PRÁXIS ENUNCIATIVA E PRÁTICA INTERPRETATIVA EM VIDEOGAMES

Autores

  • Mário Sérgio Teodoro da Silva Junior UNESP

DOI:

https://doi.org/10.47456/pl.v11i28.35177

Resumo

No presente artigo, nos propomos a apresentar uma abordagem analítica de videogames contemporâneos que leve em conta sua dimensão prática, compreendendo-os como objetos de linguagem posta em uso enquanto práxis enunciativa. Por ser uma mídia interativa, o videogame implica a atitude responsiva do jogador, instaurando ainda uma práxis interpretativa, localizada em uma estrutura prática complexa, que parte da enunciação e da destinação de tarefas a serem cumpridas, o seu cumprimento e a avaliação da performance, de maneira recursiva e indefinida, tendo em vista o percurso de treinamento do jogador e a oferta de segundas chances. Para apresentar essa estrutura, recorremos à semiótica discursiva nos desdobramentos propostos por Jacques Fontanille, autor expoente da área que trata das interface da teoria com a antropologia, a sociologia e a fenomenologia a fim de contribuir para um semiótica da cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-08-29

Como Citar

TEODORO DA SILVA JUNIOR, M. S. PRÁXIS ENUNCIATIVA E PRÁTICA INTERPRETATIVA EM VIDEOGAMES. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 11, n. 28, p. 109–127, 2021. DOI: 10.47456/pl.v11i28.35177. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/35177. Acesso em: 28 nov. 2021.