A HETEROAUTORIA DE CRISTOVÃO TEZZA

Pauliane Amaral, Rauer Ribeiro Rodrigues

Resumo


RESUMO: Este artigo acompanha os passos da subversão do “pacto autobiográfico”, proposto por Philippe Lejeune em 1975, a partir da análise do romance O filho eterno (2007), de Cristovão Tezza, livro que ilustra os paradigmas da escrita autobiográfica e a formação de novos pactos. Para tal, nos valemos das explanações desenvolvidas pelo próprio Tezza em O espírito da prosa (2012) – ensaio em que o escritor tenta definir a prosa à medida que revê sua formação intelectual – e das reflexões de outros teóricos, como Foucault, Bourdieu e Paul De Man, que pensam a presença da ficção e da não-ficção na literatura. Dessa forma, indicamos que a subversão autobiográfica de Tezza tem raiz em um pacto ficcional sustentado pela criação de um ponto de vista em que o autor, ao falar de si na terceira pessoa, ficcionaliza-se e origina o que podemos chamar de heteroautoria.

PALAVRAS-CHAVE: Romance brasileiro contemporâneo. Cristovão Tezza – O filho eterno. Literatura – Autobiografia. Literatura – Pacto autobiográfico. Literatura – Pacto ficcional.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Contexto - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.