PENSAMENTO DECOLONIAL E INCLUSÃO SUBALTERNA

A EDUCAÇÃO E O ENSEJO DA TRANSFORMAÇÃO

Autores

  • Kelvin Oliveira do Prado Mestrando - PPGLITCULT - UFBA

Palavras-chave:

Pensamento Decolonial, Pedagogia Decolonial, Educação Histórica

Resumo

Este artigo tem por objetivo uma revisão bibliográfica centrada no pensamento e na pedagogia decolonial. Nesse sentido, terá como base autores que trazem contribuições contra-hegemônicas, no que poderia ser denominado de uma “contra-história”, um contradiscurso epistemológico, quebrando narrativas estruturadas na exclusão de saberes e sujeitos, ao condená-los ao silenciamento. Portanto, objetivando uma visão por meio de multiperspectivas, para além da uma “histórica única”, a reflexão pretende encarar os debates insurgentes nesse cenário. Através disso, procura-se suporte discursivo em produções insurgentes, interligando-os aos estudos e pedagogias anticoloniais e de natureza crítica, buscando compreender como poderá ser formada uma “contraconsciência” descolonizada. Portanto, almeja-se a exploração de moldes que possibilitem a criação de uma filosofia pedagógica de inclusão dos subalternizados e de suas narrativas, são insurgências que devem buscar a tomada de consciência de “si” e do “outro”, além das especificidades que os compõem. Dessa maneira, é atribuído um papel importante na formação professoral e ao meio acadêmico, estruturado nas relações dominantes, também o sendo nas práticas pedagógicas e curriculares. Em suma, observa-se que a formação da contraconsciência envolverá parâmetros coletivos e institucionais, nessa perspectiva, estruturais, já que ser protagonista da própria existência é um desafio, no qual a prática coletiva que pode fornecer instrumentos de mudança efetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelvin Oliveira do Prado, Mestrando - PPGLITCULT - UFBA

Mestrando - PPGLITCULT, UFBA

Referências

ABRÃO, Janete. Pesquisa & História. Ed: EdiPUCRS, 2007.

ABUD, K. M. Processos de construção do saber histórico escolar. História & Ensino. Londrina, v. 11, jul. 2005.

APPLE, M. Ideologia e Currículo. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BARCA, I. Ideias chave para a educação histórica: uma busca de (inter)identidades. Hist. R., Goiânia, v. 17, n. 1, p. 37-51, Jan/jun. 2012.

BAUMAN, Z. A cultura no mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 2013.

BOURDIEU, P. e PASSERON, J. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. 1ª Ed. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1978.

DECCA, E. S. 1930 O silêncio dos vencidos. São Paulo: Brasiliense, 1981.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIROUX, H. A escola crítica e a política cultural. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1987.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere, volume 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 janeiro/abril 2016.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

LINHARES, M. Y. O Oriente Médio e o mundo árabe. 3. ed. Brasiliense, 1992.

LYOTARD, J. A condição pós-moderna. 12º ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

MCLAREN, P. Multiculturalismo crítico. 3. ed, São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 1997.

MCLAREN, P. Multiculturalismo revolucionário: pedagogia do dissenso para o novo milênio. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

ROCHA, E. O que é etnocentrismo? São Paulo: Brasiliense, 1984.

SAID, E. W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SEMPRINI, A. Multiculturalismo. São Paulo: Edusc, 1999.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? 1. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

WALSH, C. Interculturalidad, descolonización del Estado y del conocimiento. Catherine Walsh: García Linera: Walter Mignolo - In ed. Buenos Aires: Del Signo. 2006.

Downloads

Publicado

2021-10-04