Testemunho, trauma e memória em Rumo à vida, de Olga Papadopol

Lizandro Carlos Calegari

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar a obra Rumo à vida (1979), de Olga Papadopol, a partir da perspectiva do testemunho, do trauma e da memória. Inicialmente, faz-se um breve comentário sobre a presença do judaísmo no Brasil, ressaltando suas contribuições para a cultura nacional, principalmente no âmbito das letras e da literatura, mais notadamente a partir da Segunda Guerra Mundial, quando, por razões históricas, muitos judeus migraram do continente europeu, vindo alguns a se instalar no Brasil. Alguns imigrantes, ao relatarem suas experiências em campos de concentração, redigiram textos que passaram a constituir uma literatura de testemunho da Shoah no Brasil. Nesse sentido, comenta-se, também, sobre a literatura de testemunho e suas principais características, relacionando-a com o trauma e a memória dos sobreviventes. A análise do livro de Papadopol revela que a narrativa produzida surge de um dever de não se deixar o passado se perder e, também, de uma necessidade de superação do trauma. Para o embasamento dessa proposta, levam-se em conta perspectivas teóricas de Dori Laub, Márcio Seligmann-Silva e Regina Igel.

PALAVRAS-CHAVE: Testemunha. Trauma. Memória. Shoah. Olga Papadopol.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Lizandro Carlos Calegari

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.