ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: A INDISSOCIABILIDADE ENTRE FORMAÇÃO E TRABALHO PROFISSIONAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2020v20n39p225-240

Resumo

Componente central no processo de formação profissional o estágio supervisionado em Serviço Social élócus privilegiado da relação teoria e prática. Compreender essa relação requer analisar o significado sócio histórico da profissão na sociedade capitalista. No contexto contemporâneo a reestruturação do Estado e suas respostas às expressões da questão social impactam diretamente o trabalho do assistente social e consequentemente o estágio supervisionado. Este artigo discute o estágio supervisionado considerando a indissociabilidade entre trabalho e formação profissional. Entende o desenvolvimento da capacitação teórico-metodológica, ético-política e técnico-operativa presente nas Diretrizes Curriculares da ABEPSS como necessárias para o exercício profissional. A revisão de literatura permite afirmar que a articulação dessas dimensões no cotidiano da formação e do trabalho do assistente social coaduna com a direção expressa no projeto ético-político da profissão e é forma de resistência e luta nos tempos atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Freitas Ferri, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Assistente Social e Mestre em Política Social pela UFES. Doutoranda do Programa de Pós Gradiuação em Serviço Social da UFRJ. Professsora do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri situado à Rua do Cruzeiro, nº 01 - Jardim São Paulo - Teófilo Otoni -MG. Telefone: (33) 3529-2700. Email: monicafreit@gmail.com

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL (ABEPSS). Lei de Diretrizes Curriculares. Diretrizes gerais para o curso de Serviço Social. (Com base no currículo mínimo aprovado em Assembleia Geral Extraordinária de 08 de novembro de 1996). Rio de Janeiro: ABEPSS, 1996.

______. Política Nacional de Estágio da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social – Abepss. Brasília, 2010.

BEHRING, Elaine. A política social no capitalismo tardio. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BRAZ, M. Mudanças no perfil das lutas de classes e modismos conceituais e tormento de Sísifo das ciências sociais. In: BRAVO, M. I. S; MENEZES, J. S. B. de. (Orgs.). Saúde, serviço social, movimentos sociais e conselhos: desafios atuais. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

DRAIBE, S. M. As políticas sociais e o neoliberalismo. In: Revista USP (Dossiê Liberalismo/Neoliberalismo). São Paulo, n. 17, mar/abr/mai, 1993, p. 96-101.

DURIGUETTO, M. L. Sociedade civil e democracia: um debate necessário. São Paulo: Cortez, 2007.

FORTI, V.; COELHO, M. Contribuição à crítica do projeto-político do serviço social: considerações sobre fundamentos e cotidiano institucional. In: _____; GUERRA, Y. A. D. (Orgs.). Projeto ético do serviço social: contribuições à sua crítica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015, p. 39-70.

GUERRA. Y. A. D. Expressões do pragmatismo no Serviço Social: reflexões preliminares. R. Katál., Florianópolis, v. 16, n. esp., p. 39-49, 2013.

_______. O estágio supervisionado como espaço de síntese da unidade dialética entre teoria e prática: o perfil do profissional em disputa. In: SANTOS, C. M. dos., LEWGOY, A. M. B., ABREU, M. H. E. (Orgs.). FORTI, V., GUERRA, Y. (Coord. da série). A supervisão de estágio em Serviço Social: aprendizados, processos e desafios. Coletânea nova de serviço social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016, p. 101-124.

_______. Sobre a possibilidade histórica do projeto ético político profissional: a apreciação crítica que se faz necessária. In: FORTI, Valéria L.; GUERRA, Yolanda A. D. (Orgs.). Projeto ético do serviço social: contribuições à sua crítica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015, p. 39-70.

HARVEY, D. A Condição Pós-Moderna. 20 ed. São Paulo: Loyola, 2010.

IAMAMOTO, M. V. 80 anos do Serviço Social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 128, p. 13-38, jan./abr. 2017.

_____. O Serviço Social no Processo de Reprodução das Relações Sociais. In. ______; CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2001, 71-12

_______. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

MARX, Karl. Capítulo VI inédito do Capital: resultados do processo de produção imediata. São Paulo: Centauro, 2004.

MONTAÑO C. DURIGUETTO, M. L. Estado, Classe e Movimento Social. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

NETTO, J. P. A construção do projeto ético-político do Serviço Social. In ABEPSS, CFESS. Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 1. Brasília, CEAD, 1999, p. 93-110.

______. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. 8. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

_____. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 12. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2008.

_____. Notas sobre a reestruturação do Estado e a emergência de novas formas de participação da sociedade civil. In: BOSCHETTI, I. CÉSAR, M. A. CARVALHO, D. B. B. de. (Orgs.). Política Social: alternativas ao neoliberalismo. Brasília: UNB, Programa de Pós-graduação em Política Social, Departamento de Serviço Social, 2004, p. 61-83.

_____. Transformações Societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. In: Revista Serviço Social & Sociedade, n. 50, 1996, p. 87-132.

_____. Uma face contemporânea da barbárie. Revista Novos Rumos. v. 50, n. 1, 2013.

RAICHELIS, R. O assistente social como trabalhador assalariado. Desafios frente a violação de seus direitos. Serv. Soc. Soc, São Paulo, n. 107, p. 420-437, jul./set. 2011.

RAMOS, S. R.; ABREU, M. H. E. Estratégias de enfrentamento e lutas do Serviço Social brasileiro frente a precarização da formação e do trabalho profissional e suas implicações no estágio supervisionado. In: SANTOS, C. M. dos., LEWGOY, A. M. B., ABREU, M. H. E. (Orgs.). FORTI, V., GUERRA, Y. (Coord. da série). A supervisão de estágio em Serviço Social: aprendizados, processos e desafios. Coletânea nova de serviço social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016, p. 79-97.

REIS, M. B. M. dos. Notas sobre o Projeto ético-Político da Profissão. In: CRESS/7a. Região. Assistente social: ética e direitos. Rio de Janeiro, CRESS/7a. Região, 2000, p. 405-419.

SANTOS, C. M. dos. Na prática a teoria é outra? Mitos e dilemas na relação entre e teoria, prática, instrumentos e técnicas no Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

SILVA, M. O. da S. (Org.). O Serviço Social e o popular: resgate teórico-metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 2011.

Downloads

Publicado

2020-06-26