Revelando a produção artística contemporânea do Instituto Inhotim, sob o olhar da fenomenologia da percepção de Merleau-Ponty

Autores

  • Maria Lúcia Wochler Pelaes Universidade de São Paulo, Brasil
  • Elcie A. Fortes Salzano Masini Universidade de São Paulo, Brasil

Resumo

Este artigo apresenta uma análise do Instituto Inhotim e de algumas das obras de arte contemporânea expostas em seus espaços, tendo como referencial teórico principal os estudos de Merleau-Ponty (1945/1999), quanto à “Fenomenologia da Percepção”. Esta análise concebe que a leitura e a fruição estéticas sensíveis da obra de arte são complementares ao conceito de percepção, permitindo a construção de um diálogo, propondo que a arte opera, enquanto um fenômeno vivo, por meio de uma relação corpo-espaço-tempo, com intersecções de sentido, levando o espectador a interagir com as obras, por meio da percepção da corporeidade, da consciência de si mesmo e do ser humano em movimento no mundo.

Palavras-chave: Instituto Inhotim; Fenomenologia; Percepção; Arte Contemporânea; Arte Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lúcia Wochler Pelaes, Universidade de São Paulo, Brasil

Pós-Doutoranda em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo FE-USP. Doutora em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie-UPM. E-mail: wpelaes@uol.com.br

Elcie A. Fortes Salzano Masini, Universidade de São Paulo, Brasil

Livre Docente Senior pela Universidade de São Paulo–FE-USP. Foi professora titular da Universidade Presbiteriana Mackenzie nos Programas de Pós-Graduação Stricto-Sensu. É pesquisadora do CNPq. E-mail: delcie@uol.com.br

Downloads

Publicado

2020-09-13

Como Citar

Pelaes, M. L. W., & Masini, E. A. F. S. (2020). Revelando a produção artística contemporânea do Instituto Inhotim, sob o olhar da fenomenologia da percepção de Merleau-Ponty. Simbiótica. Revista Eletrônica, 7(2 jan.-jun.), 181-197. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/simbiotica/article/view/32599

Edição

Seção

Artigos livres