Micromobilidade urbana e atuação de agentes financeiros: o caso da empresa Tembici (Banco Itaú) na cidade de São Paulo, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v3i37.41501

Palavras-chave:

mobilidade urbana, financeirização, Banco Itaú, São Paulo, Brasil

Resumo

O processo de financeirização associado às tecnologias da informação tem impulsionado o avanço mercadológico nos diferentes setores da sociedade. A mobilidade urbana é um dos setores citadinos que mais tem sido impactado. Este trabalho objetiva discutir o conceito de micromobilidade urbana e o papel das instituições financeiras atuantes nesse setor na cidade de São Paulo (SP), com especial ênfase no caso da empresa Tembici (do Banco Itaú). A metodologia adotada neste estudo inclui revisão bibliográfica de produções científicas nacionais e internacionais, dados primários e secundários, qualitativos e quantitativos, obtidos através de trabalho de campo e relatórios. Buscamos interpretar os impactos territoriais das plataformas digitais discutidas, examinando diferentes usos do território e analisando a forma como essa empresa se insere no processo de expansão dos serviços de mobilidade. Os resultados revelam como o espaço urbano, impulsionado pelo uso da tecnologia por entidades financeiras, torna-se mercado lucrativo, afetando diretamente a mobilidade urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Di Genova Barberio, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) - Campus de Rio Claro

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP - Campus de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Fernando Guilherme Silveira Manocchio, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - Campus Rio Claro

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP - Campus de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Fabrício Gallo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - Campus Rio Claro

Professor Associado do DGPA - Departamento de Geografia e Planejamento Ambiental na UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Rio Claro.

Referências

ALESSI, G. Jornada maior que 24 horas e um salário menor que o mínimo, a vida dos ciclistas de aplicativo em SP. Jornal El País, 2019, n.p. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/08/06/politica/1565115205_330204.html. Acesso em: 31 maio. 2023.

ALIANÇA BIKE - Associação Brasileira do Setor de Bicicletas. Pesquisa de Perfil dos Entregadores Ciclistas de Aplicativo. São Paulo [s.n.], 2019. Disponível em: https://aliancabike.org.br/wp-content/uploads/2020/04/relatorio_s2.pdf. Acesso em 31 maio. 2023.

ANDREA, C. O. Estatuto da Cidade e os Planejamentos de Transporte e de Circulação. Dissertação (Mestrado). Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

BERGMAN, L.; RABI, N. I. A. Mobilidade e política urbana: subsídios para uma gestão integrada. Rio de Janeiro: IBAM; Ministério das Cidades, 2005.

BIKE ITAÚ. Aluguel de bicicleta em São Paulo. Disponível em: https://bikeitau.com.br/sao-paulo/. Acesso em 07 jun. 2023.

BLANCO, J.; BOSOER, L. Movilidad y segregación socioespacial: el caso de las trabajadoras del servicio doméstico en la región metropolitana de buenos aires (RMBA). In. LOPEZ, S. G.; THEIS, I. V(Org). Iberoámerica ante los nuevos retos de la geopolítica mundial: territórios en disputa, resistências y organización, de la esperanza a escala urbana y regional. Florianópolis: Nave editora, 2022, p. 200-222.

BRIGATTO, G. Tembici, das bicicletas do Itaú, recebe aporte de R$ 47 milhões. Valor Econômico, 2020. Disponível em: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/06/03/tembici-das-bicicletas-do-ita-recebe-aporte-de-r-us-47-milhes.ghtml. Acesso em 22 mar. 2023.

CARLOS, A. F. A.; VOLOCHKO, D.; ALVAREZ, I. P. (orgs.). A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015.

CARVALHO, C. H. R. Desafios da mobilidade urbana. Texto para discussão IPEA. Brasília: Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6664/1/td_2198.pdf. Acesso em 14 de jul. 2023.

CONTEL, F, B. Território e finanças: técnicas, normas e topologias bancárias no Brasil. Tese (Doutorado) - Curso de Geografia, Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

CRUZ, M. F.; FONSECA, F. C. P. Vetores em contradição: planejamento da mobilidade urbana, uso do solo e dinâmicas do capitalismo contemporâneo. Cad. Metrop., São Paulo, v. 20, n. 42, pp. 553-576, maio/ago 2018.

ESTEVES, A. A.; PHINTENER, M. Proletários ao pedal: entregadores na bicicleta e no triciclo em estabelecimentos comerciais e em plataformas digitais. A Terra É Redonda, São Paulo, v. [s.n.], n. [s.n.], 2023. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/proletarios-ao-pedal/. Acesso em 07 jun. 2023.

FAUSTINO, R. B.; PRONI, M. W. Avanços e limites da política de desenvolvimento urbano no Brasil (2001-2014). Planejamento e Políticas Públicas, v. 46, p. 181-215, 2016.

FIX, M. A. “fórmula mágica” da parceria público-privada - Operações Urbanas em São Paulo. Cadernos de Urbanismo. Rio de Janeiro, ano 1, n. 3, 2000.

FIX, M. Uma ponte para a especulação: a arte da renda na montagem de uma “cidade global”. Caderno CRH (UFBA), v. 22, p. 41-64, 2009.

GUERRA, G. Tembici renova contrato com Itaú e bicicletas vão continuar ‘laranjinhas’. Estadão, 2022. Disponível em: https://www.estadao.com.br/link/inovacao/tembici-renova-contrato-com-itau-e-bicicletas-vao-continuar-laranjinhas/. Acesso em 22 mar. 2023.

