Cosmopolitismos Como Discurso Colonial E Tradução Literária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/pl.v11i28.36012

Palavras-chave:

Tradução e cosmopolitismo, Tradução literária e o nacional-popular, Tradução literária e imperialismo estadunidense

Resumo

Apresenta-se a hipótese de que o cosmopolitismo opera como potência do discurso regulador da exploração na divisão internacional do trabalho, em que o nacionalismo - proscrito pelo argumento cosmopolitista - tem sido historicamente praticado,  de díspares formas, pelos países centrais, com destaque para os Estados Unidos em seu projeto imperialista. A relação da literatura e da tradução literária com os processos transnacionais editoriais face ao cosmopolitismo contemporâneo convoca a análise das determinações dele resultantes, entre as quais, a manutenção  dos povos periféricos como corrente auxiliar do circuito multinacional, produzindo a balcanização do conhecimento periférico, ao mesmo tempo que se incute no imaginário desses países dependentes a ilusão da totalidade. Busca-se subsidiar essa hipótese recorrendo-se (1) ao mito do herói Cú-Cullain na literatura traduzida para o irlandês como epítome da construção de um ethos nacionalista anticolonial; (2) ao trabalho da tradutora Else Vieira para assinalar a preponderância da prática tradutória em projetos de afirmação nacional e (3) à discussão de viés cosmopolitista sobre a consagração mundial de Roberto Bolaño como um dos latinoamericanos mais traduzidos no contemporâneo. A perspectiva nacional-popular é apresentada como resposta ao cosmopolitismo, como via para um nacionalismo não burguês, não xenofóbico, não anti-internacionalista, que dê consequência às condições objetivas históricas que nos constituem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junia Mattos Zaidan, UFES

Professora adjunta de língua inglesa do Departamento de Línguas e Letras/CCHN/UFES. Doutora em Linguística (Unicamp),  e mestre em LInguística Aplicada (UFF).

Downloads

Publicado

29-08-2021

Como Citar

ZAIDAN, Junia Mattos. Cosmopolitismos Como Discurso Colonial E Tradução Literária. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 11, n. 28, p. 184–206, 2021. DOI: 10.47456/pl.v11i28.36012. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/36012. Acesso em: 13 abr. 2024.