Alteridade operacional da imagem:

acerca do anonimato no arte-ativismo hacker

Autores

  • Daniel Hora PPGA-UFES

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v1i21.30842

Palavras-chave:

estética e política, arte pós-digital, software livre e código aberto, apropriação e desvio, diferença tecnológica

Resumo

Neste ensaio, o anonimato será considerado como circunstância de problematização do arte-ativismo hacker. O foco de discussão será o tipo de alteridade implicada em táticas de renúncia ou revogação opostas à autoria exclusiva ou restritiva, em trabalhos artísticos vinculados com a contestação de diversos modos de opressão. Embora as duas opções sejam diretamente associadas a iniciativas de descentramento ou ocultação relativas à subjetividade, também propiciam um caráter agenciador e transubjetivo às propostas de artistas como Eva & Franco Mattes e Giselle Beiguelman, além de projetos como Art is Open Source e F.A.T Lab. A partir desses exemplos, comentamos aspectos da alteridade operacional e política que envolvem a realização, distribuição e usos das imagens e signos pós-digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Hora, PPGA-UFES

Professor adjunto do Departamento de Artes Visuais, Centro de Artes, da Universidade Federal do Espírito Santo. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Artes da UFES. É um dos líderes do grupo de pesquisa Fresta: imagens técnicas e dispositivos errantes. Membro do grupo de pesquisa AMBIENTE 33 - Espacialidades, Comunicação, Estética e Tecnologias. Bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado da Capes e pesquisador colaborador do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (2015-2017). Doutor em Arte Contemporânea
pela Universidade de Brasília. Pesquisador visitante no Departamento de Artes visuais da Universidade da Califórnia - San Diego, como bolsista do programa Capes-Fulbright de doutorado sanduíche nos EUA. Mestre em Arte pela Universidade de Brasília, especialista em Crítica de Arte pela Universidad Complutense de Madrid e bacharel em Comunicação Social (Jornalismo) pela Universidade de São Paulo. Vencedor do prêmio Rumos Itaú Cultural Arte Cibernética de 2009, na categoria de pesquisa acadêmica.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Profanations. New York: Zone Books, 2007.

CRITICAL ART ENSEMBLE. Electronic civil disobedience and other unpopular ideas. New York: Autonomedia, 1996.

CRITICAL ART ENSEMBLE. The electronic disturbance. New York: Autonomedia, 1994.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mille plateaux. Paris: Éditions de Minuit, 1980.

DOMINGUEZ, Ricardo et al. Geo_Poetic_Systems (GPS): Fragments, Fractals, Forms and Functions Against Invisibility. Trans-Scripts, Irvine, v. 3, p. 290–304, 2013. Disponível em: <http://sites.uci.edu/transscripts/files/2014/10/2013_03_20.pdf>. Acesso em: 7 maio 2020.

FOUCAULT, Michel. Qu'est-ce qu'un auteur? In:______. Dits et écrits 1954-1988: Vol I. 1954-1969. París: Gallimard, 1994. p. 789-820.

GALLOWAY, Alexander; THACKER, Eugene. The exploit: a theory of networks. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2007.

QUARANTA, Domenico; JUÁREZ, Geraldine (org.). The F.A.T. manual. Brescia: Link Editions, 2013.

RAUNIG, Gerald. Art and revolution: transversal activism in the long twentieth century, Cambridge: Semiotext(e), 2007.

WARK, McKenzie. A hacker manifesto. Cambridge: Harvard University Press, 2004.

Downloads

Publicado

2019-12-12

Como Citar

Hora, D. (2019). Alteridade operacional da imagem: : acerca do anonimato no arte-ativismo hacker. Revista Farol, 1(21), 44–50. https://doi.org/10.47456/rf.v1i21.30842

Edição

Seção

Seção Temática