre outros.

Palavras-chave: Ensino de língua inglesa. Prática de oralidade. Políticas para o ensino de línguas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamires Huguenin Corrêa, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e Universidade Federal Fluminense (UFF).

Mestre em Estudos da Linguagem na Universidade Federal Fluminense, sua pesquisa se debruçou sobre a realidade precária do ensino de línguas nas escolas regulares brasileiras, bem como no aporte teórico-prático da metodologia CLIL (Content Language Integrated Learning) como um caminho para a possível mudança deste cenário . Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2010). Durante o curso, se dedicou a projetos de pesquisa na área de ensino de línguas com enfoque na aquisição de língua e educação bilíngue. Tais estudos geraram artigos publicados na área. Atualmente, trabalha como professora temporária de língua portuguesa, inglesa e espanhola do CEFET/MG.

Downloads

Publicado

2017-07-19

Como Citar

CORRÊA, T. H. “TO BE OR NOT TO BE”? UMA ANÁLISE DA PRÁTICA DA ORALIDADE DAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA NAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS: REALIDADE OU UTOPIA?. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 295–313, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/15625. Acesso em: 27 nov. 2021.