A Reforma psiquiátrica brasileira e os entraves para a superação do modelo manicomial

Autores

  • Heline Caroline Eloi Moura Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.47456/argumentum.v12i3.29217

Resumo

O presente artigo tem como objetivo propiciar uma reflexão acerca dos avanços e recuos da Política de Saúde Mental no contexto brasileiro da Reforma Psiquiátrica, enfatizando sobretudo as alterações realizadas entre 2017 e 2019. Constatamos que essas mudanças, realizadas nos governos Temer e Bolsonaro, descaracterizam a política de saúde mental, pois incentivam financeiramente a manutenção e a ampliação do modelo asilar por meio do hospital psiquiátrico e das Comunidades Terapêuticas. A partir da revisão bibliográfica, foi possível estabelecer uma interlocução crítica com teóricos que apreenderam as instituições asilares como funcionais à ordem capitalista e como reprodutoras de desumanidade. A análise documental evidenciou que o embate envolve aspectos políticos e econômicos que interferem diretamente no âmbito social, no qual se processam os serviços de atenção em saúde mental.

Palavras-chave: Reforma Psiquiátrica. Alterações. Hospital Psiquiátrico. Comunidades Terapêuticas. Direitos Humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heline Caroline Eloi Moura, Universidade Federal de Alagoas

Assistente Social. Mestre em Serviço Social, doutoranda pelo Program ade Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Alagaoas.

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Moura, H. C. E. (2020). A Reforma psiquiátrica brasileira e os entraves para a superação do modelo manicomial. Argumentum, 12(3), 270–283. https://doi.org/10.47456/argumentum.v12i3.29217