ENUNCIADO: UM CONTRAPONTO ENTRE OS CONCEITOS DE BENVENISTE E BAKHTIN

Autores

  • Verônica Franciele Seidel Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

Este estudo se propõe a discorrer sobre os conceitos de enunciado elaborados por Émile Benveniste e Mikhail Bakhtin, a fim de elencar diferenças e aproximações e de analisar se seria possível, tendo em vista o conceito de enunciado bakhtiniano, a classificação de enunciados em tipos, como faz Benveniste. A hipótese inicial, de que tal classificação, levando-se em conta os aspectos da linguagem dos quais se ocupa o Círculo de Bakhtin e o próprio conceito de língua elaborado por este, não se faz pertinente foi confirmada a partir da análise do corpus deste estudo, formado por tirinhas do cartunista Mauricio de Souza. Enquanto que, para Benveniste, o fato de os enunciados serem caracterizados como atos e, por isso, únicos é algo que só se aplica aos enunciados classificados pelo teórico como performativos; para Bakhtin, uma vez que todo enunciado tem a característica de unicidade e, por conseguinte, de singularidade, não é possível conceber um enunciado que seja repetível. Logo, para o pensador russo, qualquer enunciado é um ato e, portanto, refere-se a uma realidade que ele mesmo constitui.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verônica Franciele Seidel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Mestranda em Letras, na área de estudos da linguagem, com ênfase em teorias do texto e do discurso, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Downloads

Publicado

2015-07-27

Como Citar

SEIDEL, V. F. ENUNCIADO: UM CONTRAPONTO ENTRE OS CONCEITOS DE BENVENISTE E BAKHTIN. PERcursos Linguísticos, [S. l.], v. 5, n. 10, p. 34–53, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/8155. Acesso em: 8 dez. 2021.