Ensino Remoto Emergencial na ESS-UFF no contexto da pandemia

Autores

  • Priscila Keiko Cossual Sakurada Universidade Federal Fluminense http://orcid.org/0000-0003-4208-9245
  • Ebe Campinha dos Santos Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.47456/argumentum.v14i1.36909

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar as estratégias político-pedagógicas de enfrentamento utilizadas pela ESS- UFF no Ensino Remoto Emergencial e analisar as disputas de projetos educacionais no âmbito da Universidade Pública no contexto das relações antagônicas de classes na sociedade capitalista brasileira.  Em seguida, articulado a esta exposição, abordaremos a implementação do ERE na Universidade Pública, trazendo dados que vão subsidiar as estratégias traçadas pela ESS para se contrapor à transposição integral do currículo para esta modalidade. Ao final, refletindo esta experiência, indica-se a necessidade de estarmos atentos aos desdobramentos do ERE para a Universidade Pública, o ensino presencial e o processo formativo em Serviço Social. Este artigo baseou-se em pesquisa bibliográfica e documental, adotando a perspectiva teórico marxista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Keiko Cossual Sakurada, Universidade Federal Fluminense

Assistente Social (UFES), Mestre em Serviço Social (UFRJ), Doutora em Serviço Social (UFRJ), Professora Adjunta do Departamento de Serviço Social da UFF-Niterói.

Ebe Campinha dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Assistente Social formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988), mestre em Serviço Social (1997) e doutora em Serviço Social (2012) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora Adjunta da Escola de Serviço Social da UFF. Atualmente é Vice Coordenadora do Curso de Graduação em Serviço Social (SGS-UFF) e compõe o Núcleo Docente Estruturante (NDE).

Downloads

Publicado

30-04-2022

Como Citar

Sakurada, P. K. C., & Santos, E. C. dos. (2022). Ensino Remoto Emergencial na ESS-UFF no contexto da pandemia. Argumentum, 14(1), 85–98. https://doi.org/10.47456/argumentum.v14i1.36909