DIALOGISMO E INTERAÇÃO EM SALA DE AULA DE INGLÊS COM ESTUDANTES VISUAIS (SURDOS) E OUVINTES

Autores

Resumo

No presente artigo apresentamos e discutimos alguns enunciados produzidos por participantes visuais (surdos) e ouvintes em uma sala de aula de inglês como língua estrangeira numa universidade brasileira. Para tanto, levamos em consideração a concepção dialógica da linguagem, de acordo com as contribuições teóricas de Bakhtin e do Círculo (1929, 1953), a proposição de gêneros discursivos como megainstrumento de Schneuwly (1994), e a noção de sujeito visual conforme propõe Duarte (2016). Neste recorte, discutimos a construção de enunciados da esfera escrita nas línguas inglesa e portuguesa pelos participantes do curso e, também, os trazidos pela professora em slides para apresentação do conteúdo de ensino. Além disso, discutimos o uso da Língua Brasileira de Sinais para o ensino de inglês como língua estrangeira. A análise nos informa que os enunciados orais e escritos produzidos pelos participantes se constituíram, em sua materialidade, por línguas em contato, demonstrando que a aprendizagem de uma língua estrangeira é tecida nos fios dialógicos dos discursos. Esta pesquisa está vinculada ao Grupo de Pesquisa Relendo Bakhtin- REBAK/PPGEL/UFMT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia de Moura Gonçalves-Penna, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutoranda no Programa de Estudos de Linguagem, PPGEL, da Universidade Federal de Mato Grosso. Área de Concentração: Estudos de Linguagem. Membro do Grupo de Pesquisa Relendo Bakhtin - REBAK

Simone de Jesus Padilha, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Linguística Aplicada pela PUC - SP

Professora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem, PPGEL, UFMT

Líder do Grupo de Pesquisa Relendo Bakhtin, Rebak

Downloads

Publicado

2018-09-19

Como Citar

GONÇALVES-PENNA, M. de M.; PADILHA, S. de J. DIALOGISMO E INTERAÇÃO EM SALA DE AULA DE INGLÊS COM ESTUDANTES VISUAIS (SURDOS) E OUVINTES. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 8, n. 19, p. 124–137, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/20247. Acesso em: 16 maio. 2022.