GUTIÉRREZ, A. ¿Qué es la movilidad? Elementos para (re)construir las definiciones básicas del campo del transporte. Bitácora. Bogotá: UNC, 2012.

ITDP. Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, 2023. Disponível em: https://itdpbrasil.org/. Acesso em 15 jun. 2023.

KLINK, J.; SOUZA, M. B. Financeirização: conceitos, experiências e a relevância para o campo do planejamento urbano brasileiro. Cad. Metrop., São Paulo, v. 19, n. 39, p. 379-406, maio/ago, 2017.

LERNER, J. Mobilidade sustentável para um Brasil competitivo. Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano – Coletânea de artigos. Brasília, 2013.

MACHADO, L.; PICCININI, L. S. Os desafios para a efetividade da implementação dos planos de mobilidade urbana: uma revisão sistemática. Urbe - Rev. Bras. Gest. Urbana, 10 (1), 2018.

MANOCCHIO, F. G. S.; BARBERIO, L. G.; GALLO, F. Estacionamentos rotativos, expansão dos serviços financeiros e fintechs: ação da empresa Estapar e novos usos do território. GeoTextos, vol. 17, n. 2, p. 65-88, dezembro, 2021.

MARQUES, D. R. Planejamento de transportes como princípio fundamental do planejamento urbano. Trabalho de conclusão de curso (Graduação). Curso de Engenharia Civil, UniCEUB - Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2014.

MARTENDAL, H. R. Sistemas de transportes inteligentes e sua relação com a mobilidade urbana sustentável: proposta de framework para cidades brasileiras. 2023. 135 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes e Gestão Territorial, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2023.

MEDEIROS, H. Tembici recebe aporte de U$47 milhões e investirá em bikes elétricas. Mobiletime, 2020. Disponível em : https://www.mobiletime.com.br/noticias/03/06/2020/tembici-recebe-aporte-de-us-47-milhoes-e-investira-em-bikes-eletricas/. Acesso em 15 jun. 2023.

MENDES, F. B. Praças de estacionamento como estratégia para melhoria no trasito de áreas centrais. Dissertação (Mestrado). Curso de Engenharia Civil, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.

MESTRE, A. P. Os usos do território e as políticas urbanas: O jardim campo belo no processo de fragmentação da cidade de Campinas. Dissertação (Mestrado). Departamento de Geografia do Instituto de Geociências, Universidade de Capinas, Campinas, 2009.

NETO, V. C. L.; GALINDO, E. P. Planos de Mobilidade Urbana: Instrumento efetivo da política pública de mobilidade urbana? Texto para discussão IPEA. Brasília: Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5274/1/td_2115.pdf. Acesso em 14 de jul. 2023.

NOBRE, E. A. C. A atuação do poder público na construção da Cidade de São Paulo: a influência do rodoviarismo no urbanismo paulistano. In: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, 11, 2010, Vitória. Anais... XI Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Vitória: UFES, 2010. p. 1-15.

OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES. Mapa da motorização individual no Brasil – Relatório 2019. Rio de Janeiro: Observatório das Metrópoles, 2019. Disponível em: https://www.observatoriodasmetropoles.net.br/wp-content/uploads/2019/09/mapa_moto2019v2.pdf. Acesso em 07 jun. 2023.

OLIVEIRA, M. C. S.; SANTOS, T. C. S.; ROCHA, W. S. Os entregadores das plataformas digitais: controvérsias judiciais, autonomia, dependência e controle. Direito. UnB – Revista de Direito da Universidade de Brasília, v. 4, n. 2, p. 63-84, 2020.

QUARESMA, M.; FONSECA, B.; BURLAMAQUI, M. Jornadas futuras para a mobilidade urbana em cidades inteligentes. In: 18º ERGODESIGN & USIHC, 2022, Campinas Grande. Anais... Campina Grande, 2022, p. 1-14.

SANCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Arcos, 2003.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2002.

SANTOS, M. Da Totalidade ao Lugar. São Paulo: EDUSP, 2005.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à razão universal. 6ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Record, Rio de Janeiro, 2001.

SILVA, A. Mobilidade urbana e equidade social: possibilidades a partir das recentes políticas de transporte público na Metrópole do Rio de Janeiro. Revista de Geografia e Ordenamento do Território (GOT), n.º 10, 2016.

TEMBICI. Termos de Uso, 2023. Disponível em: https://tembicihelp.zendesk.com/hc/pt-br/articles/4419807266452-Termos-de-uso. Acesso 15 jun. 2023.

TOZI, F.; DUARTE, L. R.; CASTANHEIRA, G. R. Trabalho precário, espaço precário: as plataformas digitais de transporte e os circuitos da economia urbana no Brasil. Ar@cne, Vol. XXV, n. 252, p. 2-19, mar. de 2021.

VASCONCELLOS, E. A. de C.; PEREIRA, C. H. R. de; MORAES, R. H. Transporte e mobilidade urbana. Brasília: Textos para discussão Cepal-Ipea, n. 34, 2011. Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/1373. Acesso em 14 jul. 2023.

Publicado

01-12-2023

Como Citar

LEANDRO DI GENOVA BARBERIO; FERNANDO GUILHERME SILVEIRA MANOCCHIO; FABRÍCIO GALLO. Micromobilidade urbana e atuação de agentes financeiros: o caso da empresa Tembici (Banco Itaú) na cidade de São Paulo, Brasil. Geografares, Vitória, Brasil, v. 3, n. 37, p. 283–306, 2023. DOI: 10.47456/geo.v3i37.41501. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/41501. Acesso em: 13 jun. 2024.