Patriarcado e divisão sexual do trabalho no Serviço hospitalar

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p227-243

Resumo

Este artigo é parte das aproximações analíticas realizadas sobre o trabalho das mulheres em vínculos terceirizados no serviço hospitalar, desenvolvidas durante a pesquisa de mestrado em Serviço Social (UFRN/2010-2012). Realizamos pesquisa bibliográfica e exploratória, quanti-qualitativa, analisando o significado da distribuição da força de trabalho no serviço hospitalar. Analisamos como as desigualdades sociais criadas em torno das diferenças de Sexo e de Gênero contribuem para a persistência da dominação e da exploração Patriarcal e da divisão sexual e social do trabalho no sistema capitalista. Objetivamos tecer considerações acerca de categorias Patriarcado, Relações Sociais de Sexo e Divisão Sexual do Trabalho. Realizamos reflexões sobre a repercussão da dinâmica econômica, político-ideológica de exploração e subalternização que ocorre na e para a vida das mulheres no serviço hospitalar e no contexto contemporâneo de precarização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2007.

BARROCO, M. L. S. Ética, direitos humanos e diversidade. Presença Ética Online, ano 3, vol. 3, 2003. Disponível em <http://presenetica.wordpress.com>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. Banco de dados sobre o trabalho das mulheres no Brasil. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/bdmulheres>. Acesso: 24 abr. 2011.

CAMURÇA, S.; GOUVEIA, T. O que é gênero. 4. ed. Recife: SOS CORPO - Instituto Feminista para a Democracia, 2004. (Cadernos SOS CORPO; v.1).

CASTRO, N. A.; GUIMARÃES, I. B. Divisão sexual do trabalho, produção e reprodução. In: SIQUEIRA, D. E.; POTENGY, G. F., CAPPELLIN, P. (Orgs.). Relações de trabalho, relações de poder. Brasília-DF: Editora da Universidade de Brasília, 1977.

DEVREUX, A-M. A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina. Cadernos de Crítica Feminista, Recife, Ano V, n. 4. p. dez. 2011.

GALERAND, E.; KERGOAT, D. O potencial subversivo da relação das mulheres com o trabalho. Cadernos de Critica Feminista, Recife, Ano IV, n. 3. Dez. 2010.

HIRATA, H. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, Rio de Janeiro, n. 17/18, p. 139-156, 2001/2002.

_______; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v 37, n. 132, p. 595-609, set/dez. 2007. Tradução Fátima Murad. Disponível em: < http://scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132> Acesso em: 20 jul. 2010.

KARTCHEVSKY-BULPORT, A. Trabalho feminino, trabalho das mulheres: forças em jogo nas abordagens dos especialistas. In: ______. et al. O sexo do trabalho. Tradução de Sueli Tomazini Cassal. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

LIMA, R. de L. de. A dimensão do poder nas relações de gênero: o poder em debate. Recife-PE: UNIPRESS, 2002.

LOPES, M. J. M.; LEAL, S. M. C. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu, Rio de Janeiro, n. 24, p.105-125, jan./jun. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cpa/n24/n24a06.pdf>. Acesso em: 21 set. 2009.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: O processo de produção do capital. Tradução de Flávio Kothe e Regis Barbosa. São Paulo: Nova Cultural, 1996. Livro 1, V. 1. Tomo 1.

NOGUEIRA, C. M. A feminização no mundo do trabalho: entre a emancipação e a precarização. In: ANTUNES, R.; SILVA, A. M. (Orgs.) O avesso do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

______. Telemarketing: a saúde das teleoperadoras. In: SANT’ANA, R. S. et al. (Orgs.). Avesso do trabalho II. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SAFFIOTI. B. Quantos sexos? quantos gêneros? unisex/unigênero? Cadernos de Crítica Feminista, Recife, Ano 3, n. 2, dez. 2009a.

______. O poder do macho. 4. ed. São Paulo: Moderna, 1987. (Coleção Polêmica).

______. Ontogênese e filogênese do gênero: ordem patriarcal de gênero e a violência masculina contra mulheres. Série Estudos e Ensaios 2009b. Disponível em: http://flacso.redelivre.org.br/files/2015/03/Heleieth_Saffioti.pdf>. Acesso em: 13 de fev. 2012.

SANTOS, S. M. de M.; OLIVEIRA, L. Igualdade nas relações de gênero na sociedade do capital: limites, contradições e avanços. Revista Katálysis, Florianópolis, v.13 n. 1. p. 11-19 jan/jun. 2010.

SILVA, M. V. Diversidade humana, relações sociais de gênero e luta de classes: emancipação para além da cultura. Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 9, n. 28, p. 51-63, dez. 2011. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta>. Acesso em: 28 abr. 2012.

SIMIONATTO, I. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influência no Serviço Social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SOS CORPO. Instituto Feminista para a Democracia. O patriarcado e situação das mulheres: o feminismo e as lutas sociais. Curso de Formação Política Feminista. 07-12 de 2008, Caderno de Textos.

YANNOULAS, S. C. Dossiê: políticas públicas e relações de gênero no mercado de trabalho. Brasília-DF: CFEMEA; FIG/CIDA, 2002.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2016-01-08