O projeto In Tlilli in Tlapalli - Imágenes de la nueva tierra como estratégia de descolonização epistêmica

Autores

  • Nicole Palucci Marziale Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

descolonização epistêmica, códices Mesoamericanos, aesthesis decolonial

Resumo

Este artigo parte do estudo do projeto In Tlilli in Tlapalli - Imágenes de la nueva tierra: identidad indígena después de la conquista, da pesquisadora Diana Magaloni Kerpel e da artista visual Mariana Castillo Deball, que resultou na realização de uma exposição no Museu Amparo, em Puebla, no México. A exposição buscou apresentar a perspectiva indígena da conquista do México pelos espanhóis, no contexto Mesoamericano, além das subjetividades e cosmovisões desses povos, ao trabalhar com cópias históricas e fac-símiles de códices coloniais, bem como mapas-pintura. Objetiva-se abordar as propostas da exposição, junto a alguns dos documentos mostrados, relacionando-as às propostas de descolonização epistêmica, que defendem a necessidade de se evidenciar, na contemporaneidade, os conhecimentos, cosmovisões e subjetividades sobrepujadas pelo conhecimento ocidental e a razão moderna/colonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nicole Palucci Marziale, Universidade de São Paulo

Cursando doutorado no Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo (PGEHA - USP), na linha de pesquisa Teoria e Crítica de Arte. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH - USP). Participou do Programa de Apoio à Investigação do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (MACBA) como residente de pesquisa no Centro de Estudos e Documentação (CEDOC) do Museu. Especialista em História da Arte pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Graduada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM -SP). Cursando graduação em Arte: História, Crítica e Curadoria na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

BARISONE. J. A. La conquista de México en la versión de Sahagún. Telar. Revista del Instituto Interdisciplinario de Estudios Latinoamericanos, Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Nacional de Tucumán, n. 6, p. 75-92, 2016.

BOONE, E. H. Introduction: Writing and Recording Knowledge. In: BOONE, E. H; MIGNOLO, W (Eds.). Writing without words. Alternative Literacies in Mesoamerica and the Andes. Durham and London: Duke University Press, 1994.

LEÓN-PORTILLA, Miguel. Bernardino De Sahagún. Pionero De La Antropología. Universidad Nacional Autónoma de México, Instituto de Investigaciones Históricas, El Colegio Nacional, 1999.

___ . El Tonamátl de los Pochtecas (Códice Fejérváry-Mayer). Revista Antropología Mexicana, edição especial, n. 18, fev. 2005.

___. Orígenes y desarrollo de Mesoamérica. In: WOBESER, Gisela von (coord.). História de México, México, Fondo de Cultura Económica/Secretaría de Educación Pública, p. 45-71, 2010.

LÓPEZ, P. G. Pueblos indígenas y decolonialidad. Sobre la colonización epistemológica occidental. Andamios. Revista de Investigación Social, Universidade Autônoma da Cidade do México, v. 10, n. 22, mai-ago, p. 305-331, 2013.

KERPEL, D. M. El Códice Florentino y la creación del Nuevo mundo. Revista Antropología Mexicana, edição especial, n. 90, fev. 2020.

___. Imágenes de la conquista de México en los códices del siglo XVI. Una lectura de su contenido simbólico. Anales del Instituto de Investigaciones Estéticas, n. 82, p. 5-45, 2003.

KERPEL, D. M.; DEBALL, M. C. In Tlilli in Tlapalli

Imágenes de la nueva tierra: identidad indígena después de la conquista. Museu Amparo, México, 2018.

MIGNOLO, W. D. Desobediência epistêmica:

a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de letras da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, n. 34, p. 287-324, 2008.

___. Histórias Locais, Projetos Globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

___. On the Colonization of Amerindian Languages and Memories: Renaissance Theories of Writing and the Discontinuity of the Classical Tradition. Comparative Studies in Society and History, v. 34, n. 2, p. 301-330, abr. 1992.

___. The Fictional Ontology of Nature: Classifying and Shattering the Whole Diversity of the Living. In: MIGNOLO, W.D; WALSH, C. E. On Decoloniality. Concepts, Analytics, Practices. Duke University Press: Durham and London, 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, p. 117-142, 2005.

SANTOS, E. N. Tempo, espaço e passado na mesoamérica. O calendário, a cosmografia e a cosmogonia nos códices e textos nahuas. São Paulo: Alameda, 2009.

SOTO, D. P. Nueva perspectiva filosófica en América Latina: el grupo Modernidad/Colonialidad. Revista Ciência Política, Universidade Nacional da Colômbia, Faculdade de Direito e Ciências Políticas e Sociais, Bogotá, n. 5, p. 8-35, jun. 2008.

SOUSTELLE, Jacques. A civilização asteca. Tradução de Maria Júlia Goldwasser. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Marziale, N. P. (2020). O projeto In Tlilli in Tlapalli - Imágenes de la nueva tierra como estratégia de descolonização epistêmica. Revista Do Colóquio, 1(19), 61–80. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/colartes/article/view/33411