A gênese do povo capixaba nas crônicas de Luiz Guilherme Santos Neves: técnica e jogo na fusão histórica e literária

Cláudia Fachetti Barros, Elizabete Gerlânia Caron Sandrini

Resumo


Na ciranda do mundo literário do historiador e escritor Luiz Guilherme Santos Neves, nos encontramos com sua obra intitulada Crônicas da insólita fortuna (1998). Utilizamos duas dessas crônicas, “Pedro Bueno Cacunda” e “O índio Firmiano”, corpus para análise, para, neste artigo, evidenciarmos como esse autor explicita a gênese do povo capixaba, ao entrelaçar história e literatura em um jogo que brinca com o imaginário do leitor. Em ritmo de brincadeira, a oralidade adentra a tessitura literária em pauta. Pela união da oralidade com a escrita, recorrendo a brincadeiras infantis – parlendas, provérbios e experiências – o literato dá a ver o que a história oficial não revela. Eis o que vamos discutir. Para tanto, os fundamentos teóricos de Antônio Viñao Frago, Jacques Derrida, Linda Hutcheon, Paul Zumthor, Pierre Lévy, dentre outros, serão visitados.

PALAVRAS-CHAVE: Povo capixaba. Luiz Guilherme Santos Neves. Jogo. História. Literatura.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cláudia Fachetti Barros, Elizabete Gerlânia Caron Sandrini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.