OS SABERES QUE CONSTROEM A IDENTIDADE QUILOMBOLA NA MÍDIA:UMA ANÁLISE ARQUEOGENEALÓGICA DO DISCURSO

Autores

  • Claudemir Sousa Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Resumo

Este artigo discute os saberes que constroem identidades para o sujeito quilombola na mídia. Para tanto, recorremos a diferentes enunciados, produzidos por distintos sujeitos, quais sejam: três enunciados do jornal O Estado do Maranhão; três vídeos hospedados na plataforma digital YouTube; e três excertos de entrevista com moradores de três comunidades quilombolas do Maranhão. O aporte teórico-metodológico é a análise do discurso, centrada na arqueogenealogia do discurso, de Michel Foucault, que compreende a genealogia como uma instância em que se confrontam o saber erudito (aquele que goza de reconhecimento e status científico) e o saber dominado (considerado como um saber menor diante da pretensão de verdade e cientificidade do saber erudito) e a arqueologia como um método de análise das discursividades locais (FOUCAULT, 2013). Concluímos que o saber jornalístico presente na mídia impressa que analisamos ancora-se em saberes científicos, como o da historiografia, da antropologia, da sociologia e da lei para falar sobre o quilombola, mas não no saber dominado dos habitantes de comunidades quilombolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

SOUSA, C. OS SABERES QUE CONSTROEM A IDENTIDADE QUILOMBOLA NA MÍDIA:UMA ANÁLISE ARQUEOGENEALÓGICA DO DISCURSO. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 10, n. 24, p. 148–166, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/28999. Acesso em: 9 dez. 2021.