Organização das ações de campanha de vacinação antirrábica em Colatina, Espírito Santo: relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/rbps.v24i2.36728

Palavras-chave:

Campanha de vacinação, Raiva, Cães

Resumo

Introdução: A campanha de vacinação antirrábica é parte do programa nacional de profilaxia da raiva e possibilitou a redução da incidência da raiva humana por meio da eliminação do ciclo urbano de transmissão. Nos últimos anos a transmissão por morcegos e animais silvestres tem adquirido importância epidemiológica e a redução das taxas de cobertura de vacinação de cães pode acarretar o recrudescimento do ciclo urbano de transmissão. Relato de experiência: Relata a experiência da organização das atividades da campanha de vacinação antirrábica no município de Colatina no ano de 2020. Realizou-se o planejamento das ações compreendendo o ambiente institucional e elaborando formulários de monitoramento de procedimentos que possibilitaram a criação de indicadores. Comparativamente ao ano de 2018 verificou-se, no ano de 2020, o aumento da cobertura de vacinação em 57% na área rural do município e a redução no perímetro urbano (-17%). Conclusão: Os indicadores elaborados permitem o acompanhamento e planejamento das atividades para os anos posteriores. Recomenda-se traçar estratégias que possibilitem maior adesão à vacinação animal na área urbana do município e que as atividades das campanhas de vacinação antirrábica sejam realizadas entre os meses de junho e setembro, pois são meses de maior probabilidade de clima seco, o que favorece o encaminhamento da totalidade de animais vacinados ao Programa Nacional de Imunização em tempo hábil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Schneider MC, Almeida GA, Souza LM, Moraes NB, Diaz RC. Controle da raiva no Brasil de 1980 a 1990. Rev. Saúde Pública. 1996;30(2):196-203. [acesso em: 3 set. 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rsp/a/ J77pSwXPjqghfDyNKvXqR7f/?lang=pt.

Wada MY, Rocha SM, Maia-Elkhoury AN. Situação da raiva no Brasil, 2000 a 2009. Epidemiol. Serv. Saúde. 2011;20(4):509-18.

Vargas A, Romano AP, Merchán-Hamann E. Raiva humana no Brasil: estudo descritivo, 2000-2017. Epidemiol. Serv. Saúde. 2019;28(2):e2018275.

Corrêa MA. Raiva humana: mudanças no esquema de profilaxia pós-exposição. Informe epidemiológico. Imuniza ES. Espírito Santo: Coordenação de Imunização e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis; 2017. Ano 1; nº 2; Secretaria Estadual de Saúde do Espírito Santo.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [internet]. IBGE cidades e estados 2017 [acesso em: 3 set. 2021]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/ colatina/panorama.

Espírito Santo. Ofício nº 149 NEVE/GEVS/SESA de 6 de julho de 2020. Acompanhamento de pacientes em tratamento para raiva humana e campanha antirrábica animal do ano de 2020.

G1. Vacina contra raiva para cães e gatos está em falta no ES [internet]. Espírito Santo: G1 [atualizado em: 4 dez. 2019; acesso em: 3 set. 2021]. Disponível em: https:// g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2019/12/04/ vacina-contra-raiva-para-caes-e-gatos-esta-em-falta-no-es. ghtml.

Slack N, Brandon-Jones A, Johnston R. Administração da produção. 8. ed. Capítulo 19. Gestão de projetos. São Paulo: Atlas; 2018. p. 727-67.

DATASUS [internet]. Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). [acesso em: 3 set. 2021]. Disponível em: http://pni.datasus.gov.br/.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de normas e procedimentos para vacinação. Brasília: Ministério da Saúde; 2014 [acesso em: 3 jun. 2021]. Disponível: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_ procedimentos_vacinacao.pdf.

Albas A, Nogueira RM, Fontolan OL, Albas KS, Neto HB. Efeito do congelamento sobre a imunogenicidade da vacina contra raiva produzida em tecido cerebral de camundongo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2001;34(1):49- 52.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Ofício circular nº 66/2020/SVS/MS de 23 de março de 2020. Trata-se de recomendações do Ministério da Saúde para realização das campanhas de vacinação antirrábica canina; [acesso em 03 jun. 2021]. Disponível em: https://www.colatina.es.gov. br/colatina/.https://www.gov.br/saude/pt-br/coronavirus/ publicacoes-tecnicas/recomendacoes/recomendacoes-para-realizacao-das-campanhas-de-vacinacao-antirrabica-canina.

Prefeitura Municipal de Colatina [internet]. A cidade. Mapas da cidade. Perímetro urbano. Zona urbana - divisão regional. Colatina: Prefeitura Municipal de Colatina; 2021 [acesso em: 3 set. 2021]. Disponível em: https://www. colatina.es.gov.br/colatina/.

Rodrigues RC, von Zuben AP, Luccaa T, Reichmann ML. Campanhas de vacinação antirrábica em cães e gatos e positividade para raiva em morcegos, no período de 2004 a 2014, em Campinas, São Paulo. Epidemiol. Serv. Saúde. 2017;26(3):621-28 [acesso em: 3 jun. 2021]. Disponível: https://www.scielo.br/j/ress/a/5R9PX5zds9KQjwS88KjsH Fm/?format=pdf&lang=pt.

Fernandes KG, Martins M, Amaral BP, Cargnelutti JF, Weiblen R, Flores EF. Antibodies against rabies virus in dogs with and without history of vaccination in Santa Maria, RS, Brazil. Ciên. Rural. 2017;47(11) [acesso em: 3 jun. 2021]. Disponível: https://www.scielo.br/j/cr/a/ d8z6FBH6yLtR9HgjjQGGB6K/?format=pdf.

Rigo L, Honer MR. Titulação de anticorpos contra o vírus da raiva em cães, em Campo Grande, MS, na Campanha Antirrábica de 2003. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2006;39(6):553-5. [acesso em: 3 jun. 2021]. Disponível: https://www.scielo.br/j/rsbmt/a/ YywKQHwByhbGTVVf8yrHkVC/?format=pdf&lang=pt.

Trujillo-Rojas LM, Martínez-Gutierrez M, Ruiz- Saenz J. Low level of the immune response against rabies virus in dogs and cats, a cross-sectional study in sheltered animals, Santander, Colombia. Pesq. Vet. Bras. 2018;38(11):2109-16. [acesso em: 3 jun. 2021]. Disponível: https://www.scielo.br/j/pvb/a/ KLDNWqfp5CywDBD9wFRqZXv/?format=pdf.

Espírito Santo. Secretaria de Estado do Planejamento. Zonas naturais do Espírito Santo: uma regionalização do Estado, das microrregiões e dos municípios. Vitória: Secretaria de Estado do Planejamento; 1999 [acesso em: 3 jun. 2021]. Disponível: http://www. ijsn.es.gov.br/ConteudoDigital/20121211_es01655_ zonasnaturaisdoespiritosanto.pdf.

Arquivos adicionais

Publicado

06.03.2023

Como Citar

1.
de Paula Júnior RA, Meneguelli Fialho T. Organização das ações de campanha de vacinação antirrábica em Colatina, Espírito Santo: relato de experiência. RBPS [Internet]. 6º de março de 2023 [citado 13º de julho de 2024];24(2):118-24. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/rbps/article/view/36728

Edição

Seção

Relatos de Experiência