A tensão da Fatalidade:um estudo semiótico da relação entre o homem e a morte na narrativa de Guimarães Rosa

Autores

  • Letícia Moraes Lima DL-FFLCH-USP

Resumo

Neste trabalho, investigaremos como a morte, considerada um momento limítrofe para a existência humana, é configurada na narrativa Fatalidade, presente no volume de Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa. Utilizamos a semiótica discursiva, uma teoria e metodologia erigida na década de 1960 por Greimas e outros semioticistas mais contemporâneos, tais como Claude Zilberberg, quem desenvolve os conceitos de intensidade e extensidade. Esses funtivos se mostraram úteis para a compreensão de como os atores se relacionam com a noção de fatalidade. Notamos que, no curto espaço de tempo em que os atores se relacionavam com a espera da morte, a extensidade e a intensidade se faziam presentes; a morte, enquanto objeto, mantém relações com o estado de alma dos atores.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

MORAES LIMA, L. A tensão da Fatalidade:um estudo semiótico da relação entre o homem e a morte na narrativa de Guimarães Rosa. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 10, n. 24, p. 112–125, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/28962. Acesso em: 9 dez. 2021.