Classificação racial numa comunidade de atendimento socioeducativo: reflexões sobre negritude, mestiçagem e branquitude

Autores

  • Jalusa Silva de Arruda Universidade do Estado da Bahia
  • Otto Vinicius Agra Figueiredo Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) http://orcid.org/0000-0002-1545-6823

DOI:

https://doi.org/10.47456/argumentum.v12i3.31049

Resumo

O artigo analisa a classificação racial numa comunidade de atendimento socioeducativo (CASE), instituição com atribuição de executar a medida socioeducativa de internação de adolescentes e jovens autores de ato infracional. Tem por objetivo ratificar a importância da classificação racial para sistematização de dados oficiais sobre o sistema socioeducativo brasileiro, bem como refletir sobre algumas das implicações que incidem sobre a heteroclassificação em instituições como uma CASE, especialmente a partir de abordagens sobre negritude, mestiçagem e branquitude. O artigo parte dos resultados da pesquisa de doutorado desenvolvida no sistema socioeducativo baiano, que adotou os prontuários de atendimento técnico como principal fonte de coleta de dados.

Palavras-chave: Sistema socioeducativo. Medida socioeducativa de internação. Classificação racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jalusa Silva de Arruda, Universidade do Estado da Bahia

Advogada. Doutora em Ciências Sociais. Professora da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), campus XV. Av. Boulevar, nº 240, Valença, Bahia, CEP 45400-000. Pesquisadora associada do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher

Otto Vinicius Agra Figueiredo, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Pedagogo, Mestre em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Silva de Arruda, J., & Agra Figueiredo, O. V. (2020). Classificação racial numa comunidade de atendimento socioeducativo: reflexões sobre negritude, mestiçagem e branquitude. Argumentum, 12(3), 195–210. https://doi.org/10.47456/argumentum.v12i3.31049