Das ocupações secundaristas do estado de São Paulo (2015-2016) ao protagonismo juvenil: neoliberalismo, gestão-guerra e trabalho político

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v2i35.39228

Palavras-chave:

ocupações, neoliberalismo, trabalho político

Resumo

Este artigo busca analisar desde a eclosão da primeira onda de ocupações dos secundaristas de São Paulo em 2015 – em especial as estratégias e elaborações que o movimentou criou frente àquelas do Estado em articulação com outros atores sociais - até o seu fim, após a segunda onda do movimento em 2016, quando foi reabsorvido no e pelo discurso do protagonismo juvenil. Esta análise partiu da compreensão do movimento dos secundaristas como trabalho político e do reconhecimento dos saberes produzidos nele, o que permitiu traçar a maneira como as mudanças da função da escola pública em curso remetiam a uma mudança estrutural de gestão-empresarial, em um discurso compartilhado entre ONGs, acadêmicos, o Estado e órgãos internacionais desde o final da década de 1990 nos países latino-americanos. No entanto, a consolidação deste projeto apenas foi possível por meio de uma tática e estratégia de guerra ordinárias que remontam a uma experiência muito anterior de reprodução social (e suas formas de negação), como compreenderam os secundaristas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Carreiro Kohan, Universidade São Paulo (USP)

Departamento de psicologia da Universidade de São Paulo - USP

Referências

ARANTES, Paulo Eduardo. Sale boulot: uma janela sobre o mais colossal trabalho sujo da história: uma visão no laboratório francês do sofrimento social. Tempo Social, São Paulo, v. 23, n. ju 2011, p. 31-60, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ts/v23n1/v23n1a03.pdf >.

BARROS, Caetano Patta da Porciuncula e. Contestando a ordem: um estudo de caso com secundaristas da Zona Leste Paulistana. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. doi:10.11606/D.8.2017.tde-05042017-083348. Acesso em: 20 de Ago. de 2020.

CAMPOS, Antonia J. M.; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Marcio M. Escolas de luta. São Paulo: Veneta, 2016.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. 1. Ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEJOURS, Christophe. Trabalho Vivo: Sexualidade e Trabalho. Brasília: Paralelo 15, 2012.

DEJOURS, Christophe. Trabajo Vivo II: trabajo y emancipación. 1 ed. Buenos Aires: Topía Editorial, 2013.

HALBWACHS, Maurice. A memória Coletiva. São Paulo, Vértice/Revista dos Tribunais, 1990.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estudos CEBRAP [online]. n. 86, p. 93-103, 2010.

KERGOAT, Danièle. “Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo” em Dicionário crítico do feminismo. HIRATA, Helena et al. (Org.). São Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 67 – 75.

FEDERICI, Silva. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad: Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FREUD, Sigmund. Psicologia das massas e análise do Eu e outros textos (1920-1923). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MOLINER, Pascale. Psicodinâmica do trabalho e relações sociais de sexo: um itinerário interdisciplinar. 1988-2002. Production [online]. 2004, v. 14, n. 3, pp. 14-26, 2004.

NEGRI, Barjas et. al. (orgs.). Educação Básica no Estado de São Paulo: avanços e desafios São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.seade.gov.br/wp-content/uploads/2014/12/livro_fde_fseade_educacao_basica.pdf >.

RUBIN, Gayle. O Tráfico de mulheres. Em “Políticas do sexo”. Trad: Jamille Pinheiros Dias. São Paulo: Ubu Editora, 2017, p. 9 – 61.

SOUZA, Regina Magalhães de. O discurso do protagonismo juvenil. 2006. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

ANDRÉ CARREIRO KOHAN. Das ocupações secundaristas do estado de São Paulo (2015-2016) ao protagonismo juvenil: neoliberalismo, gestão-guerra e trabalho político. Geografares, Vitória, Brasil, v. 2, n. 35, p. 252–276, 2022. DOI: 10.47456/geo.v2i35.39228. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/39228. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Territórios urbanos e estratégias do neoliberalismo