O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA SOCIEDADE CAPITALISTA: ENTRE O SOCIAL E O ECONÔMICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2020v20n39p163-176

Resumo

Este texto trata das implicações do envelhecimento populacional na sociabilidade capitalista. Tem como objetivo evidenciar os aspectos sociais e econômicos do processo do envelhecimento, tanto no trato da pessoa idosa pela sociedade e pelo Estado quanto no potencial mercadológico pelo sistema econômico. Para tanto, respalda-se no referencial teórico-metodológico crítico-dialético, através de pesquisa bibliográfica e documental. Assim, apresenta reflexões sobre o envelhecimento demográfico no capitalismo contemporâneo e a relação capitalista no processo de envelhecimento populacional, destacando o mercado crescente voltado para esta população e o processo de exploração do trabalho deste segmento; como também analisa as conquistas alcançadas e os desafios a serem enfrentados pela sociedade e pela população idosa diante da crise do capital e das reformas das políticas sociais. Compreende que apesar dos avanços dos direitos sociais garantidos a esse segmento populacional, estes estão ameaçados com o fortalecimento do neoliberalismo no Estado brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena da Silva Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Assistente social, mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), doutoranda em Serviço Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Michelli Barbosa do Nascimento, Universidade Federal de Pernambuco

Assistente social e Mestre em Gerontologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

 

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 7. ed. São Paulo, Cortez, 2000.
BEAUVOIR, S. de. A velhice. Trad. Maria Helena Franco Monteiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.
BRASIL. Constituição Federal do Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.
______. Lei nº 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, 2003.
______. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa – PNSI. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 out. 2006.
______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Lei n. 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Brasília, DF, 2010.
_______. Emenda Constitucional Nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o ato das disposições constitucionais transitórias, para instituir o novo regime fiscal, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm Acesso em 10 jul. 2018.
_______. Lei nº 9.656, de 3 de julho de 1998. Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/449960.pdf Acessado em 10 jul. 2018.
CAMARANO, A.A e PASINATO, M. T. O envelhecimento populacional na agenda das políticas públicas. Rio de Janeiro: IPEA, 2004.
Dados gerais da Agência Nacional de Saúde Suplementar, 2018. http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-gerais Acesso em 9 jun. 2018.
DEBERT, G. G. Família, classe social e etnicidade: um balaço sobre a bibliografia sobre a experiência de envelhecimento. BIB – Boletim Informativo Bibliográfico de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 12, n. 33, p. 33-49, 1992.
FERREIRA, A.P.; TEIXEIRA, S. M. Direitos da pessoa idosa: desafios à sua efetivação na sociedade brasileira. Argumentum, Vitória (ES), v. 6, n. 1, p. 160-173, jan./jun. 2014.
FERRIGNO. José Carlos. O Cidadão Idoso: consumidor e produtor cultural. In. Política Nacional do Idoso: velhas e novas questões. (Org.). Alexandre de Oliveira Alcântara, Ana Amélia Camarano e Karla Cristina Giacomin. IPEA: Rio de Janeiro, 2016.
HADDAD, E. G. M. O direito à velhice: os aposentados e a previdência social. São Paulo: Cortez, 2001.
HADDAD, E. G. M. A ideologia da Velhice. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2016.
IAMAMOTO, Marilda Vilela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
IBGE. Censo Demográfico 2012. Disponível em: <http: //www.censo2012.ibge.gov.br>
LOUVISON, M. C. P.; ROSA, T. E. da C. Envelhecimento e políticas públicas de saúde da pessoa idosa. In: BERZINS, M. V; BORGES, M. C. (Org.). Políticas Públicas para um país que envelhece. São Paulo: Martinari, 2012.
Lukács, G. Existencialismo ou marxismo. São Paulo: Senzala, 1967.
Mais de um terço dos aposentados continua trabalhando, diz pesquisa. A principal justificativa é a necessidade de complementar a renda. Pesquisa foi divulgada pelo SPC Brasil e pela CNDL. Atualizado em 21/09/2016. http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2016/09/mais-de-um-terco-dos-aposentados-continua-trabalhando-diz-pesquisa.html Acesso em 9 jun. 2018.
MARX, K. O capital. Vol. I. Tomo I. Coleção Os Economistas. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Nova Cultural, 1988.
MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.
OLIVEIRA, Martha; VERAS, Renato; CORDEIRO, Hésio. A Saúde Suplementar e o envelhecimento após 19 anos de regulação: onde estamos? Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia: Rio de Janeiro, 2017.
PAIVA, Sálvea de Oliveira Campelo e. Envelhecimento, saúde e trabalho no tempo do capital: um estudo sobre a racionalidade na produção de conhecimento do serviço social. Recife, 2012. 252 f. Tese (doutorado) ‒ UFPE, Centro Ciências Sociais Aplicadas, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, 2012.
PAIVA, Sálvea de Oliveira Campelo e. Envelhecimento, saúde e trabalho no tempo do capital. 1º Ed. São Paulo: Cortez, 2014.
PAZ, S.F. O trabalho (des)humano e suas consequências na aposentadoria e na velhice. In: GOLDEMAN, S. N.; PAZ, S.F. (Org.). Cabelos de néon. Rio de Janeiro: Talento Brasileiro, 2001.
PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano 2014: Sustentar o progresso humano: reduzir as vulnerabilidades e reforçar a resiliência. Disponível em: <http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr2014_pt_web.pdf> Acesso em 20 set. 2016.
TEIXEIRA, S. M. Envelhecimento e trabalho no tempo de capital: implicações para a proteção social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.
_____. Envelhecimento na Sociabilidade do Capital. Campinas: Papel Social, 2017.

Downloads

Publicado

2020-06-26